Não existe culpa.

Posted in Caridade, Energia with tags , on setembro 18, 2014 by Helen Ians

Só queria lembrar aos quer irmãos que não existe culpa. Não se coloquem como culpados, ou vítimas da situação. Saiam desta posição.

Lutem com dignidade, coloquem o perdão, a bandeira da paz erguida, à frente de seus propósitos. E vocês verão, dia após dia, a luz brilhar mais forte, os sinais ficarem mais claros, a serenidade tomar conta de cada um de vocês.

Agradeço a oportunidade de estar mais uma vez nesta Casa de Luz e peço a Deus que abençoe a todos.

oglala lakota flagBandeira Oglala_Lakota

ANA NERI

 

A linguagem verdadeira que, realmente, comunica e aproxima, é uma linguagem essencial que existe dentro de cada um.

Posted in Caminho Sagrado, Conselhos, Relacionamento with tags , , on setembro 18, 2014 by Helen Ians

Native american tribesNão vou me alongar mas gostaria de tocar em um tema muito importante – que sempre o foi mas nos dias de hoje, mais do que nunca – e que é ainda. Antes de falar sobre isso especificamente, vou falar sobre isso de outra maneira e peço a vocês que procurem usar tecidos leves e cores claras. Será que me entenderam? A ausência da cor faz com que a energia se aproxime de vocês, mesmo que seja boa, e grude em vocês, não deixa que respirem. Pensem sobre isso. Não vou insistir para não ser óbvio. E, aliás, a obviedade é o grande problema desta civilização e é por isso que resolvemos falar aqui, esta noite, de “linguagem”.

Muito bem. Vamos ser práticos, vamos ser objetivos com um exemplo. Quando as pessoas viajam para conhecer outras culturas, outros lugares, algumas se encantam com o idioma novo e procuram aprender, nem que sejam algumas palavras, tentam pelo menos se comunicar naquela língua. Outros já dizem não entendi nada do que você me disse, ao estrangeiro. Se recusam a aprender , tem dificuldade em perceber a linguagem diferente.

Eu digo a vocês: o segundo tipo, e são muitas pessoas hoje em dia, correm um risco muito grande – pela falta de curiosidade e da abertura em relação à comunicação – risco de estarem perdidos porque a linguagem comum, hoje em dia, é rasa, superficial, sem conteúdo, vazia. Se não exercitarem esta capacidade, este dom que é de todos nós, até pela curiosidade de decifrar outras linguagens, acabam ficando óbvios.

E a vida não é óbvia, se não pela sua superficialidade. Interessa, sim, que vocês sejam profundos, quando dizemos, e dizemos sempre: mergulhem no seu interior. As pessoas que não tem facilidade de entender outras linguagens ou que não procuram entende-las, devem pensar: como vou mergulhar em mim mesmo e é assim. Quando se diz isto, de alguma forma significa ler, enxergar, tocar, ouvir além dos sentidos, perceber o sutil e o imperceptível à maioria. Maioria esta que, como a linguagem que usam, é vulgar, vazia e sem conteúdo.

Utilizem a sua sensibilidade – a mesma que faz com que vocês admirem uma obra de arte. A arte pode estar, aliás, está, predominantemente na natureza. Não queremos necessariamente intelectuais, artistas, críticos mas gente com sentimento, com sensibilidade.

Às vezes vejo coisas que me deixam pasmo – as pessoas entram em uma floricultura e falam: me dê meia dúzia daquela, 45 daquela, junta tudo e manda entregar. Muita gente está mandando entregar um monte de coisas, coisas estas que não pararam para observar a essência do que estão doando e achando que são magnânimos. Estão entendendo onde quero chegar? Não aceitem coisas que lhes mandam entregar – menos ainda agradeçam por esta falta absoluta de sensibilidade. Mas, pelo contrário, quando entregarem uma coisa, mesmo que não seja palpável, tangível, façam com a linguagem ampla e restrita, muito além dos seus sentidos.

Dizemos isso e estou encerrando – me perdoem por ter me alongado – porque precisamos de pessoas inteiras, que se comunicam de todas as maneiras. Cuja presença é visível, imprescindível. Cuja presença é como a de cada de um de vocês que nos preenche, nos completam, nos honram, que fazem a diferença, pela maneira como se comportam, mesmo em silêncio, porque há respeito, há sinceridade, há entendimento mesmo no silêncio.

Tenham curiosidade e aprendam outras formas de se comunicar. E podem ter certeza que muitas delas independem de sua educação e sua cultura, ou qualquer tipo de conhecimento que possam ter. A linguagem verdadeira que, realmente, comunica e aproxima vocês do que interessa, é uma linguagem essencial que existe dentro de cada um.

Que Deus se comunique conosco de todas as formas para que sintamos na pele a sua presença real.

NUVEM

Que os guerreiros reflitam sobre o que o guerreiro acabou de deixar a todos , da importância de um caminho quando é feito dentro da verdade e da seriedade.

Busque o caminho da plena energia e, de leste, oeste, norte ou sul, verá o outro caminho e compreenderá tudo.

Posted in Caminho Sagrado, Conselhos with tags , , on setembro 15, 2014 by Helen Ians

walk in the forest
Há certo momento em um caminho escolhido pelos próprios guerreiros que, de tanto os guerreiros fazerem sempre a mesma coisa, os guerreiros acabam como se fossem robôs caminhando. Não sentem mais o vento, não acabam escutando o Grande Espírito, não acabam notando situações no caminho, ou até mesmo, situações de guerreiros e guerreiras à sua volta, porque apenas estão caminhando novamente como se fosse mais um dia.

Os guerreiros acabam acostumando com certas situações do dia-a-dia, erradas, e não conseguem notar, por muitas vezes, o abismo em que estão entrando ou até mesmo, para muitos, em que estão caindo. Como diz o guerreiro Lobato, a percepção existe. Mas como trabalhar este lado, onde muitos “acham”, na língua de vocês, que estão certos, mas não conseguem ter a visão para baixo – não visão acima. Primeiro, Cacique fala visão abaixo. A visão baixa é apenas caminhar, sem notar, sentir o caminho. E se os guerreiros perguntarem como fazer para perceber situações, para perceber o que está acontecendo à sua volta – é simples. Querem sentir a si mesmos, sentir novamente o vento, a voz do Grande Espírito, basta buscarem ou criarem um caminho à parte. E de luas em luas, saírem deste caminho robô e passar para o outro caminho.

É como se o guerreiro parasse de caminhar neste caminho em que está e fosse buscar a energia, a força, no outro caminho. É a busca da montanha sagrada de outra forma para os guerreiros. É o momento apenas seu.  É o momento onde mesmo cercado por alguns guerreiros neste outro caminho, este seu encontro, como diz o guerreiro Alce Negro, em uma só unidade, no equilíbrio de um guerreiro onde existe espírito, alma, corpo, se integra em uma só forma. Porque a partir daí a força que precisam vai fazer a busca porque vai fazer desligamento daquela matéria que caminha como robô.

É a busca de seu espírito, onde existe a boa vontade da matéria de caminhar até lá e, numa só unidade, o seu espirito se transforma e ilumina a sua alma. E a visão aumenta. Porque quando o guerreiro, neste outro caminho, estiver pleno em energia, este guerreiro vai poder estar olhando para qualquer lado, como vocês falam na Terra – norte, sul, leste, oeste – e vai conseguir ter a mesma visão, de onde estiver, deste caminho de robô. Aí vai conseguir enxergar, não com olhos, como é falado, da carne – mas com sua alma. Vai conseguir enxergar o que estão fazendo com si mesmos. Não é com o caminho – pois o caminho já está lá. O caminho já existe na matéria e o caminho é real.

Tendo esta visão a partir da montanha em que estiverem, vão fazer seu encontro com si mesmo, com o Grande Espírito, com o vento, porque estão criando oportunidade para si mesmo. Esta é a verdadeira busca da sua energia. Como diz o guerreiro Lobato, aí a pergunta aos guerreiros: do que os guerreiros gostam? O que traz prazer aos guerreiros? O que traz o encontro de si mesmo com si mesmo, de si mesmo com o Grande Espírito, com o vento, com o sol?

Quando os guerreiros resgatam – já explicaram esta palavra “resgatar” para Cacique mas esta palavra parece não existir. Não existe “resgatam”. Aquilo que realmente gostam, aquilo que realmente existe em sua verdade como um todo, já está dentro de si – os guerreiros não vão “resgatar”. Resgatar é procurar, é buscar – não é isso. Vão fazer o seu caminho. Cacique vê mais como a boa vontade do guerreiro em gostar de si mesmo, onde este guerreiro não é cômodo, ou não cai em uma posição cômoda, e onde este guerreiro não acha que já não tem mais o que caminhar e o que fazer e já esta morto. Por isso para a aldeia nossa, para Cacique, esta palavra traduzida e explicada para nós não existe. O que existe é você guerreiro, você, guerreira, querer salvar a si mesmo. É o mínimo que os guerreiros podem fazer pela oportunidade que o Grande Espírito dá a vocês de estarem caminhando na Terra.

O que existe para Cacique é acomodação. O que existe é a falta de vontade. Aí se torna na língua de vocês, cômodo o não encontrar o tempo, o não encontrar o caminho, o não encontrar o Grande Espírito. O Grande espírito está em todos os lugares, assim como os guerreiros falam “Deus é vocês também”. Não importa se Deus é árvore, montanha, pássaro, se é o sol, mas está lá.

Esta acomodação que acontece com todos se dá porque o guerreiro não teve oportunidade em ter consciência. Muitas não sabem que estão no mesmo caminho sempre. E este passo, como disse o guerreiro Peão em uma lua, para a loucura é rápido. O que falta é terem vontade. Se os guerreiros tem força para ajudarem o próximo, se os guerreiros tem força e gostam de se sentirem fortes e ajudarem o próximo – vamos esquecer o ego porque quando é feito para os outros, e nós sabemos, que por muitas vezes ajudar o próximo é mais para sua alimentação pessoal em poder dizer: eu consigo, eu ajudo. Só que se esquecem de si mesmos. Aí o que se vê são guerreiros perdendo seu espírito, sim – os guerreiros esquecem porque o robô não deixa. Se perde a alma também porque esquece o lugar da sua busca sagrada, o próximo passo é perder a consciência e depois a loucura. O final, depois da loucura, porque não termina, como diz o guerreiro, Dr. Philip, médico, é a somatização na matéria, na doença.

Quando Cacique fala em doença, não está falando em gripe, em tosse. A pior doença é o guerreiro não querer ver o que está acontecendo com si mesmo. Com o próximo consegue. Para muitos às vezes alimentar o ego faz bem. Caminho errado. Como querem ajudar o próximo se não conseguem ajudar a si mesmos? Se os guerreiros querem, não é resgatar, e sim se salvar, que busque este caminho, busque esta energia.

Depois de completo, com a energia boa, aí faz o seu retorno novamente para o seu caminho. É certeza que vão caminhar de uma forma assim como um todo, completa, sim, diferente, porque vão saber o que estão fazendo com si mesmos. Aí caminham novamente, já completos, porque vão preencher quando voltam, as lacunas, como é falado, a si mesmos, e por si só já irradiarão a energia, mesmo no silêncio.

Caminham, novamente, sentem que já estão entrando novamente naquele túnel – busca de novo. Basta a boa vontade. Podem ter certeza que a cura por si só acontece. A cura do seu espírito, da sua alma, acontece. Uma nova mente toma conta, reflete em um novo corpo, porque tudo está em harmonia, como diz o guerreiro Alce Negro.

Muitos, corrente nossa observa, na parte maior estão acomodados, e na outra parte ficam se perguntando muito, com ponto de interrogação, e se esquecem da vida, esquecem do viver. Que os guerreiros tenham coragem de serem felizes, de lutarem, para si mesmos. Aí sim, vão poder ajudar a todos, passar energia boa para todos, vão estar com a visão longa. Grande espirito feliz com você, guerreiro, você, guerreira. E este caminho que “acham” que está pesado se torna leve porque vão descobrir a verdade em seu caminho. A verdade que existe neste outro caminho também existe neste. Vão descobrir a essência.

O papel para vocês, guerreiros, que Cacique não gosta nem de falar, mas vai falar hoje para vocês entenderem. O papel que é o dinheiro para vocês, no trabalho: hoje tem, amanhã não tem, depois vai ter de novo, depois não vai ter mais, depois conseguem de novo. Trabalho, da mesma forma. Tudo se torna um grande círculo, uma hora estão em cima, depois estão em baixo, tudo para desenvolvimento, transformação, evolução do guerreiro onde são responsáveis pelo caminho. Não existe culpado. Quem está bem e quem não está. Por muitas vezes o ter muito é ruim, pode ter certeza, e às vezes o ter o suficiente é a glória do Grande Espírito. Por isso se torna um grande círculo.

Agora, a sua vida, o seu corpo físico, o seu espírito, a sua alma, a sua evolução, a sua transformação, a sua reencarnação já de outras passagens para esta onde, sim, foram grandes guerreiros, onde, sim, fizeram a diferença para muitos, isto não tem círculo ou papel ou o nome que os guerreiros quiserem dar, que é maior que tudo isto. Nós sabemos perfeitamente de que precisam, nos sabemos perfeitamente. Mas se não estiverem completos deste lado, não conseguem no outro. E aí voltam. Desde quando o Cacique começou a trabalhar na Terra, como espírito,  assim como os grandes guerreiros aqui, aquilo que Cacique já falava através do aparelho era: primeiro se conquista o espiritual, e depois o resto. O espiritual é este caminho. O espiritual vai deixar claro. Não é frequentar centro espírita, aqui os guerreiros não trabalham com fantasia.

Conquista espiritual é este caminho onde os guerreiros se tornam um com o todo, cuidando de si mesmo. Esta é a verdade de um caminho sagrado.

Que vocês, guerreiros, assim como um todo, reflitam sobre as mensagens aqui deixadas de todo os guerreiros, busquem a sua verdade, busquem a si mesmos, parem de ser acomodados, parem de achar justificativa porque nós sabemos o que acontece.

Quando se quer arrumar tempo, como é dito, se arruma. Quando se tem boa vontade, faz para acontecer, basta ter fé, ter esperança, e acreditar. Basta sair, como diz o guerreiro Lobato, da sua posição de conforto e buscar a sua verdade.

Se os guerreiros estão se sentindo pesados, somatizando em seu corpo, e a saúde ruim, há coisas para serem analisadas. Mas não é só isso. Não é apenas a doença, não é apenas faz a sua busca e este caminho é só seu. Que o Grande Espírito abençoe a todos.

A corrente vê a todos, onde muitos às vezes esquecem que já são vitoriosos por estarem dando abertura a si mesmos de buscar as palavras, as mensagens, a energia, a força, como é buscado aqui ou em outras casas. Já são vitoriosos por isso. Se dão um passo para cá, dão mais um, dão mais outro: podem ter certeza de que as coisas vão se tornando claras em seu camanho. Aí, sim, energia plena e os guerreiros vão estar equilibrados em seu caminho sagrado.

Aos guerreiros de luz daqui da Casa, a todos os grandes guerreiros, Cacique agradece, mais uma vez pela guerra dos guerreiros que é nossa, a luta de energia pelo belo trabalho dos guerreiros.

NUVEM VERMELHA

Que os guerreiros tenham fé em seu caminho!

Posted in Uncategorized on agosto 31, 2014 by Helen Ians

Que os guerreiros sejam bem vindos à Casa de Luz. Aproveitem este momento de limpeza, não só a limpeza dos guias, dos grandes guerreiros aqui da Casa, mas também momento de cada guerreiro fazer o seu encontro com o Grande Espírito, e aproveitando estes momentos para que os guerreiros tirem de dentro de si, tirem de sua mente, os fantasmas e tudo aquilo que está atrapalhando o caminho de cada guerreiro. Que os guerreiros tenham fé em seu caminho, esperança, e que o Grande Espírito abençoe a cada um de vocês, guerreiros de luz.

NUVEM VERMELHA

Nenhuma folha, nada acontece, sem que Deus, nosso Grande Pai, permita.

Posted in Uncategorized on agosto 31, 2014 by Helen Ians

Conceição não sabe falar, muitas palavras brutas… Mas queria contar uma coisa.

Quando alguém era castigado aqui na Terra, assim sem fazer o que tinha falado que tinha feito, e todo mundo sabe aqui que no tempo de Conceição, todo mundo que cismava, ia para o tronco.

E quando apanhava, chegava um ponto em que nem sentia mais dor. E não porque estava quase desmaiando, mas porque sempre vinha alguém, – Conceição fala um espírito, para vocês entenderem – e não deixava alguma coisa acontecer, que não tivesse que acontecer.

O que eu quero dizer é que nenhuma folha, que nada acontece, sem que Deus, nosso Grande Pai, permita. Uns podem falar – mas então não acontecia o castigo? Acontecia. Mas a dor que vinha dele podia não acontecer. Então meus filhos, confiem, pensem que o c chicote pode bater mas que você não precisa e não vai passar aquilo que o Grande Pai não está vendo.

Conceição agradece por poder falar e deseja boa noite.

CONCEIÇÃO

Rompendo a inércia.

Posted in Caminho Sagrado, Casa de Luz, Conselhos on agosto 31, 2014 by Helen Ians

Vou ser breve e dar um exemplo de uma brincadeira de menino mas que tem a ver com o que vocês estão passando. Duas brincadeiras de menino. Bate uma bola, a bola vai rolar, rolar, rolar, enquanto a força inicial para que ela rolasse, permanecer. Ela vai longe mas vai chegar o momento em que ela vai parar.

A outra brincadeira de menino é quando, em uma superfície serena de um lado, se pega uma pedra lascada, ou uma lasca de pedra, e se tenta que, no primeiro toque com a água, esteja na superfície. Ela vai, vai, e toca em vários pontos da superfície e sempre que toca, forma vários círculos concêntricos. E estes círculos vão diminuindo a sua circunferência. Na medida em que vai cessando o impulso, a força, até que a pedra afunda.

Muito bem, estes dois exemplos querem dizer, espero, é exatamente o que vocês estão passando. Lançou-se a esfera. Jogou-se a pedra lascada. Só que alguém, do outro lado, no caso da pedra lascada, e do outro lado, no campo aberto, alguém atirou esta bola, bateu nesta bola, e atirou a pedra do lado contrário. Ou seja, vai começar tudo de novo. Até que se extinga outra vez a inércia. E isto sirva para cada um de vocês e para o conjunto que vocês chamam, e é assim, sociedade. Portanto, pedimos a vocês que sejam atores da ação. Que sejam agentes da ação e nos ajudem a lançar de volta aquilo que nos foi jogado ou atirado.

Como traduzir na prática uma brincadeira de meninos e uma teoria, quem sabe, da vida? Que é assim: o que pedimos a vocês, e isto já foi dito, reiteramos – ajudem-nos, ajudem a corrente, purifiquem a energia com ações que correspondem ao que vocês podem dar, que é o seu talento, a sua competência, a sua boa vontade. Principalmente, a sua consciência, de que vocês não são passivos, de que vocês não são e não podem e nunca serão alvos, porque vocês são flechas, porque vocês são pedras lascadas, porque vocês são esferas, perfeitas, em todos os seus lados, e capazes de levar a energia. Se depender de nós, vocês jamais serão alvos. Vocês são flechas, são pedras lascadas. Da mesma forma, são esferas que rolam, e quando a força vai terminar, alguém do outro lado, na mesma sintonia, vai devolver isso, só que com outro espírito, para que o movimento não cesse.

Estamos, assim, em um trabalho conjunto e eu espero a contribuição possível de cada um de vocês. Deus os abençoe, meus irmãos. A corrente hoje está muito leve aqui nesta casa. Muito agradecido ás égides de luz aqui presentes e à energia que cada um de vocês nos traz. A presença de vocês é essencial para que possamos trabalhar juntos, pelo bem, pela dignidade e pelo amor entre nós todos.

PEDRA ALTA

Saiam da sua zona de conforto e iniciem a batalha pela vida.

Posted in Uncategorized on agosto 31, 2014 by Helen Ians

Só gostaria de pedir aos irmãos, como foi dito aqui inclusive na reunião passada, e também dito hoje pelo irmão, nós podemos ajuda-los, sim, mas a grande diferença e quando vocês mesmos tomam atitudes, saem para batalhar, para lutar, se fortalecem na fé e nas palavras de Deus Pai Todo Poderoso.

Nós, sozinhos, não podemos fazer nada para vocês. Vocês, sim, tem em suas mãos o poder da transformação, o poder da mudança, o poder do êxito e cabe a cada um de vocês erguer a cabeça e lutar por tudo aquilo que procuram. Mas sempre com o coração transbordando de humildade, de fé e de amor a Deus Nosso Pai.

Peço a todos que saiam da sua zona de conforto e iniciem a batalha pela vida, pela sobrevivência e pela felicidade de cada um. Agradeço a oportunidade e peço a Deus que ilumine a todos.

JURACY

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 33 outros seguidores