Palestras 27/09/2014

Posted in Uncategorized on novembro 9, 2014 by Helen Ians

Mensagem de abertura de Nuvem Vermelha

Que os guerreiros sejam bem vindos à Casa de Luz, aproveitem este momento de paz, com toda a energia aqui da Casa para que os guerreiros sintam e caminhem em paz no Caminho Sagrado da evolução, da transformação. Onde neste caminho os grandes responsáveis por toda a energia e por aquilo que vão colocar no mesmo são os próprios guerreiros.

Os guerreiros equilibrem a mente, tendo fé e esperança no Grande Espirito, e buscando o entendimento, buscando sempre a esperança que existe nos irmãos.

Existem momentos de grande confusão, mas não são perenes.

Posted in Conselhos, Uncategorized on novembro 9, 2014 by Helen Ians

Calma e tempestadeBoa noite a todos os irmãos.

Vim aqui especialmente para dizer que a natureza é sábia, poderosa, e que a água que alguns sentiram há poucos momentos atrás, consiga chegar até vocês, para principalmente purificar os vossos corações e lavar a vossa alma.

Percebam os ventos, as nuvens, o céu, o mar, o movimento de ida e vinda.

Levem para vossa vida: existem momentos de grandes marés e existem momentos de calmaria. Existem momentos de grande confusão, mas eles não são perenes.

Portanto, aproveitem, abrandem e acalmem os vossos corações. Agradeço imensamente estar nesta casa que há muito venho acompanhando, onde um trabalho de grande valia é desenvolvido, e peço a Deus nosso Pai, que abençoe a todos vocês.

(Ana Neri deu passagem a outra entidade)

Abram as asas, que Deus os ajude a voar. Estão a bordo de barcos seguros.

Posted in Arte de viver on novembro 9, 2014 by Helen Ians

barcosQue maravilha, coisa linda que acabamos de ouvir e em sintonia porque era exatamente sobre isso que gostaria de falar. Vejo muita água, muita água. Muita mesmo. Mas não só da chuva, necessária para fertilizar a terra, e tudo isto que foi bem dito. Quando em vida, mudávamos muito, seguindo a prosperidade, a caça, enfim, vocês conhecem a história. E sempre nossos acampamentos eram próximos das águas, por motivos óbvios. Então, eu nunca estive junto ao mar. Mas eu era capaz, quando subia a montanha, de sentir o vento ou de sentir no vento, o sal e a brisa do oceano que eu imaginava.

Aqui, em outra dimensão, aprendi, para que vocês entendam que sempre se aprende onde quer que estejamos, aprendi com navegadores e fico encantado com as histórias do mar. Por que estou dizendo isso? Porque vêm aí tempestades. Não se assustem. Não queremos que vocês tenham receio do que for porque estão seguros e sabem por quê? Porque estão a bordo de barcos seguros, navios que tem rumo certo, neste país, nesta terra desgovernada, sem controle. Mas, a bordo, há controle. Naquela roda que conduz o barco quando movimenta o leme. O que eu quero dizer é assim: os barcos foram feitos, como disse a senhora presente aqui, para acompanhar o movimento das águas, suavemente, e mesmo na tempestade galgar as ondas. E descer com suavidade de um pássaro marítimo, que pousa na água. Pedimos a vocês que atentem a estes movimentos, não se enrijeçam porque se o barco flutua ao sabor das ondas, a postura fixa, a postura dura faz com que vocês tombem no convés. Tombar no convés… Não podemos deixar que tombe aquele que agora conduz no rumo certo, sem ficar à deriva, sem se perder no caminho.

Por favor, pedimos que todos vocês que já galgaram um entendimento, que já tem uma bagagem de elevação espiritual, todos aqui, sem exceção, que vocês se portem como marujos.

Equilibrem-se nos decks, no convés, para não cair e prestem atenção – se você fica no convés do navio, rígido, vai cair com certeza. Esta é a postura (mostra através de um participante) com que vocês, após a tempestade, dêem o passo, aí já em terra firme. E alguns de vocês, quando abrem as asas, os braços, que Deus os ajude a voar, no sentido mais sutil do conceito. Bem vindos a bordo, nobres marinheiros, na descoberta de novas terras, ao sabor de outras ondas e na direção de certos ventos. Que Deus os abençoe.

PEDRA ALTA

 

É mais fácil manter a cabeça erguida.

Posted in Conselhos with tags , , on novembro 9, 2014 by Helen Ians

cabeça erguidaApenas relembrando a vocês como foi dito e bem dito pelos irmãos, altos e baixos, idas e vindas, águas calmas e agitadas. Isto reflete a vida dos irmãos, uma hora está tudo bem, outra hora não tão bem, outra hora está tudo péssimo.

Mas o que estamos tentando dizer a vocês é que tentem, por mais difícil que pareça, tentem manter o equilíbrio, tentem manter a cabeça erguida. Procurem e busquem a paz.

Vocês dirão: como encontrar a paz no meio de tantos problemas e de tantas dificuldades? A paz, vocês vão encontrar através da verdadeira fé, aquela fé incondicional no nosso Pai, nosso grande Pai. Aquela fé que vocês vão parar e dizer: eu sei, Deus, que está difícil, mas segura em minhas mãos e me ajude a percorrer o caminho. Esta fé inabalável, indestrutível que nos queremos ver nos irmãos. E é só no caminho da fé que vocês vão encontrar a verdadeira paz. Pensem e reflitam e vocês vão ver que é mais fácil manter a cabeça erguida.

Agradeço a oportunidade e peço ao nosso grande Pai que abençoe a todos os irmãos.

JURACY

Assunto delicado: como os guerreiros desperdiçam aquilo que é ouro!

Posted in Conselhos with tags , , , on novembro 9, 2014 by Helen Ians

desperdiçar o ouroA linha que separa o entendimento da resposta, da explicação, esta é a mesma linha onde existe, dentro do mesmo caminho, mais três caminhos. E se os guerreiros não caminham de uma forma clara – clara, Cacique fala, com si mesmo – os guerreiros se perdem. O motivo de se perderem é porque não estão, como disse o guerreiro, focados com seu comprometimento ou com o caminho escolhido, ou com a sua verdade, ou com aquilo que realmente buscam e querem.

Muitos acabam sentindo – isto porque os guerreiros estão com a mente fora daquele momento e querem tentar resolver três, quatro, cinco coisas ao mesmo tempo. Homem branco tem costume de muitas luas atrás, e que ainda continuam: “não se blindam”, como é falado, e qualquer tipo de energia ou qualquer fantasma toma conta da mente. Por isso o entendimento, a resposta, a explicação e acabam se perdendo no caminho, porque no momento que surge o sagrado, deixam escapar. Ou porque não sentem o sagrado naquele momento, porque a mente já estava preocupada com o outro caminho.

E as energias vão tomando conta de sua mente, até os guerreiros não aguentarem. O certo, guerreiros, na língua de vocês é “se blindarem” com algumas coisas que os guerreiros sabem que podem tirar o guerreiro do caminho, podem conduzir os guerreiros a outro caminho, e caminho pesado, com obstáculo. E isso se deve porque muitos pensam: se aquilo está dando, ali está certo, se também não estiver certo, não tem problema, o outro lado está certo – e acabam criando um tanto faz, na língua de vocês, como diz o guerreiro Lobato, e no mundo de vocês, que muitas vezes se torna fantasia daquilo que importa em seu caminho.

O se blindar, o não colocar tudo na mente. Antes de colocarem na mente, façam uma peneira, como vocês falam. Colocam na mão, tudo na mão, e vão passando para a mente uma coisa de cada vez – resolvam, esqueçam! Porque ficam conversando com o fantasma! Coloca outra coisa, resolve, esquece! E nisso tudo, este processo de resolver, é preciso estar focado, é preciso estar lá, é preciso não se maltratar. Se no caminho sagrado, os guerreiros não perceberem- no primeiro momento – que é sagrado, os guerreiros vão caminhando como se fosse um caminho normal e não se dão conta de onde estão caminhando. Sim, é sagrado! Lá para frente, os guerreiros acordam e aí percebem que amaldiçoaram o próprio caminho, de que fizerem pouco caso do próprio caminho, do quanto desrespeitaram o próprio caminho. Aí Cacique pergunta: e depois? Querem fazer a volta ao começo. Ninguém consegue fazer a volta ao começo. Não existe. Vou dar uma chance e preciso de uma chance. Será que o caminho quer a chance?

Este assunto é o mais delicado de todos: como os guerreiros desperdiçam aquilo que é ouro, aquilo que é sagrado, porque não se deram conta onde colocaram o guerreiro ou a guerreira.

Aí como o Cacique disse, os guerreiros acordam se desculpando ao Grande Espírito por não conseguirem enxergar o que era sagrado. É preciso pedir desculpa a si mesmo. Como que os guerreiros não sentem? Aí os guerreiros podem até responder: nós estamos aqui para aprender, para transformar, para evoluir, e podemos cometer erros que nos fazem não enxergar. Sim, Cacique concorda. Só que os erros são de princípio. O erro é de senso, sensibilidade, princípio. A forma que caminham, o caráter, e assim vai. Será que era preciso alguém avisar: olha o caminho! Quantos, abandonando o que realmente valia a pena e aquilo que realmente o guerreiro ou a guerreira estava procurando, só acordaram lá para frente.

estou aqui para aprenderMais uma vez Cacique fala, se fizer a volta, aí sim, do que foi dito há luas para trás, esta volta, sim! Se dá a oportunidade de olhar para dentro de si e perceber o que fazem para si mesmo. Mas eu queria estar, eu queria a conquista, eu queria… Mas os guerreiros, muitos, não fazem o passo da forma certa para a conquista. Daí caminham de qualquer jeito e depois reclamam. Ou porque não tem sorte ou porque o caminho não é bom ou o que acontece, a desculpa que se dão: “eu também estou aqui na Terra para aprender”.

Sim, aquilo que se faz hoje se repete lá para frente, aquilo que se cria, cresce lá para frente. E por que Cacique fala tudo isso? Porque esta linha delicada que divide é a linha sagrada daqueles que realmente vão caminhar com entendimento, vão se superar e, caminhando, fortes, no entendimento do Grande Espírito, se transformarem. E a conquista, no final, é aquilo que se busca, é aquilo que realmente está escrito. No inicio do seu caminho que o guerreiro ou a guerreira pediu. Eu queria isto, eu quero isto e eu quero isso. Não adianta querer como dizia o Prof. Policarpo, se o guerreiro quer milho, vai plantar milho, não adianta plantar milho e querer algodão. Porque tudo que for tratado, tudo que forem começar, tudo, sem exceção, tratem  com respeito.

Os guerreiros não sabem o caminho e já querem dar palpite, os guerreiros não sabem a energia com que estão lidando e querem mostrar um lado seu, ou um lado que supostamente já sabem, ou – Cacique vai um pouco mais longe – mostrar que também conhece um pouco, como vocês falam na Terra, como diz o guerreiro Lobato, a malandragem. Para mostrarem que também conhecem. Não é desta forma. Desta forma, a imagem se perde, o seu nome ninguém lembra. Cacique fala do começo de tudo. Começo de trabalho, começo de relacionamento, começo… mostra a verdade, mostra a si mesmo. Não queiram mostrar uma outra pessoa. Como dizem, a máscara cai ou se na sua frente está uma pessoa mais compenetrada, mais focada, ou na língua do guerreiro, “mais malandra”, o guerreiro ou a guerreira já estão descartados.

Por isso da importância da seriedade em seu caminho. Do respeito, em respeitar as energias que estão tomando conta do começo. Igual corrente nossa – corrente nossa não precisa mais que isso. Nunca precisamos. Quando Cacique fala “mais que isso”, Cacique fala não precisa de luz nenhuma piscando, não precisa de cascata, o que precisa é a boa vontade dos médiuns, a boa vontade dos guerreiros que ajudam, a energia que vocês, guerreiros, trazem para a casa – a mesa e as cadeiras. Não precisa de quadro, não precisa de nada. Esta é a nossa verdade. Por isso Cacique fala de caminharem sempre em agradecimento ao que recebem. Caminharem em respeito a si mesmos. Caminharem seguindo aquele caminho, como Cacique disse: Cacique viu muitos caindo e Casaco Azul, em guerra, quando Cacique fez a pergunta ao Casaco Azul: o guerreiro sabe o motivo da guerra? Este foi o tempo que o guerreiro levou para responder, por isso perdiam.

É simples sentir o caminho, sentir a si mesmo, sentir o novo, o começo. Porque se entraram, como diz o guerreiro, supostamente entendem e sabem onde estão pisando. Se não sabem, é porque estão apenas caminhando atrás dos outros. E geralmente caminhar atrás dos outros, se o outro for para o barranco, o guerreiro vai junto. Não se caminha atrás dos outros mas, sim, com a sua verdade, com aquilo que o guerreiro acredita. Assim que se tornam vencedores e grandes guerreiros. Se fosse assim, logo no começa a aldeia nossa já desistia. E pelo que Cacique lembra, nós não perdemos uma guerra.

Da mesma forma, os nossos guerreiros, Cacique faz comparação, onde um guerreiro engloba tudo num só – a força da guerra, a sabedoria, saber o limite da linha que separa uma coisa da outra, da mesma forma vocês procurem enxergar dentro de si tudo isto, a força da guerra, a sabedoria, o limite de não passar certas linhas, e saber o momento de fazer a pintura da guerra, e fazer a guerra, ou o momento de recolher, buscar o sagrado na montanha sagrada. Mas tudo isto no momento olhando para dentro de si, traduzindo na língua dos guerreiros – focados naquilo que estão fazendo. Não se vai para uma guerra, como aldeia nossa fazia antes, pensando se vai fazer chuva ou não. Se chover, é debaixo da chuva. Se não chover, vai ter guerra da mesma forma.

Guerreiro, dentro de si também existe ordem. Os guerreiros caminham em desordem como foi dito pelo guerreiro Pedra Alta há pouco. Querem organizar o país, antes, se vocês não estiverem organizados. Não é o governo que precisa se organizar, são vocês. Vocês tem força, vocês tem sabedoria, vocês podem fazer uma nova energia, e esta nova energia tomar conta e aí sim mostrar a si mesmos e mostrar para si mesmos como se deve fazer. Acordem! Não existe mais o tanto faz. Ou fazem e se organizam, ou derrota.

Guerreiro Peão já tinha falado aos guerreiros na lua do ano passado: para quem se organiza, está num caminho reto. Está blindado, está caminhando, saúde está forte. Para quem não se organizou, está sentindo. Como disse o guerreiro, quem montou cachorro grande – na língua de vocês, cavalo – e pegou na rédea, está conduzindo da forma certa. E tem a rédea na sua mão. Quem apenas montou sem segurar direito, porque qualquer caminho serve, já caíram, ou estão caindo, ou estão tentando se levantar. Sim, sempre há o começo para os guerreiros tomarem um novo caminho só que da forma certa. Só que Cacique fala que, para muitos, aí fica, será que aquilo que colocaram, está voltando seu caminho? Sim, eu posso ter a segunda chance. Sim, o guerreiro vai só que de outra forma. Aquilo que passou, passou e não volta. Cacique falava isto em Terra, ou faz agora ou não volta. E é o que acontece com muitos.

É preciso, guerreiros, serem mais duros com si mesmos. Para um guerreiro que está tudo certo, está tudo bonito, está tudo em ordem, vê as coisas de uma só forma, iguala a todos, barranco! Derrota! Por isso a ordem e a cobrança. Sim, se cobrem. Muitos falam “não se cobrem tanto!” Cacique fala, sim, se cobrem – é desta forma que se transforma um simples guerreiro em um grande guerreiro. Mas o guerreiro não vai aguentar. Sim, aguenta – onde está a fé, onde está a esperança? Se tem um guerreiro que aguente, você também aguenta. Se não aguenta o caminho, não peça ou não se culpe porque não conseguiu. Ou não distribua a culpa porque não conseguiu. O maior culpado são vocês mesmos. Ou somos nós mesmos. Todos os guerreiros aqui deixaram as mensagens de luz a todos. A reunião não acaba aqui na Casa de Luz. A reunião começa da porta para fora. Se cobrem. Percebam os erros, os grandes guerreiros fazem isto. Não erram com aquilo que estão dando a você guerreiro, a você, guerreira, não errem com o sagrado, não errem com a energia porque se, por um descuido, você não conseguiu enxergar, Cacique pergunta: que descuido é este? Não estava pedindo? A não ser que o erro seja a alimentação do ego, do orgulho e de nada adianta…

Que os guerreiros reflitam, se cobrem e coloquem em prática as mensagens deixadas, coloquem em prática aquilo que o Grande Espírito deseja, da forma que os guerreiros caminham, organizados com si mesmos. Que o Grande Espírito abençoe a todos.

A todos vocês, guerreiros de luz, que caminhem leves, com alegria, e podem ter certeza de que aguentam, sim. É preciso ter fé, ter esperança, porque no momento que precisam, muitos esquecem, muitos não mostram tão fracos por um motivo ou outro – a culpa é de si mesmos. Que o Grande Espírito abençoe a todos.

NUVEM VERMELHA

A força do seu pensamento sobre o plano habitado.

Posted in Conselhos with tags , , , on novembro 3, 2014 by Helen Ians

Gostaria de pedir do fundo do meu coração a todos os irmãos e que a mensagem seja levada a outros e mais outros para que se mantenham serenos. Não alimentem pensamentos raivosos, de discórdia, dor, sofrimento. Lembrai-vos, queridos irmãos, que nada acontece por acaso.

Mas vocês também não podem esquecer-se da força que tem o vosso pensamento. Que carga negativa vocês mesmo podem provocar e fazer pairar sobre o plano habitado  através destes maus pensamentos. E aí sim, muito do que poderia ser feito não será possível, pois será preciso a limpeza, todo o trabalho espiritual para retomar o equilíbrio, o discernimento.

É hora de colocar a fé em prática, o equilíbrio, a serenidade e a confiança em Deus Nosso Pai. Como sempre dito, ninguém está desamparado e nunca estará. Agradeço a oportunidade de estar mais uma vez nesta Casa de Luz e peço a Deus que abençoe a todos.

ANA NERI

Mensagem de Nuvem Vermelha

Como bem disse a guerreira Ana Neri, acalmar a mente traz paz dentro da sua verdade, dentro daquilo que realmente é verdade no caminho dos irmãos. Quando os guerreiros acreditam, quando os irmãos dão o passo para que a harmonia aconteça, para que o equilíbrio aconteça, os irmãos caminham da forma certa. Por isso o fortalecimento, como sempre Cacique fala – da mente – para que a visão não cegue os guerreiros, para que os guerreiros não tenham e não tomem, como foi falado pelo guerreiro Peão estas luas, a atitude errada.

Guiem-se pela luz, irmãos. Não olhem para baixo, no fundo da ravina.

Posted in Ajuda espiritual, Conselhos with tags , on novembro 3, 2014 by Helen Ians

Le ravin dan la montaigneColocar a fé em prática, que coisa importante, não? Vamos ver como faz? Muito bem. Existe um conceito tão natural, tão compreensível e ao mesmo tempo, muitas vezes, ignorado quase solenemente, que é a dualidade. O bem X o mal. O escuro X o iluminado. O certo X o nem tanto. Está certo o que eu disse? Pergunto a você (dirigindo-se a um participante, que confirma). Errado! Existe uma terceira dimensão: tudo tem que ser visto como um todo e não apenas com esta radicalidade. Nem tudo é isto ou aquilo, mas talvez tudo isso por aquilo outro. Entenderam? Muito bem.

Colocar a fé em prática. Um exemplo simples para aqueles que tem imaginação: se você está caminhando sozinho, na ravina. Você tem montanha de um lado, caminho estreito aqui, aqui tem profunda depressão, depois lá, sobe outra montanha. Entenderam o que é ravina? Se cai uma pedra, e bate, resvala em você, você para, proferindo impropérios para a pedra? Ô pedra como tem coragem de me atingir? Você talvez fale, enlouquecido com o sol forte na cabeça. Se por acaso, pisa em falso, na beira do precipício e as pedras desmoronam, mas você está ali – será que mesmo sob sol forte, você vai dizer: adeus, pedras, afundem-se no precipício?

Agora, muitas vezes, no caminho, há um obstáculo e você deve chutar a pedra para que, caindo, desmorone, antes de você passar. Portanto, se considerarmos as três dimensões, muitas vezes do alto é que vem a pedra, muitas vezes, resvalando-se, vai a pedra ao fundo.

Se vocês trouxerem este exemplo simples de caminhar, para o que vivem hoje, saberão que não classifiquem de derrota aquilo que vocês fizeram desmoronar e não profiram impropérios para as pedras que vocês estão derrubando para poder passar pelo desfiladeiro, em segurança. E a vitória é algo que se sente por dentro. Aquela sensação de que se pedras caíram, algumas até me atingiram, eu não estou ferido, e continuo caminhando, seguindo o sol, a luz. Não classifiquem pelo dual, mas tentem entender o conjunto e um dia perceberão que são mais de três dimensões. Mas vocês tem dificuldade disso, sim, porque vocês não usam os olhos da alma e eu já vi uma cena ridícula, para ver em três dimensões você põe um óculos. É uma coisa! Como se vocês não tivessem esta capacidade – que tem mas não usam. Então só conseguem ver pobremente isto ou aquilo.

Não percebem que a opção é muito maior porque a terceira dimensão os leva a ver tudo do alto e saber exatamente por enxergar do alto, onde estão as pedras que vão rolar. E certamente não vão levar nenhum de vocês, junto, porque vocês já perceberam o que está por acontecer. E não é uma coisa pontual. É uma limpeza que vem sendo feito há tempos mas é preciso praticar a fé. Estamos todos perdidos, a montanha vai cair sobre a nossa cabeça! Só se for sobre a sua. Ou estamos todos salvos porque eu consigo ver todo o caminho e imaginar quando o caminho faz uma curva aqui ou acolá.

Pela minha experiência de vida, em desfiladeiros, prefiro esta segunda opção – acreditar, ter fé, naquilo que é de seu conhecimento anterior, na sua experiência imediatamente passada, o momento presente onde se olha, onde pisa, e o futuro que se apresenta no caminho que muitas vezes eu não vejo, mas eu acredito, eu sinto e aí não é por conhecimento ou cultura, ou vivência passada, mas por intuição, que é a ferramenta do espírito para conduzi-los em segurança para onde quer que seja.

Nem todos os obstáculos foram transpostos mas por mais que não pareça, para vocês, multipliquem isto por aqueles que nos ajudaram com boa energia. Está aberto o caminho e a guerra ganha. Entenderam? Qualquer outro sentimento de “Oh! Por todos os deuses, a montanha vai cair sobre a minha cabeça!” – se vocês fazem isso, deixam de olhar neste momento por onde estão pisando e, de fato, a montanha pode cair na sua cabeça. Na sua, viu? Na minha, não.

E que seja assim – muitas vezes o que parece, absolutamente não é. E aquilo que vocês acreditam que realmente é, se não for percebido em 3 dimensões com a sua intenção, deixou de ser. Esta é a verdade, simples assim. Isto é praticar a fé. E fé não é nada mais do que crer, quer naquilo que se possa ver com os olhos da carne. Melhor ainda, naquilo que se pode ver com os olhos da alma que são o espelho, na espiritualidade.

Vocês estão na montanha – o resto são pedras caídas, que já rolaram. Aí, sim, conversar com as pedras – coitado de vocês, já rolaram e continuam descendo. Aí é bom o sol forte na cabeça,  para enlouquecer um pouco.

É esta a mensagem que nós tínhamos que dar, eu digo “nós”, perdoe-me o Conselho presente, mas acredito que seja o nosso pensamento comum. E se alguma pedra tiver que incomodar o seu sapato, que quando você tira, que seja um cristal, uma ametista, uma turquesa. Aí vocês tiram aquilo que incomoda e colocam no peito, amarrado, bonito.

Guiem-se pela luz, irmãos. Não olhem para baixo, no fundo da ravina, se o seu objetivo não é chegar lá mas subir. Não ligue para as pedras que rolam, são pedras. Não se importem com o sol forte na cabeça, é bom enlouquecer um pouco, às vezes, no bom sentido. E falar com as pedras, se eu quiser, brincando com a situação que é séria.

Como eu disse a vocês, vocês não tem noção do que está para acontecer. Aliás, eu nunca coloco nada no futuro, do que “já aconteceu”, mas mais pedras vão rolar. Mais do que isso seria estender, alimentar uma segurança excessiva para vocês – ai, como eu gostaria de fazer isso mas não estão me deixando. E se eu dramatizasse um pouco sobre a aparência das pedras, vocês teriam noites de terror. Entendidos?

Caminhando, olhando à frente, com o sol na cabeça, o vento no rosto, em equilíbrio. Nem tanto a encosta da montanha, muito menos o fundo da ravina. Acreditando que, ao final, está o seu objetivo e deliciosamente sabendo que nunca este objetivo estará no final pois sempre haverá uma continuidade do caminho, quer seja aqui, e sem explicações agora, ou acolá. Que a Senhora me perdoe se não fui preciso ao tentar explicar o que seja a fé em prática. Que o Conselho reunido aqui, em circulo, ajudando vocês a terem o bom senso e tomarem as ações necessárias ao momento. E isto é uma coisa muito minha, que me perdoem todos os presentes e as égides – pequem até, mas não por omissão, é um pedido meu. E que O Grande Espírito nos abençoe, indicando o caminho que nunca tem um fim, a todos nós.

PEDRA ALTA

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 33 outros seguidores