Archive for the Caminho Sagrado Category

Abertura

Posted in Caminho Sagrado with tags on agosto 22, 2017 by Helen Ians

CAMINHO DOS GUERREIROS

Que o Grande Manitu abençoe a todos. Que os guerreiros sejam bem vindos e aproveitem este momento de paz, dando abertura para encontrar a transformação, aquilo que vai fazer os guerreiros crescerem, se transformarem, evoluírem dia a dia.

Como Cacique fala, sempre primeiro buscando a si mesmos. Lutem em seu caminho que irão conquistar o que lhes é de direito.

Tenham fé e esperança, e acima de tudo, lutem para o que buscam, para preencher seu Espírito e sua Alma no que é importante para o caminho dos guerreiros.

NUVEM VERMELHA

Palestras 14/08/2017

Anúncios

Não deixe a energia ruim atrapalhar o seu caminho.

Posted in Caminho Sagrado with tags , on agosto 21, 2017 by Helen Ians

Apenas para completar o que foi bem dito na Casa de Luz, nesta lua da noite, aqueles guerreiros que não conhecem, hoje, a mensagem de Cacique, ela serve para todos os guerreiros, em especial nesta lua da noite. É sobre aquele velho Cacique que precisava de uma guerreiro para ficar em seu lugar e, numa lua da noite, disse a si mesmo em um momento de paz, de reflexão: eu já sei quem é o guerreiro que vou colocar no meu lugar e que vai ser grande chefe, pois Cacique já está velho. Quando guerreiro foi fazer descanso, deitou e fez seu encontro com o Grande Espírito que lhe disse: Grande Espírito sabe que o guerreiro escolhido é forte, sábio, mas antes vai ser feito um teste para ver se é este guerreiro mesmo. Vai convocar todos os guerreiros que quiserem participar. Eles terão que subir até o ponto mais alto da Montanha Sagrada. O primeiro guerreiro que chegar ao topo da Montanha Sagrada vai ficar no lugar de Cacique.

A montanha era de difícil subida, poucos conseguiam chegar lá. Os guerreiros se reuniram na lua sagrada, prometida e, como vocês falam, dando a largada, todos saíram correndo para fazer a subida da montanha. No topo da montanha o grande chefe da aldeia e mais alguns guerreiros velhos ao seu lado. Os guerreiros começaram a subir a montanha, foram subindo, subindo, até que um grande guerreiro conseguiu chegar, depois de algumas horas – alguns chegavam à metade e escorregavam, alguns caíam – era muito alto. Todos ficaram surpresos, pois o que chegou não era o guerreiro escolhido pelo grande chefe da aldeia. Era outro guerreio.

Aí os guerreiros continuaram chegando, cada vez mais – e o cacique da aldeia olhou para o xamã e disse: “Onde está o guerreiro que é o melhor que eu tenho, meu braço direito? Caminharam um pouco e olharam lá para baixo: os guerreiros vinham subindo, alguns caindo, e viram este guerreiro na metade de montanha ajudando os pequenos que tentavam subir, por brincadeira, e alguns guerreiros com idade avançada também. E ele ajudando a quem precisava. É claro que, com uma atitude desta, demonstrava que este guerreiro ficaria no lugar do chefe. Os guerreiros se aproximaram e lhe perguntaram: “Guerreiro, por que não chegou primeiro? Você, guerreiro forte, guerreiro de guerra, guerreiro que tem visão longa com as coisas.” Guerreiro disse: “Eu preferi ajudar os que estavam tentando subir, pois eu já me conheço, eu sei até onde posso chegar, eu não precisava mostrar nada, os guerreiros aqui já conhecem. Por isso preferi mostrar aos guerreiros que eles também conseguem, com alguma ajuda, com fé, com esperança, com ajuda…

Assim foi feito e, novamente a visão naquela montanha e Grande Espírito disse: “Sim, você estava certo, sempre esteve. Foi apenas mais uma lição. Este guerreiro escolhido por você é o que vai ficar no seu lugar.” E assim o guerreiro ficou, tomando conta de todos os guerreiros.

Cacique lembra das histórias de guerreiro Peão, luas para trás, dizendo sobre cada guerreiro que ele dá aquilo que tem de melhor. É impossível um guerreiro que não tenha paz dentro de si, dar paz. É impossível um guerreiro que não tenha amor dentro de si, dar amor. É impossível um guerreiro que tem espinho dentro de si, dar flor. O guerreiro que tem um sentimento, se não estiver preparado, se não tiver transformado a si mesmo, é impossível dar aquilo que nunca sentiu, nunca teve e nunca soube o que é. É impossível, mesmo com todo o ensinamento, toda lição. Como vai dar alguma coisa se não tem o sentimento de amor, o sentir a paz, se nunca teve?

Cacique fala, não analisando a superfície, mas como o guerreiro Peão fala, analisando a profundeza. Por isso a transformação de sua alma, a transformação de seu espírito, onde muitos guerreiros se perguntam o porquê disso, o porquê daquilo, quando basta olhar para dentro de si, basta perceber o caminho que, sim, escolheu! Aí muitos guerreiros falam: “Mas eu não iria imaginar isso, ou aquilo, só fui entender depois.” Como guerreiro fala, e Cacique, da mesma forma: o depois pode ser tarde. O depois pode demorar anos. O depois pode demorar várias encarnações.

Como bem disse a guerreira, quantos guerreiros aqui, com o caminho livre, com o caminho tranquilo, como disse a história do guerreiro, contada através dele, mas pela guerreira. Como o guerreiro que tinha caminho tranquilo, em paz, e que sempre quis a paz, sempre quis um caminho, de verdade, e, dentro de si, encontrou e preencheu seu sonho. Como na história, ele recebeu apenas a sacola da moeda e tinha um grande caminho pela frente! Foi a única coisa que ficou. E o outro guerreiro com carma ruim, apenas sofreu um ferimento. O carma dele seria desencarnar em um ano.

Assim na terra como nos céus. Da mesma forma, vocês, guerreiros, quantos, com caminho livre, se atrapalham no caminho. Aí Cacique fala, como fazer volta agora? Assim também o contrário: – quantos guerreiros, com caminho não bom, com energia ruim, mas foi transformado em energia boa, transformado uma energia maior que ilumina o seu caminho e toma conta de cada caminho do guerreiro – e o guerreiro consegue enxergar o caminho. Aqueles guerreiros que escutaram realmente todo o ensinamento e colocaram em prática, estão fazendo seu caminho de evolução, encontrando o Grande Espírito. Por isso da importância de saber o que tem dentro de si. Ninguém consegue dar o que não tem. Não tem amor, não consegue passar, não tem paz, não consegue passar. O reflexo não é fora – mas é dentro de si.

Por isso corrente fala tanto das limitações. Limitem-se, coloque um escudo em volta, como fala na Terra, blindem a si mesmos, para a energia ruim não atrapalhar o seu caminho. Basta uma energia pequena para atrapalhar. Até fraca, mas atrapalha, porque aquilo que é sagrado não se mistura com energia ruim, aquilo que é sagrado tem a sua luz própria. Como os guerreiros falam aqui, aquilo que é sagrado não se mancha, é para sentir e, quando os guerreiros sentem realmente, como muitos que Cacique já ouviu falar aqui, estão no paraíso, quando tudo bem.

Mas por que o caminho pega outra direção – será que é o caminho que faz isto? Energia boa vai embora porque percebe que existe energia ruim a cada momento. A energia tem sabedoria, a energia não mistura. Por isso Cacique fala a vocês, guerreiros, que estão fazendo seu caminho sagrado. Não deixem energia ruim, atrapalhar, mesmo achando que vão saber lidar. Basta uma faísca e tudo vai por água abaixo, como os guerreiros falam. E não é para isso que os guerreiros estão aqui. Como os guerreiros recebem presente do Grande Espírito e não conseguem entender, não conseguem ver – querem fazer mistura com energia ruim. Ou, da mesma forma, energia do dia a dia misturar com aquilo que preenche a sua alma, que é o seu sonho. A não ser que nunca foi o sonho, apenas acha que foi. Aqueles guerreiros que não tem linguagem própria, mudam fácil as coisas.

Por isso, guerreiros, coloquem na mente aquilo que é verdade dentro de si, aquilo que importa, e lutem por aquilo que buscam, por aquilo que querem, mas lutem da forma certa para depois não ficarem batendo cabeça. Não estão aqui para isso mas, sim, para se transformarem. Bater cabeça pode até fazer transformação de trampolim – passa por certas coisas para fazer evolução, mas isso é derrota. Ah! Mas está melhorando. Pode estar melhorando, mas o melhorar sozinho não vale nada. Assim como fala guerreiro, um guerreiro de guerra morto não vale nada. Um guerreiro, sempre um guerreiro. Tem que estar vivo, pronto para a guerra. Do que vale um herói morto? É hoje, hoje é a lua sagrada, amanhã os guerreiros precisam pensar da mesma forma. Hoje é lua sagrada. Muitos se afastam de si mesmo, se afastam da energia. A energia está em qualquer lugar, basta fazerem o certo, darem abertura da forma certa, mas não podem esquecer que a energia se afasta quando se percebe qualquer energia ruim. Por isso que é preciso que os guerreiros se completem com aquilo que acreditam. Quando os guerreiros sabem aquilo que querem e tem palavra naquilo que realmente querem, os guerreiros lutam.

Há muitas luas atrás, chefe branco assinou documento, como se fala na Terra, lá onde nossa tribo viveu. Demarcou terra para toda a aldeia nossa. Hoje os guerreiros não cumprem aquilo que falam, estão passando serpente negra em nossa aldeia, como é dito. Na língua de vocês, é oleoduto, passando por toda a terra. O novo chefe branco fez assinatura e estão em guerra. Passando serpente negra em lugares sagrados para toda a aldeia nossa. Estão em guerra da forma deles, não estão desistindo. Não cumpriram o que falaram. Por isso aldeia nossa não consegue ver de forma correta.

Por isso vocês guerreiros cumpram aquilo que falam – sejam verdadeiros, sinceros com si mesmos. Na nossa aldeia não existe lugar para estes caminhos onde fala uma vez uma coisa e depois outra, como está sendo feito lá do outro lado, depois de tantas luas. Mas como todos os grandes guerreiros aqui, que ficam encrustados perto da terra, como nós, em forma de espírito, nós sabemos que a vida cobra, como disse a guerreira, e as coisas mudam. Aqueles que estão fazendo o errado vão colher o errado. Por isso Cacique fala e preserva tanto a sinceridade de si mesmos com vocês mesmos. Como consegue dormir e descansar direito se repete o erro, como lá está sendo feito? Serve de lição para todos. Sejam verdadeiros, sinceros.

O guerreiro que já sabe o que é, apenas caminha, buscando a visão longa da grande águia. Esta é a intenção deum guerreiro que se transforma e eleva o seu espírito, a sua alma. Que os guerreiros reflitam na mensagem deixada por todos os guerreiros aqui na Casa de Luz, que lutem pelo que querem e o busquem, mas dentro de sua verdade.

A todos os guerreiros aqui da mesa, Cacique agradece a energia, e o comprometimento com os trabalhos. Quando se tem um propósito e ele é sério – o propósito é transformar um guerreiro, ou dois ou três, ou quatro – existe um espírito acompanhando o caminho de cada guerreiro, para que busque e, assim, preencha a sua alma.

NUVEM VERMELHA

A renovação de cada dia

Posted in Caminho Sagrado, Uncategorized with tags , on junho 2, 2017 by Helen Ians

morning sunQue a luz que banha os céus, todas as manhãs, traga consigo a renovação necessária para cada dia. E que o renascer seja a força necessária para vencer mais um dia de batalha.

Psicografia Viviane

NUVEM VERMELHA Cacique agradece a mensagem da guerreira e com este canto de energia, que os guerreiros lutem para que conquistem os seus sonhos.

Não esqueçam que não caminham sozinhos, mas que façam também sua parte em atitude, da forma certa, para que as coisas se tornem uma, de uma forma vertical, para que os irmãos encontrem o seu centro, encontrem o Grande Espírito, para que os irmãos se sintam lua a lua mais completos e que caminhem em paz lado a lado com o Grande Espirito.

A vida unificada com o Sagrado

Posted in Caminho Sagrado, Uncategorized with tags , on maio 1, 2017 by Helen Ians

vida unificada com o sagrado

Como disseram:

  • a guerreira Juraci: toda ação tem uma reação, onde os guerreiros vão receber o que plantaram há luas para trás;
  • o guerreiro Pedra Alta: com o envolvimento das mãos, onde estas se tornam mágicas quando abraçados à verdade, ao correto, ao certo – de uma forma sagrada, pura e com verdade; e esta dança, como também disse o guerreiro, que se torna única;
  • como se os guerreiros, como dito pelo guerreiro Peão na lua da semana passada: sobre a base da pirâmide grande, onde os guerreiros vão subir, escalando degrau por degrau, ate chegarem ao topo, se unificar e,
  • como bem disse o guerreiro Lobato – no topo, que se torna cada vez mais fino e se torna o mundo.

É este crescimento na vertical, como o guerreiro disse, esta dança unificada no sagrado, buscando na vertical o grande Espírito, o seu Deus, onde aquilo que é sagrado, é eterno, é daí que os guerreiros vão alcançar o seu sonho.

Buscando, lutando, mas a cada lua, se tornando um, tirando energia ruim de seu lado, se blindando, como a corrente fala aos guerreiros.

Limpando o rastro para que os guerreiros consigam sentir em sua plenitude, sentir a si mesmo, que é sentir ao Grande Espírito, que é sentir tudo aquilo que esta envolvido e contido em si mesmo, unificado pelo seu Espírito e pela sua alma.

Aos guerreiros que não vieram lua passada, também guerreiro disse da oração da guerreira sacerdotisa, na língua de vocês:

Senhor, se eu buscar a ti pelo desejo, que o Senhor me tire do seu céu. Se eu buscar a Ti, o seu céu, pelo desejo, que o Senhor me expulse do seu céu. Se eu buscar o inferno, da mesma forma, e tiver medo deste inferno, que o Senhor também me expulse dele. Agora se eu recebe-lo de uma forma pura, verdadeira, que o Senhor me acolha em seus braços, na glória do Grande Espírito, na glória de Deus.

A oração desta guerreira tem grande importância na busca de cada guerreiro aqui na Terra por aquilo que vale realmente a pena. É a busca da verdade, da sinceridade, onde toda a energia à sua volta vai limpar o seu caminho, para que os guerreiros conquistem aquilo que realmente vale a pena, aquilo que realmente está contido na sua alma e no seu espírito. Assim como o sonho. É a busca sem interesse, é a busca de graça. É esta a busca verdadeira pela qual vocês devem lutar sempre.

Primeira história

roda de sansaraGuerreiro irmão conta história para Cacique, sobre um grande general, sempre lutando, sempre fazendo suas guerras, por muitos anos, por muitas luas, e sempre encontrando a vitória em todas as suas guerras.

Só que chegou um momento em seu caminho, que o guerreiro já caminhava para suas guerras, sem dar importância ao que ia acontecer – se ia encontrar vitória ou derrota. E guerreiro conviveu muitas luas com isto – sempre encontrando a vitória, onde para ele não havia tanto motivo.

Ficou sabendo de um mestre sábio, um monge, e foi conversar com este guerreiro. Quando o encontrou, em uma montanha, ao lado de árvore sagrada, fazendo suas orações, guerreiro fala que naquela lua havia neve caindo, neve já tendo coberto a perna do guerreiro, e ele viu o guerreiro meditando, se aproximou de seu lado, e esperou o momento certo.

Passaram horas e horas, o guerreiro monge meditando – é claro que o guerreiro monge já tinha percebido e via que o guerreiro não ia embora, e em determinado momento, ele parou a sua prece, olhou para o guerreiro e disse: o que você quer de mim, guerreiro?

O guerreiro, na sua sinceridade, na sua verdade disse: eu entrei em uma roda de Sansara.

Os guerreiros sabem o que é a Sansara aqui? Guerreiro explicou para Cacique que é uma roda sagrada onde os guerreiros entram e caminham em um ciclo, sempre na mesmice, e acaba saindo e chegando ao mesmo ponto.

Como diz o guerreiro, isto quer dizer a mesma coisa de manhã, de tarde, de noite. Esta é a roda de Sansara, onde tudo cai na mesmice, na mesma coisa todos os dias, onde tudo se torna sem graça. É uma expressão dos monges.

Este guerreiro disse: sempre a mesma coisa, parece que eu não caminho, não ando, tudo que eu olho perdeu a graça, tudo que eu vejo, por mais vitória que é o que eu sei fazer, na guerra, deveria me deixar feliz, mas parece que perdeu graça – nada mais me alimenta.

O guerreiro sábio, olhando no olho do guerreiro, disse: e quem colocou você nela?
No momento em que o monge perguntou isto, o guerreiro percebeu novamente a Luz. Apenas com esta pergunta. Isso não quer dizer que alguém colocou o guerreiro lá – o próprio guerreiro se colocou nesta roda de Sansara. Por que colocou? Porque plantou da forma errada e colheu da forma errada. Não é que alguém colocou você, você se colocou. Tudo poderia ter sido diferente. O caminho poderia ter sido outro.

Mas guerreiro fala para Cacique que, naquele momento em que o guerreiro olhou para dentro de si, e percebeu, que ele havia tido atitudes erradas, plantado errado, e como disse o guerreiro Peão, de forma mais dura: viu que foi o preço que o guerreiro pagou pela forma como conduziu o seu caminho.

Naquele momento onde as palavras do sábio – pequenas, curtas, mas de grande força (e quem o colocou nela? Seria você mesmo?), naquele momento o guerreiro conseguiu perceber e sentir novamente os seus braços, com a magia, sentir novamente a dança sagrada como uma verdade que está, sim, no seu espírito, na sua alma! Tudo voltou novamente a alimentar a alegria, a paz novamente, por ter caminhado, por ter visto que realmente o problema era o próprio guerreiro, a própria guerreira. Quando vocês, guerreiros, percebem o sentir, como falaram aqui, olhando para si, o caminho longo…

Segunda história

monk and lightO guerreiro Peão conta sobre um lugar sagrado, onde todos os sábios se reuniam. Lá havia um guerreiro que escrevia algumas palavras em forma de poesia, de uma forma bonita, forte, expressiva, como diz guerreiro Lobato. Este guerreiro, mestre de todos, também já velho, precisava deixar algum guerreiro sábio em seu lugar e disse: amanhã quem fizer a escrita e deixar um poema escrito, o mais bonito, o mais forte, que toque a alma, que toque o espírito, vai ficar em meu lugar.

Neste momento, como disse o guerreiro Peão, todos já olharam para um deles, que era muito bom nas palavras, na escrita, e já sabiam que ele iria ganhar. Mas no mesmo momento em que o mestre disse isso, havia uma cozinha ao lado, e lá um cozinheiro também escutou.

Quando o cozinheiro escutou, o mestre olhou nos olhos dele e viu que o guerreiro se iluminou inteiro, viu que uma grande luz se aproximava e tocava no guerreiro. Naquele momento ele disse: eu posso até colocar o cozinheiro para participar junto destes sábios, mas eles nunca o aceitariam como mestre. Este vai ser um obstáculo. Mas esta luz não foi à toa, tem um motivo.

Na lua do dia seguinte, todos vieram com sua escrita. Aquele que escrevia muito bem disse: “e na beleza da sua alma e no seu espirito, onde o sagrado está contido, onde o sagrado desperta, onde o sagrado se transforma, e ao mesmo tempo em que tudo isso acontece, existe um espelho onde você se reflete nele e este espelho, dia a dia, se acumula de sujeira. E é preciso que limpe todos os dias o seu espelho”.

O guerreiro quis dizer que não poderia contaminar, como diz guerreiro Peão, nem se blindar, colocando um escudo à sua volta, não deixar o seu espírito, a sua alma se contaminar, refletida, quando o guerreiro olhasse no espelho, como diz guerreiro peão, como se não tivesse sujeira, e tivesse orgulho de si mesmo quando olhasse refletido naquele espelho.

Esta foi a última mensagem que aquele guerreiro deixou. Guerreiro Peão fala que a escrita era grande, mas que, resumindo, é isto. Assim quando terminou de ler, o mestre, olhou embaixo, e viu que havia outra folha escrita, mas todos já tinham passado. Viu que era o cozinheiro. Onde o guerreiro dizia: “se é no espírito e na alma que existe o sagrado, eu me unifico com todos eles, que refletido no espelho o sol aonde a cada dia vou me transformar, nesta luz sagrada, e esta luz, refletida no espelho, que já é sagrado, vai refletir em todos e a todos que se aproximarem. Estou unificado com Deus, com o sagrado, com o sol, em um só, onde somos um“.

Se os guerreiros analisarem o que foi dito, comparando o primeiro e o segundo, verão que o segundo guerreiro já se coloca em um lugar de unificação, em um lugar sagrado porque não deixou se contaminar. Acredita-se que, como diz guerreiro Peão, ele não iria precisar limpar o seu espelho todos os dias e tirar a poeira, tirar a sujeira, porque ele já sabia do seu comportamento, de sua atitude, e do que queria. Ele já está no topo, ele já se colocou no topo de forma humilde onde “eu não vou precisar tirar todo dia a sujeira, porque eu não me deixo contaminar, o sol faz a diferença”.

Assim como falaram os guerreiros, o seu sol tem que fazer a diferença, o seu Deus, o seu Sagrado tem que fazer a diferença, você, guerreiro, tem que fazer a diferença, se não é mais um.

E voltando à história do guerreiro, quando o cozinheiro venceu pelo que deixou, o guerreiro iria parar a história aí, mas resolveu contar o resto. Os guerreiros se dividiram entre os monges. Os guerreiros mestres, os sábios, uns seguiram o mestre que já fazia escrita boa e outros seguiram o guerreiro cozinheiro.

Os dois seguiram por muitas luas passando ensinamentos para os guerreiros que também queriam se tornar mestres. Só que um se acabou e o outro continuou por muitas e muitas luas, dias e dias, anos e anos, por muitas luas – e formou monastério forte, grande, sagrado, de guerreiros mestres, sábios, que viviam em paz, próximos do Grande Espírito, onde buscavam a sua oração.

Por que o outro, como diz guerreiro Peão, se dissipou, se exterminou? Porque em vez de se blindarem e buscarem esta energia sagrada, davam oportunidade dia a dia para que a energia ruim, as coisas ruins acontecessem.

Cacique vê como interessante esta história onde os guerreiros podem lua a lua trabalhar a si mesmos, passando e limpando o seu espelho, ou os guerreiros já podem buscar a si mesmos e perceber à sua volta o que realmente vale a pena e é sagrado, e já unificar com o sagrado aquilo que realmente você, guerreiro, você, guerreira, quer e busca.

Que vocês guerreiros busquem o seu caminho unificado de uma forma sagrada.

Que o Grande Espirito abençoe a todos.

Aviso

Na próxima semana, não vai haver reunião. Será possível aos guerreiros refletirem sobre as mensagens deixadas aqui. Que os irmãos tenham luas de paz, luas felizes e alegres, mas deem o passo por tudo aquilo que os guerreiros busquem, mas antes de buscarem, limpem o seu caminho, limpem, como diz guerreiro Peão, o rastro que deixam, a energia ruim para que os guerreiros fiquem próximos ao Grande Espírito, onde a verdade está contida em sua alma e em seu espírito.

NUVEM VERMELHA

O que alimenta o espírito e a alma.

Posted in Caminho Sagrado, Uncategorized with tags , on março 24, 2017 by Helen Ians

feeding soul and spiritQue o Grande Manitu abençoe a todos.

(Dá as boas vindas aos presentes e às entidades: Cabocla, Viviane, Pedra Alta, Juraci, Ana Neri, Luz Forte, Gerônimo, Falcão, Peão, Guardião, Ragnar, Alce Negro).

Corrente completa, formada, para dar início aos trabalhos neste início da noite. Cacique pede aos guerreiros concentração, foco e atenção a tudo aquilo que vai ser dito nesta noite – mais uma lua da noite abençoada pelo Grande Espírito.

Que vocês guerreiros luz sejam bem vindos aqui na Casa de Luz, acompanhando toda a corrente, e que aproveitem este momento de limpeza, para que também limpem as suas mentes, o seu espírito, deem oportunidade a toda a energia da Casa de caminhar lado a lado com todos vocês, guerreiros de luz, para que caminhem em paz, lutando, em busca daquilo que alimenta o espírito e a alma de cada um aqui na Casa de Luz.

CACIQUE

Se a vida está surrando, levante e busque o que alimenta o seu sonho.

Posted in Caminho Sagrado with tags , on março 24, 2017 by Helen Ians

alimente o sonhoCacique dá sequência àquilo que bem deixou a guerreira Juraci:  que os guerreiros levantem a cabeça, na humildade, e que lutem pela sua fé.

O lutar pela sua fé é lutar pela sua alegria, pela sua felicidade, por aquilo que vai alimentar a sua alma. Como foi bem dito na lua da semana passada, é aquilo que vai alimentar o seu sonho.

Os guerreiros vão ter dois caminhos pela frente, ou ficarem parados ou acreditarem no seu sonho e lutarem. É desta forma que se conquista, é desta forma que o guerreiro encontra a vitória, como bem disse a guerreira Juraci, e é buscando dentro de si a resposta que o guerreiro vai dar o passo da forma certa.

Muitos irmãos aqui na Terra se justificam a todo o momento e acabam não caminhando, pelo medo, ou como foi dito, pela resistência. A resistência é para quem alimenta o ego. É aquele que prefere não ter trabalho e ficar estacionado, não lutar e aceitar.

Como Cacique sempre fala aqui na Casa de Luz, aquele que aceita é porque já está derrotado. Não é para aceitar e, sim, entender.

Aquele que aceita também está lutando, está sendo resistente. Aquele que trabalha com a resistência não aceita a mudança porque vai confrontar sua mente, seu ego. Vai confrontar o que acredita há 30, 40 anos e até mais, e escutou a vida inteira: como de uma hora para a outra, vai entender que o caminho que fez e da forma que está, está errado?

Cacique percebe que, para muitos, o que falta é este passo a mais para alcançar o seu sonho. Como bem disse o guerreiro lua passada, aquilo que o guerreiro considera sutil é tão real quanto aquilo que o guerreiro toca aqui na Terra, que é sólido, que é o sonho de cada guerreiro.

E como estão traduzindo agora, do Dr. Philip, o guerreiro médico aqui presente, dizendo que, há muitas luas atrás, viu muitos guerreiros encontrando a sua cura ou cura do corpo físico, quando se tem alguma doença já em estado quase terminal, aonde o médico chega ao guerreiro e pergunta: qual o seu sonho? E o guerreiro diz: é cuidar de crianças… é isso ou aquilo… E, aí sim, o guerreiro bate no ombro, e diz de uma forma real: Guerreiro, caminha em direção ao seu sonho, vá à luta. E este guerreiro caminha, dá o passo, mesmo  no estado em que está, e este médico começa  a perceber que a sua doença, assim que ele deu o passo –  e se envolve em uma energia maior, respirando, sentindo o seu sonho, preenchido com alegria naquele momento – sua dor vai embora e a doença, como diz o guerreiro para Cacique como, por exemplo, o câncer, diminui a cada dia.

Diz o guerreiro: quantos, quantos atendeu neste estágio e aqueles para quem disse – vá em busca do seu sonho – a doença regrediu e o guerreiro começou a melhorar, encontrou a sua cura.

Esta é a luta de quem realmente está na Terra, como um verdadeiro guerreiro que luta, que luta e, como diz a guerreira Juraci, luta e não cansa.

Não é o guerreiro que não luta para nada, abandona tudo ou aceita de uma forma covarde, como diz o guerreiro Peão, aquilo que estão lhe impondo.

Como diz o guerreiro Peão, guerreiro já viu muitos enfrentarem a vida e vencer. De caminhos perdidos, de coisas perdidas até então e, pela luta, o guerreiro encontrar a sua alegria, a sua paz, a sua felicidade. Mas para isso é preciso vencer a si mesmo, e olhar para dentro de si.

Aqueles que não conquistam, que respiram a vida do outro, aqueles que não lutam e caminham parados (até guerreiro Lobato diz: estranha palavra, caminhar parados – mas com a vida dos outros), é porque existe a resistência para lutarem por esta busca, na verdade.

É o que deseja a corrente a todos aqui na Casa de Luz, para que lutem, lutem, lutem – não desanimem. Percebam primeiro onde está o obstáculo, o problema: não é externo, é interno.

Muitos aqui não conseguem alinhar, como diz o guerreiro Peão, o pensamento, o que fala, a atitude, o que diz, e por isso vivem dando cabeçadas, como diz o guerreiro Lobato, perdidos em um caminho que é sagrado, num caminho da magia sagrada, porque não conseguem, como diz o guerreiro Alce Negro, encontrar o seu eixo que é no centro de si mesmo e se limitarem àquilo que estão recebendo porque não conseguem ter a visão longa e a força necessária para que façam da forma certa a sua busca.

É o que deseja a corrente aqui na Casa de Luz, nesta lua sagrada, a todos: que a cada passo seja uma vitória. Deixe a resistência, como diz o guerreiro Peão, deixe para os fracos e para aqueles que andam na sombra dos outros.

Cacique tem certeza de que os guerreiros aqui lutam, não importando quantas vezes caiam e se a vida está surrando os guerreiros, que levantem, que levantem e continuem em busca daquilo que alimenta o seu sonho, como bem disse a guerreira Ana Neri.

CACIQUE

Momentos sagrados transformados em um momento maior.

Posted in Caminho Sagrado, Uncategorized with tags , on março 24, 2017 by Helen Ians

SPIRIT OF THE PLAINSOs grandes momentos que os guerreiros passam aqui na Terra, sagrados, onde aqueles que aproveitaram aquele momento sagrado de alegria, deram o passo e o transformaram em um momento maior. E conseguiram se aproximar do Grande Espírito, de seu Deus, de uma forma plena.

Aqueles guerreiros que não aproveitaram aquele momento sagrado – no qual toda a Energia, toda a Magia deu oportunidade ao guerreiro – são os guerreiros que plantaram da forma errada e estão hoje tentando fazer o encontro de si mesmo.

Como disse a guerreira Juraci, com a luta, com olhar para dentro de si, com a fé, com a esperança, toda a corrente tem a certeza de que estes guerreiros saem da resistência, saem para este Caminho Sagrado, pedindo à Energia que traga novamente aquele momento sagrado para que você, guerreiro, plante, e isso possa lhe trazer aquilo que é de direito.

Que o Grande Espírito abençoe a todos.

CACIQUE