Archive for the Natureza Category

Prefiram os ventos perfumados que vem de cima.

Posted in Natureza with tags , , on março 27, 2016 by Helen Ians

AUTUMN LAKE Graham GerckenA renovação – talvez o conceito mais perfeito do caminhar nesta vida e nas outras que se sucedem. Se vocês observarem, a nível bem físico, é exatamente hoje, ou nestes dias na Terra, a ocorrência das duas estações – no hemisfério norte a primavera, no sul, os dias outonais. É o único momento no ano em que as temperaturas são amenas e que o clima é caracterizado por uma brisa suave. O vento que ajuda a levar sementes das primeiras flores, lá em cima; cá embaixo, o vento que leva embora as folhas caídas. Percebem? Aquilo que morreu e aquilo que está nascendo ou por nascer. É este o segredo da vida. E, significativamente, retrata aquilo que precisava ser mudado neste hemisfério onde vocês vivem, que foi ao vento, folhas, galhos secos, se perderam e lá em cima, que haja reflexão para que se deixem crescer as flores. Portanto, como disse a doce senhora antes de mim, reflitam sobre isso, mas sem parar, sejam agentes da transformação. Às vezes, eu imagino se vocês pudessem soprar, com muita força, imitando o vento, para levar o pólen das flores, no caso lá, para que elas multipliquem as sementes. Ou que vocês virassem para trás e fizessem a mesma coisa (assopra): acabou, agora é outra coisa. É nova estação.

Printemps _ Kalinka Duaiv

Portanto, daqui para frente, deixem as folhas rolando, apodrecerem, os galhos podres rolando, deixem, deixem… Prefiram os ventos perfumados que vem de cima. E aproveitem – e não se esqueçam de mim porque gosto muito de chocolate – sabe aquilo que, não sei se com todos acontece, é difícil comprar, parece que falta ouro e querem cobrar mais ouro do que as pessoas possam ter, mas… um chocolatinho eu aceito. Toda esta simbologia encantadora e lúdica, do coelho… Estas coisas fazem bem para a alma. Quando símbolos como estes – e não importa aqui criar uma aura de como surgiram, de onde… não importa! – estão aí estes símbolos – então façam assim. Vocês podem seguir os rastros do coelho que “supostamente” botou ovo, no jardim. Estas coisas fazem bem. Tem muito mais significados do que vocês possam imaginar. Combinados?

É assim que eu quero que vocês saiam daqui esta note, com a alma leve, e o espírito elevado, tendo certeza de que foram coroados com flores, por uma vitória que vocês não podem nem imaginar o quão grande foi. Esqueçam as folhas mortas, soprem as flores, sigamos todos em frente, com esta característica da criança, do menino, que eu peço que vocês nunca deixem de alimentar. Espero que estas palavras tragam um pouco de paz, um pouco de suavidade, de doçura, ao pós-guerra, enfim, o que tinha que ser, foi e o que tiver que ser, virá com o vento, com o vento perfumado da primavera do hemisfério norte.

pegadinhas de coelhoVamos seguir as patinhas. Vamos ser felizes. Vamos ser doces. Vamos compartilhar pequenas coisas que tem imenso, incomensurável valor. É isto que este país está precisando, o equilíbrio, o discernimento, para recomeçar. Daí, como comecei, termino: renascimento, renovação. Que o Senhor, nosso Grande Espírito, nos ajude a seguir as patinhas… E que nos abençoe a todos.

PEDRA ALTA

  • Imagem 1 – Autumn Lake, Graham Gercken
  • Imagem 2 – Printemps, Kalinka Duaiv
Anúncios

Qual a minha melhor parte?

Posted in Natureza with tags on janeiro 25, 2016 by Helen Ians

carvalhoCada guerreiro é único. De tudo que foi bem dito, vamos nos ater a esta máxima. E eu explico o porquê. Quando eu era um menininho, e faz muito tempo, muito arteiro como vocês dizem, eu não conseguia parar quieto. Vou confessar um segredo a vocês – hoje eu vejo, embora a noção de tempo nesta dimensão seja diferente da de vocês. Sabe por que eu, arteiro que era, não conseguia ficar parado nem um minuto? Porque eu tinha medo de criar raiz. Eu olhava aquelas árvores enormes, honrava tanta beleza, olhava para cima, mas menino arteiro que era, dizia para elas (e depois saia correndo para não cair um galho em minha cabeça) e, dizia: você é muito linda, mas, bem feito, eu posso sair de onde for e você fica aí, parada. E saia correndo porque tinha medo. Por que digo siso? Porque mais do que nunca esta consciência de ser guerreiro único é fundamental para a reconstrução. Tem razão o Grande Cacique que o mundo não precisa de paz, mas precisamos cada um de nós, little native americana paz interior, e da certeza de si mesmo como único.

Não levem isto para o lado do ego. Mas pelo contrário, pela divina capacidade de compartilhar-se, ou seja, de se doar. Porque se eu sou único, você precisa de um pouco de mim, não “eu” – eu digo em geral.  São estas pequenas partes de cada um que compõem o todo. Que podem compor um todo melhor. Se cada parte de cada um for de si mesmo a melhor parte.

Continuo com horror de criar raízes porque a minha parte tem que caminhar, tem que se encontrar com outras partes, para compor. E qual é a minha melhor parte? Pensem comigo a seu próprio respeito: Qual minha melhor parte? Muitas vezes a melhor parte se perdeu lá para trás, exatamente no tempo em que éramos ou eram vocês, pequenininhos. E que diziam às árvores com a mão na cintura: bem feito, você não sai daí. Onde está esta deliciosa ousadia? Onde vocês a deixaram, lá para trás? E hoje vivem com medo que o galho caia na sua cabeça. Mesmo não tendo ofendido a árvore porque já não veem a árvore. Até porque muitas já nem existem mesmo. Estão me acompanhando?
Não é um raciocínio logico. É um raciocínio vivo. Talvez nem seja raciocínio, não é matemático? (falando com um participante). É um sentimento.

Então eu sugiro que neste novo ano, a máxima seja esta que já foi bem dita – cada guerreiro é um – e se é possível se aconselhar alguém sobre alguma coisa, procurem movimento, procurem perceber-se assim com este valor. E prestem muita atenção: sempre dizemos, eu particularmente digo, para que não se atenham ao que já passou, para que não anseiem pelo que virá, mas que vivam o presente. Mas neste ano, especialmente, eu peço a vocês que vão buscar ali atrás aquela ousadia que deixaram lá e tragam para o presente, sem projetar futuro. Coisas simples e prazerosas, aquilo que vocês faziam que preenchia tanto e que completava tanto, e que vocês deixaram para trás, exatamente pelo que já foi bem dito, pelo ruído, pelo movimento excessivo e barulhento em que vocês vivem.

Lá vão eles (barulho de aviões) sabe Deus pra onde. Não é deste movimento que falo. É do movimento silencioso e inteligente. É do movimento harmonioso, alegre, como o da dança.

Vocês se esqueceram de dançar. Vocês perderam algo que deve ser resgatado que é a curiosidade de conhecer, de viajar, em todos os sentidos eu digo viajar. Porque a alma viaja e conhece e se relaciona, mas vocês fazem questão de trancá-la, parados, às vezes imponentes como árvores, enormes, mas cheios de raízes profundas que não lhes permitem avançar. Entenderam o que eu disse? Até eu aqui estou prendendo para exemplificar.

(dirigindo-se a um participante) Pode ofender a árvore, mas sai correndo porque pode cair um galho. E é assim que deve ser o caminho neste ano. Lembrar-se daquilo que lhe dá prazer e às vezes são coisas tão simples que independem do ouro, não custa nada para ninguém. Voltar a fazer o que sempre fez tão bem feito, o que faz falta para o outro. Se vocês sabem dançar, dancem. E não se importem que achem vocês estranhos. É preferível achar alguém estranho dançando do que uma árvore cheia de raízes, imponente e imóvel. Se vocês escrevem, escrevam. Deixem sua marca. Se vocês falam bem, discursem, ousem, sem medo de dizer por esta maneira e assim sucessivamente em cada ofício, em cada trabalho, em cada ação, contribua, dê um pouquinho de você, do seu melhor. Só assim haverá a revolução, ou melhor, a revolução se concretizará. A revolução é uma volta completa, no caso aqui estão procurando o rabo e não a volta. A volta realmente completa da revolução que volta em um ponto perdido lá atrás e que continua a procurar outro ponto melhor.

Vocês voltaram descansados, cabeças abertas para ouvir. Não que todas estas palavras aqui sejam a verdade. A verdade é a de cada um de vocês, mas nos humildemente achamos que podemos sacudir, alertar, contribuir. E agradecemos profundamente tudo aquilo que vocês nos passam – vocês não podem imaginar. Aqueles que já frequentavam a Casa, aqueles que vêm pela primeira vez, trazem para nós muito conhecimento, muita ternura, muito respeito. E são estas coisas que nos fazem prosseguir e que juntos possamos conseguir ainda mais, resgatando o melhor, centrando-se no presente. Feliz tudo novo para todos. Que Deus os abençoe meus filhos.

PEDRA ALTA

MENSAGEM DE CACIQUE

Guerreiro xamã Pedra Alta, Cacique agradece pelas palavras, pela energia, pela visão longa em mostrar caminho aos guerreiros aqui da Casa de L.uz Que o guerreiro tenha boa volta e que o Grande Espírito abençoe o guerreiro.

Guerreira Cabocla, Cacique agradece pela energia, pela força da guerreira, pela luta da guerreira em forma de limpeza, como os guerreiros falam – em forma de coluna em um trabalho feito em harmonia com a sua médium. Cacique agradece à guerreira e a todos os seus guerreiros.

Na sintonia, todos podem se unir pelo que é bom, elevado e iluminado.

Posted in Caminho Sagrado, Energia, Natureza with tags , , on abril 8, 2014 by Helen Ians

idealMais que perfeita a colocação da Senhora. Era tudo o que eu gostaria de dizer e permitam-me complementar o que foi bem dito. Este não é momento de reflexão mas de sentimento. Como disse a Senhora, permitam-se, deixem-se levar pelo SENTIR, vivendo com intensidade, pensando menos. Poupem suas mentes, abram seus corações e as janelas da percepção.

Intensifiquem a sua individualidade, mais do que nunca necessária para o consciente coletivo, neste momento, em que na natureza, as transições das estações em todo o planeta encontram-se suavemente no mesmo padrão e é nesta sintonia que todos podem se unir pelo que é bom, pelo que é elevado, pelo que é iluminado. Esvaziando da mente as falsas ideologias, as crenças que não se fundamentam em valor algum.

Recriem a partir de si mesmos os valores universais. Doem-se em energia, distribuindo-a entre os seus iguais. Menos estudos, leituras ou, pelas leituras, através das sensações, da sensibilidade. Voem alto, porém sem ruído – como fazem os pássaros, e observem o maior campo visual possível, e elevado. Estamos precisando desta energia para restabelecer o bom senso, o equilíbrio. Sintonizarmos com o que é divino, puro, verdadeiro, silencioso e calmo. O resto, queridos irmãos, nossos filhos, amigos, é ruído. Ruído daqueles que se preparam, atordoados, e que jamais conseguirão voar.

Precisamos de cada um fortalecido, consciente plenamente de si mesmo e de suas possibilidades, para que cada um possa ser engajado em um imenso exército de almas cujo espírito pode transformar o mundo. E que assim seja pela vontade de Deus e que repitam comigo uma palavra em uma língua tão culta que é exatamente Que Assim Seja: AMÉM! Para todos nós, em todos os níveis, nas dimensões da vida, neste e em todos os planos em que ela existe. Outra vez: AMÉM!

PEDRA ALTA

Decida viver cada dia como sendo único na sua vida.

Posted in Conselhos, Natureza with tags , , on junho 12, 2013 by Helen Ians

dia unicoObservando o diálogo de guerreiros, hoje, o que muito anotei foi a frase: que tempo maluco! Em diversos lugares, diversas pessoas dizendo esta mesma frase: que tempo maluco! E este tempo, se eu disser para os guerreiros que muitas vezes é igual à vida de cada guerreiro, sem exceções? Algum guerreiro pode voltar e impedir que chova? Mas pode se preparar para o amanhã e usar um guarda-chuva para não se molhar.

Assim na vida dos guerreiros: nenhum guerreiro pode voltar ao ontem e mudar algo que foi feito de forma errada, mas todos os guerreiros podem aproveitar o amanhã para fazer da forma correta a coisa certa, não repetir o mesmo erro que foi passado. O que foi feito, foi feito – não basta ficar se massacrando pelo acontecido, basta no amanhã pegar o guarda-chuva para não voltar a se molhar.

Muitas vezes, no caminho dos guerreiros, acabam vivendo o amanhã como apenas mais um dia, acabam virando uma coisa rotineira o mais um dia, e por muitas vezes passam anos com este mais um dia… vivendo de forma comum mais um dia.

Se eu perguntar aqui, todos os guerreiros vão ter um dia que vai dizer que foi único, um momento feliz, que tem na lembrança como um dia diferente. E tantos outros como mais um dia. O segredo é viver cada dia que passa como um dia único, não com medo do que possa acontecer. Hoje eu vou viver um dia único, porque amanhã não sei se Grande Espírito pode me levar. Este pensamento não precisa preocupar, pois guerreiros vão viver milênios.

Agora, basta decidir viver milênios como mais um dia, ou viver milênios como cada dia sendo único na sua vida. Vivendo cada dia sendo único, eu digo aos guerreiros, o dia é muito mais produtivo, o dia é muito mais prazeroso e a vida assim vale muito mais a pena. Pois vai fazer coisas diferentes, vai produzir, e vai conhecer mais as coisas. E vai mostrar ao Grande Espírito que é grato pelo mais um dia de forma única.

Muitos acabam vivendo uma vida inteira como mais um dia. Agora cabe a vocês decidir se é mais um dia, ou se é cada dia, um dia único. Deixo a resposta no coração e na cabeça de cada um, pois o ontem não se muda. Agora, o amanhã é flexível.

Chaleira Preta

O objetivo da felicidade.

Posted in Ajuda espiritual, Guerra, Natureza with tags , on maio 8, 2012 by Helen Ians

Quantos aqui têm um objetivo? Creio que todos, estou correto? Sim. Cada um com seu objetivo em particular, correto? E é sobre este caminho que vou traçar o meu objetivo desta noite.

Logo quando os guerreiros estão na barriga de vossas mães, os próprios pais dos guerreiros já traçam o objetivo no caminho do guerreiro, planejam o futuro todo. Todo este caminho é em torno da felicidade do guerreiro e, após nascimento dos guerreiros, os pequenos começam a frequentar escola e já aparece o primeiro objetivo da caminhada dos guerreiros que é se formar.

Objetivo concluído, após se formarem, um novo objetivo, escolher uma profissão. Mais uma vez, objetivo concluído e por aí vai, sempre trilhando novos objetivos: um carro novo, um emprego melhor, um companheiro, uma companheira, uma casa, até a hora, o momento, de construir uma família.

E após ver sua companheira grávida, temos novo objetivo à frente, aquele mesmo que os seus pais depositaram no guerreiro. E este objetivo é trazer felicidade ao novo pequeno, à nova pequena que está por vir. E novamente, se eu fosse regressar, a história se repetiria. Mas vamos seguir.

Vendo seu pequeno crescendo, trilhando seus objetivos, muitos guerreiros já se encontram sem objetivo. Único objetivo é trazer felicidade para os vossos filhos. Em uns anos à frente, vendo os vossos filhos felizes, casados, com família, guerreiros já com netos, muitos se encontram tristes, desanimados, pois acabam se esquecendo daquele antigo objetivo, trilhado logo no começo do caminho dos guerreiros, que é a felicidade.

Qual a maneira de retornar à felicidade? Se observarem atrás, muitas vezes para conseguirem objetivos, necessitaram de ajudas, muitas vezes de guerreiros mais experientes. Não seria um novo objetivo: ajudar os vossos jovens com sabedoria? Pois bem, tudo se torna ligado ao objetivo. Trazer felicidade para vossos filhos, algo natural.

Muitos aqui se encontram ainda vendo vossas mães, vossos pais, se preocupando com olhar triste dos guerreiros. Já pararam para pensar como deve ser dolorido para vossos pais, ver um olhar destes? Naqueles para quem lutaram a vida toda, após nascimento dos guerreiros, para trazerem felicidade? Vocês não acham que os guerreiros se sentem fracassados, pois foi o objetivo deles manter os guerreiros felizes? Engraçado pensar assim. Alguns que não tem tanto conhecimento agora pensaram: mas meus pais já se foram há tanto tempo… Poiss bem, eles continuam te acompanhando. Pode crer que muitas coisas que o alegram eles é que lhe proporcionam. E muitas vezes encontramos guerreiros desvalorizando seus pais, e pergunto: seria isto justo? Este objetivo que guerreiros têm tomado, desvalorizando vossos pais, seria um objetivo correto?

Por que não retribuem o favor, tendo o objetivo em fazer vossos pais felizes? Uma troca justa, não acham? Foi uma pergunta. Sim. Apenas dois guerreiros acham esta troca justa, é isto mesmo? Gostaria de ouvir da boca de todos. Sim!

Assim como o Grande Espírito tem como objetivo fazer todos os guerreiros felizes, tendo paz, qual a melhor maneira de agradecer este objetivo que Ele nos tem com tanto amor e carinho? Alguém poderia me responder? Sendo felizes.

Meia dúzia apenas respondeu, meu objetivo ainda não foi concluído. Seria tão difícil conquistar meu objetivo? Faço a pergunta novamente: qual a melhor maneira para retribuir todo o amor e toda a paz que o Grande Espírito nos proporciona? Ser feliz. Ainda não estou satisfeito. Como eu disse, estou aqui hoje pronto e focado para conquistar o meu objetivo e é assim que todos devem seguir o seu caminho. Se precisar fico aqui a noite inteira. Creio que não é um obejtivo tão difícil. Qual a melhor maneira de agradecer a toda a felicidade, amor e carinho e paz que o Grande Espírito nos proporciona? Sendo felizes.

Agora sim alcancei meu objetivo. Agradeço a todos pela ajuda e espero que esta palavra que saiu d boca de cada um, agora, não tenha sido lançada em vão e que todos sigam o seu caminho com a felicidade em vossos corações e que a cada dia, ao acordar, lancem a si mesmos um novo objetivo, que seja o objetivo da felicidade, o da paz, o da caridade, mas que todos os dias ao acordarem, lancem um objetivo pois todos foram criados desde pequenos com objetivos.

Desta forma, guerreiros vão viver a cada dia com força de guerra e cada objetivo conquistado é onde se encontra a felicidade, o prazer. Que todos conquistem vossos objetivos e nunca pensem em desistir.

GUERREIRO NARIZ ROMANO

Caminhar na sombra, tendo a certeza da luz.

Posted in Caminho Sagrado, Natureza with tags , , on maio 8, 2012 by Helen Ians

A luz refletida, quem sabe seja ainda mais brilhante do que a direta. Gostaram da lua grande, plena? Que presente! Como muitos não prestam atenção nela, lua, Grande Espírito aproximou-a de vocês como quem diz: “olha aqui, a luz refletida!”.

Em termos místicos, a lua tem exercido um poder milenar sobre todas as civilizações. Por ser absolutamente encantadora, em termos físicos exerce poderosa atração, não é assim? Trazendo e levando as marés que influenciam as águas do planeta, que se estendem, avançam e recuam, dependendo das estações e trazendo a fertilidade para a Terra.

Tudo isso muito lindo, que pode ser explicado nas três dimensões: ciência, espiritualidade ou energeticamente. Só que tudo isso trazido para a vida, para a prática de vocês , significa o que disse no início: a luz refletida pode ser mais poderosa e brilhante do que a direta.

A luz do sol, bendita, diretamente aquece, move a luz da lua, quieta, azul e branda. Envolve muitos de vocês tem sido quentes, audazes, diretos até demais e raras vezes suaves, brandos, envolventes.

Dizem da beleza da lua como uma dádiva feminina. Chamam-na deusa, mas existe pouca coisa mais masculina, ativa e importante para mulheres e homens do que ser atraente, trazendo para junto de si admiração, respeito, não pelo que você tenha mas pelo que você é: extremamente atraente.

Estas são lições que se aprendem com a grandeza da mãe natureza, quando chamam a lua de Deusa, a luz refletida. Sejam pois espelhos. Em toda bendita lua nesta Casa vocês pronunciam uma oração magnífica, quase um mantra, onde em determinado momento, o que me impressiona muito, se diz: “como a lua que reflete a luz do sol”. Reflitam vocês como ela, sem luz no nivel físico mas, espiritualmente, iluminados, refletindo a luz maior de Deus.

Benditos sejam todos vocês, espelhos. Claros, límpidos, puros, como cristal ou a superfície plana de um lago magnífico e nunca se esqueçam da luz refletida até aquela física, a lua, que quando grande, plena, parava as guerras, parava tudo. Até porque uma estratégia, embora vocês ou muitos não saibam: a luz da lua ilumina mais do que a do sol porque contrapõe muito mais sombras, e quem sabe a vida, em vários planos, seja de luzes e sombras que se atraem, se repelem, mas se envolvem. Vivam, experimentem o mundo não tão óbvio. Experimentem o tênue, até estrategicamente, como dizíamos nós, ou os grandes caciques – e nós xamãs ouvíamos respeitosos: caminhar na sombra, tendo a certeza da luz. Bendita seja a grande senhora da luz de prata. Benditos sejam vocês, como ela, seus espelhos.
GUERREIRO PEDRA ALTA

A névoa da lua nova: mágica.

Posted in Natureza, Rtuais e cerimônias with tags , , on fevereiro 3, 2011 by Helen Ians

A lua nova, que não é tão atraente quanto a crescente, não tem a mesma força nem os odores da lua minguante, menos ainda o brilho intenso da lua cheia, quando os povos antigos acendiam as fogueiras, as lamparinas, e cantavam, dançavam em torno, quem sabe, até de si mesmos.

Mas a lua é nova e é este o momento exato em que vocês estão vivendo, não apenas em uma contagem de ciclo menor de fases da lua, mas o momento maior: lua nova – sutil, praticamente imperceptível mas real, e mágica.

Nestas luas novas, os povos antigos apagavam suas fogueiras, suas lamparinas, cessavam as danças, como fazemos nós também, para sentir a sutiliza da luz prateada, difusa, onde todos parecíamos estar sob uma névoa, nas noites de lua nova.

Magia. É isso, meus queridos amigos, filhos, irmãos, que gostaríamos que vocês sentissem. Que possam se sentir como a névoa da lua nova, em tons de prata, sutis. Que possam transmitir esta sutileza que gira em torno de vocês. E o poder verdadeiro de ser mágico. Mágicos que curam, mágicos que estendem suas mãos, solidários. Mágicos grandiosos. Mitos. Mágicos conselheiros, mágicos xamãs até de si mesmos.

E que esta magia sutil e prateada traga a cada um de vocês a paz, profunda, eclética, do Grande Pai. Que assim seja. Que assim seja em outras línguas: Amém. Que assim seja: Namastê! Que assim seja: Shalom! Que assim seja: Salam! Que assim seja, Wakantanka! Fiquem com o Grande Espírito.

Pedra Alta