Archive for the Oração Category

Buscar equilíbrio e sustentação para estar preparado para o que vier.

Posted in Oração with tags on julho 15, 2017 by Helen Ians

estar em oração

Gostaria de relembrar aos queridos irmãos, nesta noite, que a Casa do Pai tem várias moradas. Não importa se durante o caminhar de cada um de vós, vocês conheçam, entrem, digamos, assim, nestas diversas casas. O mais importante queridos irmãos é o que elas têm em comum – o ensinamento, a valorização do crescimento espiritual, as palavras que trazem em si a paz, a justiça de Deus, a misericórdia, o perdão, e a fé.

Não existe uma melhor, outra pior. O que vocês devem buscar, como já dito pelo nosso irmão Cacique, é a sua evolução; buscar o seu caminho, o seu equilíbrio, a sua sustentação, para que assim tornando-se fortes, vocês possam estar preparados para o que vier.

Sempre há tempo para aprender e sempre há tempo para recomeçar. O que importa é a sua predisposição para aprender, ouvir, aceitar, praticar a sua fé, rezar do jeito que você souber.

O mais importante é a oração que vem do seu coração. E lembrai-vos, queridos irmãos, não estão sós. Agradeço a oportunidade de estar mais uma vez nesta Casa de Luz e peço a Deus que abençoe a todos.

ANA NERI

Em paz, perceber à sua volta, e manter a fé.

Posted in Oração with tags , on janeiro 10, 2016 by Helen Ians

native-american-art-7O que acrescentar depois de uma palavra proferida de forma tão clara?

Apenas gostaria de relembrar aos irmãos que a Casa do Pai tem várias moradas. Muitos ouvem muita coisa ali, outra coisa aqui. E do que ouvem, o mais importante de tudo é lembrar que onde se reúnem pessoas e que tem o nome do Grande Pai em sua conversa, Ele estará presente.

Lembrar que cabe a escolha do vosso caminho a ti mesmo, irmão.

Relembrar que é preciso estar em paz, tranquilo, de coração limpo, de mente limpa, para que possa perceber o que está à sua volta, perceber os sinais, perceber onde de pisar e onde deve recuar, e sempre, para sempre, manter a sua fé.

Peço a todos que reflitam sobre as palavras proferidas e as que ainda virão, preparem os vossos corações e os vossos lares como este foi preparado, preparem-se a si mesmos e tenham todos uma boa noite.

Agradeço profundamente a oportunidade de estar nesta Casa de Luz e peço a Deus que abençoe a todos.

ANA NERI

O guerreiro traz verdade junto com bondade – por isso o guerreiro é o escolhido.

Posted in Arte de viver, Energia, Oração with tags , , , , on julho 28, 2013 by Helen Ians

sacred bisonDando continuidade às mensagens deixadas aqui pelos grandes guerreiros, Cacique apenas completa com aquele guerreiro que tem a verdade dentro de si e conta uma história, aos guerreiros, de um grande Cacique, já com idade avançada, velho – na linguagem dos guerreiros – e que precisava escolher um guerreiro para ficar em seu lugar.

Cacique chamou todos os guerreiros da aldeia e disse: aquele que me trouxer o búfalo branco sagrado, é o guerreiro que vai ficar no meu lugar.

Assim dito, os guerreiros partiram atrás do búfalo branco, sagrado pelo Grande Espírito. Luas se passaram e nada – alguns guerreiros desistindo, faziam a volta para a aldeia. Outros, com fé, com coragem, com determinação, atrás do búfalo branco – até que um grande guerreiro, já da tribo, já da aldeia, caminhando à noite, tem a visão de um búfalo branco. Naquele momento da visão, na língua de vocês, guerreiros, o guerreiro ficou paralisado com o que estava vendo, pela beleza do búfalo branco sagrado. Preparou a sua flecha certeira. Colocou no arco a grande flecha sagrada e, no momento em que ia atirar com a sua pontaria certeira, atrás do búfalo branco sai um filho, búfalo filho pequeno, branco, que caminha ao lado da mãe.

Neste momento, o guerreiro ainda com a flecha no arco, olhando, olhando, desistiu de abater búfalo branco com seu pequeno filhote, recuou. No momento em que ia fazer a volta, quando abaixou a flecha, búfalo branco mãe ainda olhou no olho do guerreiro como se estivesse agradecendo. Parecia que fez sinal com a cabeça e o guerreiro fez a sua volta.

Quando fez sua volta, o guerreiro falando com si mesmo – que não se perdoava, que deveria ter abatido, que não foi corajoso, que tinha que ter cumprido com aquilo que o guerreiro chefe tinha falado – e esta volta que era curta se tornou longa para este guerreiro pois ele não se perdoava. O que eu vou falar para o grande chefe da tribo, o que eu vou dizer?

Passadas duas luas, o guerreiro quieto, sem falar nada – parecia estranho – foi quando ele tomou coragem de falar com o Chefe da tribo, se aproximou e disse: eu sou um fraco, não tive coragem de abater búfalo branco. Só que, na verdade grande guerreiro, não era búfalo macho branco – era fêmea e tinha um filhote branco junto e saiu por trás. E eu não tive coragem de matar nem um nem outro.

Neste momento, Grande Cacique da tribo olha para o guerreiro e diz: você é o guerreiro que vai ficar no meu lugar por ter usado a verdade não só com você mesmo, perante a aldeia inteira e, principalmente, com o Grande Espírito, e pela bondade que o guerreiro teve. Para nenhum guerreiro eu disse que era búfalo sagrado mãe com o filho – poucos tiveram esta visão muitas luas para trás. Apenas falei búfalo branco e, na mente de todos, a caça era búfalo branco e o guerreiro está falando para cacique que era búfalo guerreiro mãe com o filho do lado. Esta é a verdade – por isso cacique não falou nada para ninguém e o guerreiro está me trazendo a verdade junto com a bondade – por isso o guerreiro é o escolhido.

Assim cacique fala, como na vida de vocês, guerreiros – onde aquele guerreiro que traz a verdade junto em um Caminho Sagrado, escolhido – o caminho é prospero. Vai se tornar um caminho de Fe, Paz, Esperança porque existe verdade. É isso o que o Grande Espírito deseja aos guerreiros, que os guerreiros caminhem na verdade, sendo justos na verdade, junto ao Grande Espírito.

Que os guerreiros reflitam sobre as mensagens aqui deixadas, lembrando que aquele que caminha com Fé, Determinação, Esperança, e com Verdade, os caminhos se abrem. E o Grande Espírito, feliz com os guerreiros – podem ter certeza que os guerreiros vão caminhar com os sinais que precisam para estar fazendo um caminho de paz.

Este caminho em capaz, por isso só já se torna um caminho vitorioso, um caminho de harmonia e um caminho de paz que é o que todos aqui na Terra precisam.

Que os guerreiros tenham boas luas pela frente, boa semana pela frente, que os guerreiros reflitam. Como diz o guerreiro Peão, há momento dos guerreiros remarem, lutarem com a sua própria espada, com a sua própria flecha, no seu caminho da verdade, e há momentos em que os guerreiros precisam colocar o seu caminho na mão do espiritual.

Quando Cacique fala na mão do espiritual é que os guerreiros encontrem uma harmonia , um equilíbrio entre o espiritual e o material, para que possam caminhar de uma forma tranqüila, sentindo os dois lados.

Cacique agradece a cada um dos guerreiros aqui na mesa, a todos os médiuns, a energia dos guerreiros, com a força de vontade dos guerreiros, onde todos somos um, onde toda corrente sempre vai acompanhar a cada um de vocês, guerreiros de luz, pela verdade, pela coragem, pela força e pela determinação.

Nuvem Vermelha

Fazei-me instrumento de vossa paz.

Posted in Arte de viver, Caridade, Oração with tags , , on abril 12, 2013 by Helen Ians

sao fco de assisQuase tudo já foi dito, só gostaria de pedir aos irmãos que, durante esta semana, quem não tiver, procure obter a prece – a oração de São Francisco – e leiam com muita atenção, procurando entender a mensagem que este grande mestre, este grande praticante, o maior praticante da caridade de que já ouvimos falar, nos deixou, nesta linda mensagem. Gostaria de pedir aos irmãos que quem soubesse, me seguisse  e me acompanhasse na profundidade desta oração.

 

Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.

Onde houver ódio, que eu leve o amor;

Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;

Onde houver discórdia, que eu leve a união;

Onde houver dúvida, que eu leve a fé;

Onde houver erro, que eu leve a verdade;

Onde houver desespero, que eu leve a esperança;

Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;

Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó Mestre, Fazei que eu procure mais

Consolar, que ser consolado;

compreender, que ser compreendido;

amar, que ser amado.

Pois, é dando que se recebe,

é perdoando que se é perdoado,

e é morrendo que se vive para a vida eterna.

 

Irmãos, tudo aquilo que é feito com o coração puro, com o coração aberto, só pode ser nos devolvido da melhor forma possível. E onde há fé, amor e caridade, nada há de faltar. Que Deus nosso Pai abençoe e ilumine a todos.

JURACI

Orai e vigiai, sem cessar, para que depois a vossa consciência não te cobre.

Posted in Oração with tags , on fevereiro 25, 2013 by Helen Ians

PrayÉ necessário, muitas vezes, para sua crença, sinais de que a espiritualidade está presente na vida dos guerreiros. Sinais para que vocês possam sentir quando o caminho é certo, ou se está no caminho errado. É natural que os homens, que ainda buscam os seus equilíbrios, ainda tenham a necessidade destes sinais, das palavras direcionadas. Mas muitas vezes, quando assim falado face a face com os guerreiros, eles tendem a recuar, porque ainda não conseguem separar a casca física da energia que está sendo doada.

Nem sempre quando se tem o trovão, raios como os de hoje, é sinal de grande tempestade. Nem sempre os sinais que são visíveis são satisfatórios para que alguns guerreiros possam acreditar porque muitos ainda questionam e chegam a falar –“isto é física”.

Eu gostaria de deixar a vocês esta pergunta nas vossas mentes: sendo vocês guerreiros cristãos, é necessário ter a visão do Criador, tendo em vista à sua volta, toda a sua criação?

Assim é a espiritualidade trabalhando a seu favor. Nem sempre será necessário transbordar um copo de água, tão pouco fazer a mudança dele de um lado para o outro. A espiritualidade trabalha com os guerreiros, guerreiros que tem a sensibilidade de saber discernir o que é certo do que é errado, de ouvir coisas tanto benéficas como também dar trajetória para aqueles guerreiros de um plano que se encontra em desequilíbrio.

Como aqui é falado, é tudo à sua volta – espíritos assim de luz como os guerreiros que ainda se encontram perdidos. E que, muitas vezes, buscam aquilo que ele não conseguiu, na sua evolução, mas que se encontra em total sintonia com aquilo que ainda vos prende, na sua casca terrena.

Por isso, muitas vezes, em escrituras e, muitas vezes, aqui dito, lembrado, da necessidade da oração e de vigiar os seus pensamentos, os seus comportamentos.

Hoje Joana deixa a cada um que aqui se encontra – orai e vigiai, sem cessar, para que depois a vossa consciência não te cobre. Não é a espiritualidade nem o Grande Pai Criador que vai fazer cobranças, mas, sim, aquilo que semeiam será a sua colheita, aquilo que você faz terá que responder, aquilo que você julga vai ser proporcional o seu julgamento.  Que O Grande Manitu abençoe a todos os guerreiros.

Joana

Fortaleçam-se com a oração e caminhem em sua missão.

Posted in Arte de viver, Oração with tags , , on fevereiro 24, 2013 by Helen Ians

Prayer native americanGrande Manitu abençoe a todos. Índia quis vir aqui falar um pouco hoje porque índia estava perto e ficou perto um pouco de cada irmão que está aqui presente. Como hoje tem menos pessoas aqui, cada um da corrente ficou perto de um irmão para sentir como está a energia dos irmãos, como estão os pensamentos dos irmãos.

India tem só a acrescentar, depois do que o irmãozinho veio deixar como mensagem para os irmãos, que sobre esta fé que todo mundo tanto fala, como o irmão diz, primeiro tem que acreditar nos próprios irmãos. Os irmãos estão aqui com uma missão que o Grande Pai deu a cada um de vocês. Não adianta querer que o outro vai passar aquilo que você queria que ele passasse. Cada um vai passar aquilo que o Grande Pai determinou.

Os irmãos tem que lembrar que as coisas que vão acontecer dependem só de vocês mesmos. Ninguém vai passar por vocês. Os irmãos têm que aprender a abrir mão um pouco, às vezes, dos sentimentos que não são tão bons assim – do orgulho, abrir mão um pouco da vaidade, abrir mão um pouco do preconceito.

Índia pede muito aos irmãos que se fortaleçam através da oração, que façam, durante todas estas luas, a oração antes de deitar, até a próxima lua que se completar, antes de vir aqui, que levem a prece de Cáritas, que antes de deitar e logo que acordar, façam esta oração e só peçam ao Grande Pai para fortalecer a fé de vocês em vocês mesmos.

Grande parte dos problemas de toda humanidade daqui é acreditar que o outro sempre vai resolver pelos próprios irmãos ou largar na mão de Grande Pai, para depois ficar se lamentando que não deu certo, que Grande Pai não atendeu grande pedido de vocês.

Índia viu uma coisa que vocês falam e que está nos livros (India não sabe falar com as palavras tão bonitas como viu), mas é mais ou menos assim: “tudo acontece quando o primeiro passo que dá, é dado com a certeza de que objetivo pode ser alcançado”. E todos os que estão aqui tem força, são pessoas de bem, são pessoas que Grande Pai nunca abandonou, que grande corrente está sempre perto, mas que também não depende só de nós.

Índia pede para os irmãos olharem para os lados e não olhar só para frente ou só para baixo para se lamentar. Olhar para cima e encher grande peito de ar e falar: eu sou capaz e vou vencer, acredito, porque tenho Grande Pai do meu lado e sei que vai dar certo. Se fizer isso, 90% da batalha vai dar certo. Índia muito contente de ver os irmãos. Fazia muito tempo que não via. E vir aqui deixar esta mensagem de coração aberto e agradecer à grande corrente a oportunidade de ter falado.

Guerreira Estrela

Olhem dentro de si, e vejam como são sagrados, voltando à Terra para o encontro com si mesmos.

Posted in Obstáculos, Oração with tags , , on maio 20, 2012 by Helen Ians

Para completar aquilo que foi dito nesta lua da noite, algumas luas atrás Cacique disse aos guerreiros que, ao acordarem, falem para si mesmos: hoje eu tenho dois caminhos pela frente – o da vitória e o da derrota. Qual caminho vou escolher? E depois de ter feito esta pergunta que os guerreiros já mudem a sua energia, que os guerreiros lembrem que não caminham sozinhos aqui na Terra.

Como já foi dito, a busca de cada guerreiro é pela paz, é pela alegria, é por aquilo que está fazendo bem aos guerreiros, e esta busca, transformada na sua verdade, transformada na sua alegria, sim, é a busca verdadeira. Quantos guerreiros, aqui, passam por um caminho livre e tranqilo e podem, sim, caminharem tranquilos, caminharem em paz, leves como os guerreiros falam. Como diz o guerreiro Peão aqui presente, os guerreiros acabam se limitando por aquilo que escutam, por aquilo que olham, ou acabam – como foi dito aqui, escutando os derrotados, e acabam indo pelo mesmo caminho.

Se quando acordam já colocam este escudo de proteção em volta dos guerreiros, como dito há muitas luas atrás na Casa de Luz, e se o guerreiro tem realmente a consciência de que caminha no Caminho Vermelho, que caminha buscando a sua paz, esta é a busca que todos os guerreiros falam aos irmãos, há muitas luas.

Quantos guerreiros caminhando e, às vezes, falta um passo para alcançar o seu objetivo, a sua verdade, aquilo que realmente querem, mas acabam se entregando.

Cacique lembra da história, que resume pelo tempo, dos guerreiros que foram ao encontro do Grande Branco, tendo o Grande Xamã dito:  “aquele guerreiro que sair para a caça, e trouxer o Búfalo Branco ao chefe da tribo, é o guerreiro que vai ficar no lugar de Cacique”. E assim os guerreiros foram.

Várias luas se passaram e nada. Até que um guerreiro, atrás da montanha sagrada, percebeu e viu o Bufalo Branco. Quando este guerreiro viu o Bufalo Branco, ficou paralisado, como se fosse uma magia, na língua de vocês. Aproximando-se devagar, quando viu que não era um búfalo mas sim tatanka fêmea búfala e quando ele se preparou para dar um tiro, para soltar arco e flecha, ele percebeu que detrás saiu do sagrado búfalo branco, da búfala, um pequeno, filhote, também branco sagrado pelo Grande Espírito e ele não teve a coragem de atirar a flecha.

Ficou olhando ainda um bom tempo até que búfalo mãe olha no olho do guerreiro como se estivesse agradecendo por ter poupado a vida da búfala e do pequeno filhote. Olhou, agradeceu o guerreiro,e foi embora.

Na volta, para a aldeia, para a tribo, o guerreiro não conformado com si mesmo de não ter atirado a flecha, dizia a si mesmo: sou um derrotado, sou fraco – deveria ter atirado a flecha e trazido búfalo fêmea ao chefe da tribo.

Quando o guerreiro estava chegando à aldeia, o grande xamã da tribo se aproximou do guerreiro e disse: o que aconteceu, guerreiro? E o guerreiro disse: eu vi búfalo branco. E o guerreiro, olhando para ele, disse: Você viu búfalo branco?  Como posso ter certeza de que você viu o búfalo branco? O guerreiro disse ao xamã: Porque não era búfalo branco, era uma búfala branca com o pequeno filhote, mas eu não tive coragem de acertar nem em um e nem no outro. Sou um covarde e sou fraco, não mereço

A partir desta lua, o guerreiro foi o escolhido a ficar no lugar do chefe da tribo. Pelo amor que o guerreiro teve naquele momento, quando viu o pequeno filhote com a sua mãe, a verdade e a sinceridade nos olhos da búfala, quando olhou no olho do guerreiro, e por ele ter sido escolhido pelo Grande Espírito.

Poucos tiveram a visão da mãe búfala com o pequeno – isso na época era passado como um grande segredo das aldeias, onde só os chefes e os xamãs sabiam.

Da mesma forma, Cacique vê os guerreiros com seu caminho sagrado tranquilo, livres, e a única coisa que precisam é pela manhã fazerem a pergunta a si mesmos, lembrar dos olhos do Grande Espírito. O olhar da búfala foi verdadeiro e o olhar do guerreiro, da mesma forma, admirando aquela magia toda da búfala, do pequeno.

E pela manhã os guerreiros, lembrando do Grande Espírito, olhando para vocês guerreiros, e dizendo: tenha alegria, vença mais um dia e volte em paz para a sua aldeia, para a sua tribo.

Quando Cacique fala em “sagrado”, o sagrado não está nas coisas que os guerreiros buscam, antes dos guerreiros olharem para dento de si e perceberem o quanto são sagrados e o quanto vieram à Terra, encarnados novamente, para fazer o seu encontro com si mesmos. Para fazerem o seu encontro com a sua verdade, com seu caminho.

Como querem alcançar a paz, a alegria e fazer a visão do búfalo? Se perguntarem para Cacique, muitos já viram e desperdiçaram, outros da mesma forma caminham lado a lado com aquilo que é sagrado, porque é verdadeiro e não conseguem enxergar, e outros não se permitem pela fraqueza, como já foi dito, fazer a sua busca. Como diz o guerreiro, se limitam por aquilo que criaram na Terra, e acabam perdendo pela sua derrota a oportunidade de conhecerem a si mesmos, a oportunidade de conhecerem o seu próprio caminho ou um novo caminho, porque a preocupação dos guerreiros não está em respirar, em aproveitar o seu caminho, e sim trabalharem esta energia ruim que quando acorda não coloca o escudo da proteção sagrada do Grande Espírito.

Todos aqui estão prontos para vencerem a sua guerra, e se perguntarem para Cacique quanto tempo dura a guerra, para os que não sabem, completando, aquilo que já foi bem dito pelo guerreiro Chaleira Preta, a nossa guerra durou a vida inteira. A nossa guerra durou a vida inteira e nós continuamos, como há muitas luas atrás foi dito, sabendo que um dia a Nação Vermelha estaria de volta, não importa se em forma de espirito ou reencarnados na Terra mas, sim, de volta para mostrar a muitos que não aceitam derrota. Entender a derrota é um caminho errado. Agora se os guerreiros analisam em outro caminho, fortes, que não é para aceitar e, sim, entender mas já preparados com seu escudo de guerra, aí sim estão preparados para, realmente, como foi dito, lutarem a vida inteira.

Se for pela causa que acreditam, que lutem. Não importa se é o trabalho, se é aquilo que querem. Completando: a Nação Vermelha, como o Cacique disse, continua lutando e a nossa luta é até o final. A nossa luta é eterna, aquilo que já deixamos na Terra está voltando, as mensagens voltam, as histórias voltam, as lendas voltam, porque os guerreiros pintados não desistem, onde os guerreiros realmente conseguem encontrar a sua raiz forte, aquele que tem a raiz forte, e a nossa raiz é forte porque sabemos respeitar a bandeira, a cor, e os guerreiros lutam por aquilo que acreditam.

Cacique fala aos guerreiros que se a Nação nossa tivesse que passar por tudo de novo, como vocês falam aqui na Terra, faríamos tudo de novo, a mesma guerra – não importa. Naquela época, era preciso, e lutaríamos de novo por aquilo que acreditamos.

Que os guerreiros acordem, vivam em paz, vivam com alegria, lutem por aquilo que buscam, e que os guerreiros encontrem o seu búfalo branco, que os guerreiros encontrem a si mesmos, e que os irmãos parem de se comportar como os guerreiros fracassados e não esqueçam: não é porque reencarnaram que o Espírito Vermelho deixou os guerreiros. Lutem – ao dormirem façam a sua oração, peçam ajuda, como já foi dito, os guerreiros peçam que mostrem o caminho. Um guerreiro que luta pela sua liberdade, pela sua alegria, é um guerreiro que encontra a vitória, encontra a si mesmo e encontra, a cada dia e a cada lua, o Grande espírito.

É melhor a luta e a guerra para a vitória, do que os guerreiros pararem para alimentar os fantasmas na mente e não terem lutado por nada. Que o grande espírito abençoe a todos.

Que os guerreiros tenham boas luas pela frente e que os irmãos não esqueçam que se estão reencarnados, estão para vencer todos os obstáculos e é certeza que, com humildade, olhando para dento de si e percebendo aquilo que estão fazendo com si mesmos, aí podem ter certeza que vão encontrar alegria e vão saber agradecer ao Grande Espírito pelo Caminho Sagrado.

NUVEM VERMELHA