A consciência, em momento de vivência profunda, se dá através de contraste.

great boat

Nestas luas, Cacique refletindo, conversando, como vocês falam na Terra, com alguns guerreiros, e com todas as mensagens deixadas luas para trás, Cacique percebe que aqueles guerreiros que tem um caminho de espiritualidade, que caminham realmente pela espiritualidade, estes guerreiros, prestes, em determinado momento, lua para frente, a desencarnar, são guerreiros que ainda mantém lucidez na mente. Sua mente é lúcida porque alcançou um grau de espiritualidade, deixou a matéria de lado e ainda está lúcido ao fazer a passagem, como é falado sobre quando faz o desencarne. Este grau de lucidez, de entendimento, é porque se desvinculou da matéria.

Por isto, os guerreiros falaram tanto aqui nestas luas, da barca, como é falado pelos guerreiros, que é como se fosse o corpo de cada guerreiro, onde a sua consciência está dentro desta barca como os guerreiros contaram.

Os guerreiros fazem seu caminho nesta barca que é sagrada, quando os guerreiros tem o momento na Terra, profundo, de vivência, de respeito, de ética ou de moral, quando os guerreiros tem um momento de vivência profunda na Terra, e passaram da mesma forma com sentimento, com amor, como os guerreiros falam, e tiveram este grau profundo de consciência. Porque nas profundezas, como o guerreiro explicou para vocês, vivenciaram de uma forma profunda.  Como é falado: a consciência se dá através de contraste.

Quando acontece esta vivência profunda, neste grau de consciência – os guerreiros falam: sim, eu tive um momento de sentimento, de amor profundo, eu tive um momento de respeito profundo – isso é o que os guerreiros vão levar nesta consciência que se desprende da matéria, se desprende da barca até o casco, o corpo, e os guerreiros levam para sempre na sua caminhada espiritual. Corpo fica, mas aquilo que está dentro da consciência é este momento profundo que poucos guerreiros passam.

Por isso Cacique fala tanto a vocês, guerreiros: o que realmente alimenta seu espirito, a sua alma, na sua verdade?

São guerreiros que tiveram momentos de vivência profunda, em respeito, momentos de vivência profunda em sentimento, em amor, em vivência profunda de respeito, de ética, de moral.

Poucos vivem esta consciência profunda. Muitos apenas passam pela Terra superficialmente, como é falado.

Quando este guerreiro passa, pelas profundezas, é quando o guerreiro se ilumina, é quando o guerreiro caminha na espiritualidade e leva para sempre, com você, eternamente – é para sempre. Isto é o preencher a sua alma, isto é o sagrado do sagrado. E aqueles guerreiros que tiveram esta vivência profunda, em determinado ponto na Terra, se os guerreiros pensarem, agora, os guerreiros, olhando para trás, Cacique fala, não superficialmente, tem momento de vivência profunda. É isso que os guerreiros estarão levando no desencarne e para outras passagens.

Este é ponto que os guerreiros falaram tanto para vocês – guerreiro Peão, nas histórias contadas, deixadas nestas luas para trás, assim como guerreiro Ragnar e outros guerreiros, deixaram para vocês aqui. Esta consciência do profundo, esta consciência da vivência do profundo, não superficialmente.

Por isso que muitos, quando tiveram este contraste, apenas estavam caminhando superficialmente, mas quando tiveram o contraste de ter uma vivência profunda, ou em moral, ou em respeito, ou em sentimento de amor, e tiveram esta vivência, isto fez com que você, guerreiro, você, guerreira, se iluminasse e sua barca aí, sim, acompanha você guerreiro. A matéria é diferente. A matéria fica e o resto segue com você, que é o sagrado.

Estes momentos de vivência profunda, que são sagrados, e poucos guerreiros passam, é isso que os guerreiros vão levar para a sua vida inteira aqui na Terra e também no desencarne. Por isso, os guerreiros lúcidos, prontos para o desencarne, ainda mantém o grau de lucidez forte porque desprendem da matéria, desprendem da casca, da barca, porque já estão completos, porque passaram pala vivência em alguns pontos.

Uns passam apenas pela vivência de alguma situação profunda, alguns passam apenas pelo respeito, apenas por uma coisa ou pela outra, pelo sentimento, pelo amor, mas em alguém momento os guerreiros passaram.

E é nestes momentos que os guerreiros, iluminados pelo Grande Espírito, se tornam como único, se aproximando, por isso Cacique disse, de si mesmo. Não caminharam apenas superficialmente. Sim, tiveram o motivo, sim, respeitaram a si mesmo, respeitaram, como disse guerreiro Peão, a sua barca, soltaram o remo e, naquele momento, olhou para dentro de si e fez o seu encontro com si mesmo, com o seu Deus que habita dentro de você. Este é o grau profundo de uma consciência elevada, quando os guerreiros buscam o Grande Espírito.

Em nossa aldeia, quando se fazia fogueira sagrada, da mesma forma, em volta, era para fazer cada guerreiro o seu encontro com o seu grau de consciência, para se libertarem da matéria e apenas encontrar a si mesmo, no meio da sua barca. Na época, Cacique fazia encontro com Grande Espirito, para se aproximar cada vez mais do Grande Espírito. Felizes os guerreiros que tiveram a oportunidade de ter esta vivência profunda onde se deu o contraste e o guerreiro se iluminou e hoje, depois do desencarne, ou caminhando mesmo na Terra, olha para trás e diz, sim, eu tive um momento profundo de consciência, onde encontrei o sagrado.

Alguns guerreiros passam pela Terra, superficialmente, porque não conseguem sentir, não conseguem notar e porque estão plantando uma inverdade no seu caminho, estão sendo artificiais no seu caminho, ou, como diz guerreiro Peão, atrás de bobagem, na língua de vocês.  Não pelo sagrado e, sim, superficialmente. Aquilo que é plantado lá atrás encontra hoje a colheita, e hoje quem planta encontra colheita lá para frente da forma certa.

Lua a lua é um aprendizado, lua a lua é um caminho dos guerreiros onde é preciso ter atenção ao caminho. Não apenas caminhar superficialmente de uma forma vazia. Um guerreiro que caminha de forma vazia não é o seu caminho que é vazio. Um guerreiro vazio pode mudar de paisagens diversas vezes, geralmente estes guerreiros a primeira coisa que tentam fazer é viagem. Vão se sentir vazios. Esquecem que, em algum momento, vão ter que voltar. E o caminho vai continuar da mesma forma. O vazio não está no caminho, o vazio não está no próximo, o vazio está dentro de si.

Por isso encontre a si mesmo dentro de sua barca, no meio, no meio de si. Solte os remos, olhe para trás, e encontre o seu Deus, refletindo a si mesmo. Desta forma é que o guerreiro deve fazer o seu caminho e aqueles que tiveram esta vivência profunda, agradeçam ao Grande Espírito. Aqueles que continuam vivendo, agradeçam aqueles que saíram do caminho, olhem para dentro de si e perguntem a si mesmos, o porquê saiu do caminho, o porquê da energia ter ido embora, o que aconteceu?

Quantos a corrente nota acompanhando às vezes um guerreiro ou outro aqui na Terra, que aquilo que precisam está do lado, mas perdem por estarem vazios. E não é caminhando vazio que os guerreiros vão encontrar a si mesmos, não é encontrando isto ou encontrando àquilo, é encontrando a si mesmos. Se não vai virar história do guerreiro que muda a paisagem. Ou aqueles guerreiros que, por interesse, espera alguma coisa em troca. Aí este vazio segue para quem também tem um vazio. Para quem tem um caminho espiritual, consegue se iluminar e perceber na hora se o seu grau é estar preenchido espiritualmente ou estar vazio.

É a forma que Cacique fez o entendimento de tudo que foi passado a vocês nestas luas. Assim como a nossa aldeia fazia o seu caminho quando mudava de um lugar para o outro, e cada guerreiro, Cacique percebia, pelo olhar, de que forma estava caminhando. Cacique podia notar guerreiros que caminhavam ainda preenchidos de alegria, outros com dor, outros com saudade do lugar em que estavam, os guerreiros de guerra, da mesma forma, já sempre prontos a caminharem com força, com determinação, com fé, com esperança, mas cada guerreiro caminhava de certa forma, conversando com o Grande Espírito. E, sem barulho. Quanto mais barulho homem branco faz, menos escuta o sagrado, e menos escuta a si mesmo e menos consegue ver o seu Deus, o Grande Espirito, dentro de vocês.

É a forma que a corrente deseja que todos aqui caminhem em forma de luz, iluminados, agradecendo ao Grande Espirito, pela energia, e agradeçam a si mesmo se fizeram o certo por estes momentos, ou se não fizeram, façam reflexão – o que aconteceu? E peçam ao Grande Espírito, como diz guerreiro Peão, peçam que a energia ilumine novamente o seu Caminho, E a forma como os guerreiros devem caminhar na Terra.

NUVEM VERMELHA

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: