Ter atitude e visão para preservar o material e o espiritual.

Posted in Arte de viver, Uncategorized with tags , , on novembro 27, 2016 by Helen Ians

the-lady-and-the-tygerPEÃO

Dando sequência para aquilo que foi dito na semana passada,sobre resistência e escravidão na mente, vocês vão imaginando a história naquilo que vou contar… Imaginem uma arena onde, dentro da arena, há um tigre africano, daqueles que é bravo, grande e que não perdoa.

Dentro da arena tem uma moça – tudo aqui é falado simbolicamente. Para cortar caminho, a moça acaba entrando em um dos portões da arena e o tigre está lá solto. Para sair logo, ela dá uns 10 passos, e vai cortando caminho. Por várias vezes, esta moça é arranhada e o tigre chega bem perto. Aí o tigre assusta, mas ela continua teimando em passar lá e sabe que não deve, e que o tigre vai arranhar.

Em determinado momento, ela começa a pensar: “se eu continuar, o tigre já sabe que estou cortando caminho lá por dentro, que é perigoso, e pode me pegar“.

Imaginem que isso serve para todo mundo, em qualquer situação. Ela tem uma luz e diz: “não vou mais atravessar, porque estou machucada, e devo parar.”

Se eu morrer, não vou ter mais aquilo que eu quero – tanto do lado material quanto a paz espiritual que eu almejo e venho buscar.

Nisto ela pega um novo caminho, fazendo as coisas certas como deve ser feito, até que uma conhecida chega para ela e diz: “eu sei que aquele caminho que você estava fazendo dentro da arena, com o tigre, eu sei que é perigoso, mas como já passou várias vezes, você não quer me ajudar?

A moça, que é apenas uma conhecida, está pensando apenas seus interesses. Ela não está nem aí no que pode acontecer, e no perigo que é estar entrando lá, fazendo a mesma coisa, tropeçando do mesmo jeito. Ela diz para a moça que está atravessando lá: “olha, você me ajuda, porque quando você me ajudar, eu consigo te ajudar nisso e naquilo…” E começa a fazer a cabeça da moça, que está quieta, na dela.

A pergunta é (dirigindo-se a M., que está na mesa e a quem pede ajuda para completar a palestra): “M., esta moça já foi arranhada, machucada, porque estava errando e fazendo besteira. Você atravessaria com a moça pedindo? M.: “Não.” Quantos anos você tem? M.: “22“. Continuando a história: “você não atravessaria… você tem 21 anos, vai fazer 22 anos amanhã e não atravessaria…”

A pessoa só está pensando em seu próprio benefício. A moça que está pedindo só está pensando em seu propósito – interesse próprio. A moça chega e continua falando, continua…

Para que vai atravessar? Neste meio tempo em que a moça parou de atravessar, ela pensou: “eu não vou mais, porque uma hora ele vai me pegar!”

É óbvio que o tigre que está lá, que é o tigre matuto, que é um guerreiro de arena, está lá para isso, ele só está esperando o próximo passo da moça. E foi o que aconteceu. Neste meio tempo em que a moça pediu para passar, ele pensou “já passou n vezes aqui, já caiu, só fez besteira, vou esperar a próxima e nesta eu pego e dou o golpe final“.

Para muitos aqui, sem exceção , é o que acontece. O tigre só está esperando novamente a moça fazer besteira porque ele já sabe de tudo. Se a pessoa atravessou 200 vezes, você acha que o tigre não sabe que vai cair mais uma, mais outra, e que basta alguém cutucar? Por quê? Porque não tem (aquilo que muitos deveriam ter) consciência própria, no sentido de que “O que é importante? O que é urgente?” – como eu disse na semana passada. Para que vai cutucar, e tentar passar de novo na arena sabendo que o tigre já sabe que a qualquer momento vai atravessar de novo a arena, já sabe a qualquer momento leva um cutucão de alguém que vai pegar o caminho errado de novo, que é a arena de novo que vai atravessar. Ele já sabe e está esperando. Como se o tigre fosse bobo…

O certo é: “olha, moça, se você quiser atravessar, você atravessa, mas eu não vou, pois sei que o tigre só está esperando, e ele sabe que vai acontecer.” O propósito aí é: vai tentar atravessar de novo, é certeza de que vai ficar na arena, vai tombar e vai morrer – o tigre já sabe, só está esperando para dar o bote. Aí se perdem duas coisas (se a pessoa não pensa, vamos nós pensarmos), se perde o material que é a vida e se perde o espiritual. Isto é morrer na arena.

Eu espero que ninguém morra desta forma na arena. O material acaba. O espiritual, por sua vez, a pessoa que está fazendo a besteira vai ficar sem aquilo que deseja tanto na alma, e perder os seus sonhos…

Uma coisa é certa: o tigre está lá, forte, mais matuto, esperando o próximo passo. Então às vezes as coisas são feitas de um jeito que se a pessoa não começa a olhar a atitude, como a enfermeira Ana Neri disse e eu complementei: não é só o pensamento, mas também a atitude que é o principal. Se alguém chega e diz: “vai virar bandido, eu vou virar bandido?” Será que ninguém sabe aquilo que compromete, que vocês vão ficar na arena caídos, porque o tigre já sabe o próximo passo. É claro que sabe! E mais do que vocês imaginam.

Por isso peço a todos – como diz meu general, tem gente que tem que andar com o chicote do lado. Comecem a se limitar com certas coisas, porque vocês podem estar morrendo na arena… E vão perder o espiritual, a paz de vocês. Que todos aqui sejam firmes com seus pensamentos, sejam firmes com suas atitudes – saibam falar não.  Não é vergonha para ninguém saber falar não. “Não vou, vai sozinho, porque isso pode comprometer certas coisas.”

Que cada um coloque esta história no seu dia-a-dia e lembrem do tigre matuto que está lá e já sabe o próximo passo, já sabe que vai tombar de novo, já sabe que o pensamento e a atitude são fracos. Isto serve para qualquer situação – trabalho, relação humana, para tudo.

Alimentem o tigre da forma certa. Porque vocês podem ter um grande aliado. Forte e Resistente!!… Quem sabe se alimentar da forma certa, lá na frente, o tigre convida a pessoa para entrar na arena. Aí pronto. Tudo completo novamente. Mas até lá, parece que o caminho é longo porque a falta de entendimento de alguns, passa longe daquilo que deveria ser feito.

Que Assim Seja. Que cada um reflita em tudo que foi dito aqui nesta noite.

Psicografia Viviane

Procurar o bem é estar sempre atento aos sinais que o Pai coloca em nosso caminho. Procurar pelo bem é estar atento àquilo que faz parte do seu caminho. E o caminho é feito por aquilo que desejamos colocar nele. Escolhemos aprender ou não, enxergar ou não, compreender ou não, ser ou não. Portanto, seja aquele que comanda o seu caminho e escolhe a felicidade.

Mensagem final de Peão

Reflitam mas não se percam nos pensamentos. Pensamento é blábláblá e por aí vai. É a atitude que manda na vida. Não adianta pensar uma coisa, ter uma atitude de outra, falar outra, pensar outra. Aí vira uma salada e vocês não vão sair do lugar. Vão ficar mortos na arena. Eu espero não vê-los mortos na arena. A arena é para gente grande, é para quem sabe.

Abertura

Posted in Uncategorized on outubro 29, 2016 by Helen Ians

Os guerreiros sejam bem vindos à Casa de Luz. Que os irmãos se concentrem, que os guerreiros aproveitem toda a energia da Casa, todas as mensagens aqui deixadas pelos grandes guerreiros, e que reflitam e que coloquem em seu caminho a verdade, a fé, a esperança e a alegria.

NUVEM VERMELHA

Palestras em 24out2016.

Os olhos da alma.

Posted in Arte de viver, Uncategorized with tags on outubro 29, 2016 by Helen Ians

eye-590x393No dia a dia dos irmãos, quando conversarem, estiverem próximos com as outras pessoas, procurem olhar para o seu próximo e tanto você quanto o seu interlocutor procurem os olhos da alma. Tentem ouvir além das palavras proferidas, busquem nestes olhos a realidade de cada um. Muitas vezes, queridos irmãos, um olhar pode fazer uma súplica, um agradecimento, um simples pedido, firmar uma amizade, aproximar, deixar que o amor ao teu próximo fale mais alto.

O que vemos atualmente não é nem o levantar dos olhos, nem para consigo mesmo. Já dito nesta Casa de Luz que as pessoas buscam, pedem, mas tem – e quando o tem, não conseguem olhar para si mesmo quanto mais para o seu próximo.

Busquem nas pessoas do seu convívio esta ligação, este elo, façam este exercício e comecem a perceber como tudo começa a mudar a partir de uma simples conduta. Aproximem-se mais, falem-se mais, olhem-se mais. Desta forma, não será mais necessário pedir mais tempo. O pequeno tempo que vocês terão será muito bem aproveitado.

ANA NERI

Consciência de que estão protegidos.

Posted in Conselhos with tags on outubro 29, 2016 by Helen Ians

spiritual-protectionA vida é cheia de percalços, coisas que acontecem aqui e ali, no dia-a-dia e isso são coisas normais. Eu quero que vocês entendam, principalmente aqueles que já frequentam a Casa e que estão em sintonia com a corrente há tanto tempo, e mesmo aqueles que são ainda novos – todos são bem vindos, vocês sabem disso. Eu quero que vocês entendam, não, eu quero que vocês sintam, quero que vocês saibam que vocês são protegidos. Não que os outros que não frequentam a Casa ou que não estejam presentes ou que não estejam em sintonia, não o estejam – todos são protegidos por uma lei maior do que esta dos homens. Não tenho dúvida disso. Mas vocês podem ter a consciência desta proteção, chamem como quiser, a fé, a crença, não importa o termo mas o conceito de se sentir acompanhado.

A primeira reação é razoável, nós entendemos, eu até posso ouvir: por que comigo? E eu lhes respondo porque com você, com você, com o outro… todo mundo… a diferença está em todas as situações daqueles que tem sintonia, que acreditam em algo além das possibilidades, e aquela sensação que fica  – mostre-me suas mãos, eu lhes diria: falta algum dedo? Entenderam o que eu disse? Não são anéis que fazem a vida. Alegram, colorem, é interessante isso, mas não é esta a essência. A essência é estar íntegro, apesar de qualquer coisa. Se vocês tem isto na mente, vão sentir no coração.

Uma coisa é a intuição, sobre a qual tanto falamos, e tentamos conceituar algo tão dificil de definição – mas é aquilo que nos avisa antes. É aquilo que faz fisicamente sentir que algo está errado, não combina com a minha energia. Isto é intuição. Vocês tem isso, todos tem isso mas aqueles que procuram se desenvolver espiritualmente, tem isto mais nítido. É tão claro. Prestem atenção nestes avisos, nestes sinais – é uma coisa. Agora achar-se isento de tudo o que o cerca por causa disso é o que não pode acontecer. Não dizem por aí – orai e vigiai? Há quantos séculos se diz isso em todas as religiões, de todas as formas. Muito bem, eu tenho minha fé, eu tenho minha intuição, eu me sinto protegido porque sou protegido mas isto não impede de estar atento. Se você atravessar as avenidas e sem olhar, o cavalo, a carruagem passa em cima, tendo vocês proteção ou não.

É isso o que estou dizendo claramente. Atentos, vivos, todavia não o tempo todo defensivos. Quantas vezes já foi dito aqui por várias entidades, diversas égides, do escudo, da espada, da proteção em torno de si. Sem dúvida. Mas não se pode andar por aí – meu aparelho gostaria, todo armado da cabeça ao pé e matando todo mundo, é guerreiro, se ofende, se indigna como muitos de vocês. Mas não é com armadura o tempo todo que se defende assim. Todavia, com um escudo interior da auto-percepção, da sua autoconfiança… se acontece não é culpa de vocês, não é que vocês não estavam atentos pois as coisas acontecem mas percebam que, no acontecimento, com vocês especialmente, sempre se tem a sensação, depois da aflição, de que se perdeu muito pouco ou quase nada, nada realmente – se não, alguns anéis, mas aqui estão seus dados, sua integridade, sua dignidade, sua força interior e ninguém nunca vai se abalar.

Desculpe, eu estou muito duro hoje. Não é o meu feitio mas é preciso que vocês acordem para isso. O céu não quer reconhecimento o tempo todo. Deus não quer que se agradeça o tempo todo. O universo quer, sim, que vocês tenham consciência de sua própria grandeza, de seu próprio valor e de sua própria proteção. Isto posto, é o céu que lhes agradece por sua conduta. É o oposto. Rezem, orem, sim, reflitam, mas atentos. É como se um guerreiro, em outra época – tragam daquela época para cá, com inimigos em volta – e ele se ajoelha, olha para o chão e começa a rezar. Não duraria meia hora, mesmo que distraído com o sagrado, posto que, ajoelhado no chão – no chão é a realidade. Orem, sim, mas vigiem todavia. Combinados?

Vocês não estão sozinhos e pela graça de Deus nós temos a sua amizade, a sua companhia – coisas que muitas vezes vocês não sentem em relação a si mesmos – sua própria companhia, e sua própria percepção de quem são, e quão grandes são – xamãs, príncipes, reis de si mesmos, é por isso que agradecemos sua companhia. Nós é que agradecemos a vocês mas não gostamos de distraídos com fé. E em tudo que acontecer sempre verifiquem se os seus dedinhos estão lá no lugar, o resto são anéis. Eu até gosto deles mas não nasci com eles.

Que sirva para cada um de vocês que tenha passado por alguma situação em que se sentiu ameaçado. A ameaça está aí, lá fora, em algum lugar. Mas tenham em mente – esta nação não é de ontem. Coisas que acontecem estão em menor grau, em menor número cada dia mais. Eu já disse, a guerra a acabou e vocês são vencedores. Vai haver ainda ameaças, sim! Todavia não precisam andar todos armados, matando todo mundo. É assim. Que Deus nos dê a segurança. Não a segurança militar, guerreira, mas a segurança de ter certeza de quem somos e de nosso papel, cada um com o seu. Perdoe-me, Senhor, hoje estou muito bravo. Sou mais doce do que isso mas eu precisava ser bravo. Que tenhamos uma linda noite e dias deslumbrantes à frente.

PEDRA ALTA

Caridade começa em casa.

Posted in Ensinamentos, Uncategorized with tags on outubro 29, 2016 by Helen Ians

caridade-em-casaQuero apenas lembrar aos irmãos que aquele que se preocupa em fazer a caridade apenas fora de sua casa, que lembrem que não existe caridade que não comece dentro de casa.

Se você é incapaz de enxergar aqueles que estão ao seu lado, no seu convívio, e se julga incapaz de ajudá-lo ou estender a mão, de nada adianta fazer isso fora de casa. A caridade começa ali.

Reflitam e repensem.

JURACI

Tomem a rédea do cavalo. Se não o cavalo vai embora e não volta mais.

Posted in Arte de viver, Energia, Uncategorized with tags on outubro 29, 2016 by Helen Ians

circleQue a Santa Luzia abençoe vocês. Onde está a vela vermelha acesa? De onde veio, foi por acaso de onde a castanhola bate? Parece que alguém me chamou aqui, falaram em armadura, falaram em espada…

Aqui foi trazido nesta noite, como Ana Neri disse, olhar com os olhos da alma, o Pedra Alta sobre a consciência, a irmã Juraci sobre atitude e assim como foi dito nestes dias para trás, lutar como um só.

O lutar como um só é lutar com todas as armas que você tem que é aquilo que Deus deu a cada um. Assim como pode até ser, olhar com os olhos da alma, consciência e atitude, assim como lutar e falar na hora certa, esperar o momento certo de agir, com a esperança, com a fé e, em se tratando de consciência – aproveitando – para quem não sabe é dito que a consciência se dá por contraste. O que quer dizer? Em uma forma bonita, quer dizer, quando se perde, depois  é que dá valor. Em uma forma mais terra, depois que faz a besteira, se dá conta de que fez.

E se a consciência se dá através do contraste, a hora que o sujeito ou a sujeita bate a cabeça no muro, aí só tem dois caminhos. E eu acredito que o sábio, assim como todos, usa no seu caminho uma grande circunferência onde, no ponto central desta circunferência, é onde está aquilo que vocês precisam para usar no dia a dia. Se tratando de circunferência, se passar a circunferência, você sendo o eixo dela, com sua sabedoria vai sair a fala, vai sair o momento, tudo aquilo que está contido dentro de vocês de forma limpa. É claro que vocês podem caminhar pensando que existe uma circunferência – seria o limite, onde existe um escudo que protege vocês, na minha opinião, protege vocês de vocês mesmos. O fator externo é uma coisa, o fator interno é outra coisa. Querer fugir, escapar ou não querer ver, como bem disse a irmã Juraci , de uma outra forma, sobre atitudes… tem alguns que pensam assim: sou protegido, sou isso e aquilo e não se dá conta de que às vezes as coisas acontecem não porque tem que acontecer.

Para mim, quando eu pego o caminho contrário, o “tinha que acontecer” não tinha nada, aconteceu porque você usou o seu ponto central da sabedoria de forma errada. Se as suas armas estão lá e é claro que a gente parte do princípio de que a arma está bem afiada, a munição certa, o escudo na lugar certo, o que resta? Por que caiu, por que bateu a cara no muro? Não é porque Deus não quis. Até porque se Deus for começar a olhar tudo isso daí, é certeza que ele junta as coisas, põe na mala e vai embora.

Agora usar o ponto central assim como sabedoria – como eu disse a consciência vem do contraste.  Na hora que o sujeito toma um baque, um susto – é para se dar conta do que está fazendo com si mesmo e com o que queria.

Lembro aqui uma história que cai  como uma luva nesta noite, do sujeito que tinha uma fazenda bonita, a terra bem arada, uma fazendo cuidada. Em compensação tinha um vizinho que a sua fazenda estava abandonada, largada, nada plantado, tudo de qualquer jeito. Passado um tempo, começou a fazenda vizinha a ficar ajeitada, começou a melhorar, começou a plantação a crescer. Tudo começou a mudar. Até que uma bela tarde um vizinho encontrou com o outro na cerca e o vizinho da fazenda bonita – todo dia ele achava o seu ponto central e usava o que tinha na sua sabedoria dentro daquilo que ele mais gostava que eram suas terras.

  • Boa tarde, você trabalha aqui?
  • Não. Eu comprei há pouco tempo, estava abandonada.
  • A fazenda era muita grande e eu não sabia que ele tinha vendido. Estou percebendo que a fazenda esta ficando bonita porque realmente estava abandonada, ao Deus dará. (É o famoso “a canoa está indo e não tem direção alguma – é o maior erro que pode acontecer”).

Nisso, o sujeito olhou para cara do outro:

  • Eu estou ajeitando devagar do jeito que dá, vou fazendo uma coisa, outra, tem uma turma aí trabalhando para mim e eu vou deixar ela do jeito que tem que ficar, bonita, produtiva de forma que meus filhos e meus netos podem usar isso aqui.
  • E o sujeito falou: graças a Deus que você está dando jeito aqui. O moço olhou para cara do moço da fazenda já bonita e disse:
  • Graças a Deus, mas você tinha que ver como estava isso daqui quando Deus estava tomando conta.

Isso quer dizer: não adianta só Deus, não adianta só a magia, a canoa estar ao Deus dará, ou “estou deixando a vida me levar”.

Se você não tomar a rédea para si mesmo, nada acontece. Se você não direcionar aquilo que você realmente busca, o que você realmente quer, e lutar por aquilo – só que da forma certa, buscando no seu eixo central a sua sabedoria onde, na circunferência, já está contido aquilo que você realmente precisa, e não precisa buscar fora nada… A não ser que sua raiz esteja errada, a não ser que o seu conceito de vida está errado – aí sim precisa mudar tudo. Por muitas vezes, se paga um preço muito alto quando o sujeito olha dentro de si e vê as besteiradas que fez, aí o preço é alto porque tem coisa que fica tarde demais para consertar.

Deixar as coisas ao Deus dará, para quem não sabe, eu vou falar pela segunda vez isso: o maior problema nesta Casa é interpretação de texto. Às vezes é dito uma coisa e o sujeito entende outra. Quando eu falo às vezes , uma hora a magia, há momentos que a energia vai tomar conta do seu caminho e há momentos que você deve direcionar o caminho. Isto não quer dizer que, quando a magia estiver tomando conta, você vai deixar sua vida ao Deus dará. Porque senão é melhor olhar o ponto central, pegar todas as suas armas e jogar fora. O lutar da forma certa ou o esperar da forma certa, porque uma hora, realmente, depois da luta vem a calma, vem a magia, vem a energia que é para ser sentida, como já foi dito aqui. Mas é preciso continuar tomando conta, lutando por aquilo que deseja.

É claro que a luta certa e a vitória certa só existe com coerência. A coerência maior é olhar para dentro de vocês e serem coerentes com vocês mesmos. Uma coisa é o que a tal sociedade quer. Se tudo tem um princípio, quem diz que o princípio criado lá para atrás está certo, tem seu devido valor? Não estou falando de moral, de ética. Estou falando de responsabilidade. Para mim, o ser responsável é aquele que conduz o seu caminho para aquilo que quer. Em um momento, uma guerra maior, reunidas suas armas, e em outro momento é fazer um pouco menos, é dispender um pouco de energia e deixar diferente da guerra principal. Há momentos em que a energia toma conta e há momentos em que você deve lutar por aquilo que busca. Sendo que o princípio básico de tudo isso é que se a sua alma não está completa, você é um sujeito incompleto. É por isso que quando a consciência ou o sujeito acorda, aí vai se dar conta do que está fazendo. É a mesma coisa de quem quer encontrar a cura nesta Casa. Os xamãs estão aí, já passaram até de várias circunferências, agora se o sujeito ficar em casa falando “Deus me cure” – realmente vai curar, sim, não sei onde, não sei que dia… Como se o sujeito fosse quem Deus deveria olhar para ele naquele momento…

Outra coisa é quando se faz uma oração e você se aproxima de Deus. Para mim, se aproximar de Deus é se aproximar de si mesmo. Como eu já disse, Deus não julga atitude, julga o coração. Até porque tudo aquilo que existe é momento. O principio da coisa está certo? Senhoras e senhores, são só vocês que sabem o que está falando dentro de vocês. Não é o sujeito, a família ou o outro – ninguém mais sabe. Só vocês tem a rédea do cavalo de vocês, mais ninguém. E enquanto vocês não pegarem nesta rédea e tocarem o cavalo, ele vai ficar lá… Interpretação do texto: lutem por aquilo que sua alma quer.

Eu vejo às vezes o sentimento dentro de um – a gente volta para a sabedoria, a arma está certa, está tudo certo mas usa a espada errada, o momento errado e não é sincero com si mesmo. Parece que o caminho não está bom ou não é para ser… Papo errado. E só vocês sabem o momento certo de fazer a guerra de vocês por aquilo que vocês realmente querem, para caminharem preenchidos. Sabedoria mais coerência é igual a vitória, ou força e coerência é igual vitória. Uma hora usa um, outra hora usa outro. E só vocês sabem. Mais ninguém.

Por isso esqueçam o barco à deriva e tomem a rédea do cavalo se não o cavalo vai embora e não volta mais.

Agradeço a vela. Não tem mais nada para falar. Que cada um faça do seu caminho um caminho melhor, de força, um caminho de sabedoria onde a sabedoria maior está dentro de cada um, onde não deixe chegar a este ponto que a consciência se dá através do contraste, porque aí a coisa já está degringolada. Antecipem, aqueles que usam  sabedoria, os fatos: será que devo? Será que não? A não ser que a pessoa não é fiel e não existe uma união entre o que pensa, o que fala e o que sente.

Que a Santa Luzia abençoe a cada um de vocês.

PEÃO

NUVEM: Que os guerreiros tenham boas luas pela frente, reflitam nas mensagens que foram deixadas nesta Casa, busquem a si mesmos que os guerreiros já estarão buscando o Grande Espírito. Cacique agradece aos guerreiros de luz, pela limpeza, pela energia, aos grandes guerreiros xamãs pela cura, pelo discernimento, como diz guerreiro Lobato, de mostrar aos guerreiros que quando se tem boa vontade, os guerreiros encontram realmente aquilo que desejam.

Abertura

Posted in Objetivos, Uncategorized with tags , , on julho 8, 2016 by Helen Ians

proteção 1Que os guerreiros sejam bem vindos à Casa de Luz, e aproveitem este momento para limparem a mente, acalmarem o espírito e buscarem em sua alma o que realmente precisam para que caminhem em paz.

Colocando sempre em volta de si um grande escudo.

Sabendo muito bem e lembrando sempre que apenas aquilo que é sagrado os guerreiros devem colocar dentro do seu círculo sagrado.

É desta forma que os irmãos estarão encontrando a si mesmos e a resposta do que estão precisando em seu caminho.

Nuvem Vermelha