Archive for the Conselhos Category

Abertura Reunião

Posted in Conselhos, Uncategorized with tags , on junho 14, 2017 by Helen Ians

varios indios

Nuvem Vermelha saúda as entidades presentes e o guerreiro Trácio, o Gladiador.

Guerreiros sejam bem vindos à Casa de Luz, equilibrem sua matéria, sua mente, tenham força em seu caminho para buscarem o seu sonho, preencherem o seu caminho com alegria e paz. E, acima de tudo, acreditem em si mesmo, na magia sagrada de toda a corrente, e nos guerreiros que lua a lua, estão acompanhando vocês aqui, na Terra. Aproveitem as mensagens e que o Grande Espírito abençoe a todos.

NUVEM VERMELHA

6 jun 2017

Buscar sempre, primeiro, o espiritual.

Posted in Conselhos with tags , on junho 14, 2017 by Helen Ians

Dando sequência ao que foi dito, nesta semana sagrada da magia, onde 6ª feira é lua cheia,  até 6ª feira neste crescente, houve o crescimento maior de cada um de vocês aqui. Dando sequência ao que foi dito pela irmã Índia que, para o crescimento também de cada um basta dar um passo, basta ter força, basta ter energia.

Foi falado para vocês aqui da história do rei que queria de qualquer jeito ser discípulo do mestre. Ele se aproxima do mestre e pergunta “o que é ignorância?”. O mestre aproveita para dar uma lição nele e explicar porque todo este tempo em que ele pedia para ser um dos seus discípulos, o mestre não aceitava. Ele teve uma idéia, e naquele momento, empolou a voz, olhou bem no olho do rei e disse: que pergunta é esta, besta, idiota que está me fazendo e como que um cara como você se torna rei? O rei, não acreditando que estava escutando aquilo, porque era rei, olha para o mestre e diz: que audácia é esta, que linguajar é este? Isto não é jeito de falar com o rei. Neste momento, o mestre olha no olho dele e diz: está explicado, este é o motivo de você não ser aceito.

O que foi dito para todos aqui, é que o rei era generoso na matéria, ajudava todo mundo, fazia isso e aquilo, mas, no campo emocional, ele não queria doar a sua imagem, doar o seu jeito, doar o aprendizado, ele não queria sair do posto dele para transformar todos os dias e olhar para dentro de si. De uma forma egoísta, ele não queria abrir mão de tudo isso. Ele abria mão de qualquer coisa no campo material, mas do emocional não queria de jeito algum. E fazia e errava todos os anos. Como disse a irmã Índia, ele não se limitava.

Quantos aqui, da mesma forma, não conseguem enxergar a si mesmo. Eu conheço um monte. Abre mão de tudo no campo material, mas acaba esquecendo uma coisa – quem trabalha no material é trabalhar na sombra. Quem trabalha na sombra não consegue enxergar a claridade. Diferente aquele que trabalha dentro de si do que trabalha na sombra. Aquele que trabalha na sombra está esquecendo que tudo que é no campo material vira um ciclo. Será que esquecem disso? Hoje trocaram de carro e amanha já está velho. Trocaram isso, trocaram aquilo só que isto vira um ciclo como foi dito aqui para todos – vai virar uma sansara da mesma forma. Vai começar tudo de novo daqui um tempo. Vai ter que trocar isso, vai ter que fazer aquilo. Tudo aquilo que se perde e é tomado de vocês, vamos colocar assim, é tomado de vocês porque é matéria – não é que a gente está tomando. Falo de coisas materiais. Tudo que vocês perdem, adquirem, perdem, ou vão reciclando, tudo isso é matéria, isto é trabalhar com a sombra. Isto vai embora.

Diferente de trabalhar no campo individual, que é a essência de cada um, na sua transformação maior, onde a magia toma conta, como diz Ragnar, no centro de sua barca. Quando você solta o remo e olha no olho do seu deus. É olhar dentro de si, no seu centro. Por isso que muitos, quando tiram o lenço do olho, do rosto, começam a enxergar e o olho acaba doendo, porque estão enxergando a verdade. Porque muitos aqui na Terra buscam apenas aquilo que lhes dá prazer, que é o material. É o egoísmo em si só.

Felizes aqueles que buscam o espiritual.

Eu pergunto para um e para o outro, para aqueles que não querem abrir mão do seu emocional, achando que estão certos, ou não, que mundo será que é real, o material ou o espiritual? Se perguntarem hoje em dia, neste ano, neste século, aqui na Terra, a resposta é unânime:  claro que o mundo real é o mundo material porque todos conseguem visualizar, escutar, tocar. Só que acabam esquecendo para aqueles que tem a visão curta das coisas, porque acesso a tudo todos tem. E o importante só para lembrá-los não é conhecer o caminho, é trilhar o caminho. Muitos conhecem o caminho mas não sabem trilhar o caminho.

Se perguntarem – isso já há muito tempo atrás, com aqueles mestres, sábios, filósofos – se perguntarem a alguns mestres vamos dizer do Egito, qual mundo é real? Material ou espiritual? Eles vão, óbvio, responder: o espiritual. E por que o espiritual? Porque o espiritual é a essência. O campo espiritual é o que vai mover cada um aqui, é o que vai mostrar o caminho para cada um, daquilo que querem conquistar, porque é dentro do campo espiritual, que é  dentro de vocês, que existe o sonho, é a busca do sonho, é a busca da verdade. Quem busca o espiritual, busca a verdade. Quem busca o prazer é a matéria. O prazer em sentido egoísta, porque se colocam como produtos do meio. A mensagem para todos aqui sempre é que vocês se tornem o produtor do seu meio, não o produto do seu meio.

Por isso muitos, cegos, não conseguem enxergar o próprio caminho. Aí é dado a ti a segurança, aí é dado a ti a montanha, aí é dado a ti a alegria, aí é dado a ti tudo aquilo que está contido dentro da verdade, que é no campo espiritual. É quando o sujeito ou a sujeita consegue olhar para dentro de si e ver que tudo que se consegue no mundo material se perde. Ganha de novo mas se perde, tudo vai embora. Agora o olhar no campo espiritual é a essência, é o crescimento de si mesmo.

Traduzindo, isto não quer dizer: não conquistem. Pelo contrário. Lutem e aquilo que for de direito, tomem como seu. Agora focar na matéria, focar na troca, é o que eu já disse: para se perder, é rápido. E perdem. Foquem, trabalhem em si mesmos, no espiritual. Trabalhem aquilo que realmente vai trazer e alimentar o seu sonho, vai estar alimentando o que é sagrado para ti, porque aí sim vão encontrar a alegria e caminhar em paz.

Volto a dizer que é dado a ti a segurança, o campo, o sagrado, a alegria, e no lugar de tomar conta, de olhar para dentro de si e perceber que o sagrado se tornou sonho, o sonho se tornou sagrado, a verdade tomou conta do caminho e tudo aquilo que tinha verdade, ficou. E muitos acordam tarde para tudo isso. Muitos.

Por isso é falado e é dito: moço, moça, conheça o seu limite, não ultrapasse – conheça a si mesmo, tire a energia ruim de seu caminho. Mas às vezes e é engraçado aqui nesta Casa, eu vou até dar um exemplo. Não é só nesta Casa, mas na vida atual: uns entendem demais, outros entendem de menos, que é o natural para aqueles que não entendem o caminho. Uma coisa é conhecer o caminho, outra coisa é trilhar.

Há muitos anos atrás, uma médica foi fazer uma consulta com uma entidade. Ela ficava estudando o dia inteiro. A doença iria se instalar nela pelo tipo de vida que estava levando. Aquilo a sufocava e ela não percebia, e a cada dia ficava mais doente, embora ela não percebesse. Foi dito aqui: moça, pegue os seus livros e jogue fora. A moça começou a indagar a alguns médiuns, com quem tinha amizade,  como que uma entidade, um guia, iria falar para pegar os livros e jogar fora, pois os livros eram muito caros. Será que foi falado isso mesmo? Isto não é analisar pela superfície? Isto não é pequeno demais?

Como eu vou jogar os livros fora, se é tudo caro? É claro que a entidade não estava falando para jogar ou queimar os livros. É como se dissesse: moça, deixa os livros um pouco de lado, e vai viver. Isso é claro, vamos deixar claro porque aqui é meio perigoso falar as coisas: estou falando no momento em que ela estava passando. Às vezes o que serve para um, não serve para outro. Tem uns aqui que estão direcionados para ficar dentro de si, outros estão mais soltos, outros estão caminhando e fazendo o que deve ser feito, se não nada adianta. Como é que vai pensar que vai jogar os livros fora? Vai viver moça: é o equilíbrio. Na situação dela, este foi o melhor conselho. É claro que, depois, os médiuns conversaram com a moça e ela entendeu e acredito que deve ter acordado. E por quê? Cada um tem um caminho a trilhar.

Por isso, eu lembro da mãe de Sócrates, o filósofo (já estão me falando aqui que não é o jogador de futebol….), a mãe dele era uma das melhores parteiras da época. Uma vez encostaram no moço e perguntaram: você, com toda a sabedoria que você tem, será que se a gente amarrar uma pessoa em um cadeira, e você ficar para ele ensinando todos os dias, será que ele vai se tornar mestre? Ele, com a pergunta imbecil, respondeu à altura. Geralmente os mestres ou se elevam e se iluminam com a pergunta, ou caem um ponto na frequência com a pergunta se não ele não consegue entender. Olha a minha mãe é uma parteira de mão cheia. Só que eu nunca vi ela conseguir fazer o parto em uma mulher que não estivesse grávida. Isto traduz o que todos falaram aqui – cada um da sua maneira, cada um da sua forma.

Se não estiverem preparados, se não estiverem prontos, e não estiverem com a boa vontade de olhar para dentro de si e perceber que o problema está na matéria ou no seu emocional, não tem outra coisa – ou é uma ou outra. Se não tomar o devido cuidado, a pessoa não consegue se mexer. É o caso da história. Se não derem o passo, como foi dito pela irmã India, nada acontece. Se não quiserem abrir mão do seu egoísmo emocional, da mesma forma – porque acha que está certo…

Quantas vezes foi dito, corta energia ruim.  Quantas vezes foi dito, busque a si mesmo. Cuidado com o seu passo. Isto é mostrado a todos com sinal, ou é falado na mensagem, ou é falado na consulta ou são colocados, no caminho de vocês, sinais para que prestem atenção. E até sinais para testá-los, para ver se estão ou não preparados, para a energia maior tomar conta de seu caminho e lhe entregar de bandeja o seu sonho. Aí a pessoa vai lá e escorrega na casca da banana.

Trabalhar com magia, trabalhar com oráculo, como se disse bem lá para atrás – ela atua a partir do momento em que você está dando o passo, e você está acreditando mas, acima de tudo, aberto para que as coisas aconteçam. Da forma certa. O sagrado, ele não vai manchar a sua energia, o seu nome, com aquilo que está sendo feito errado. Ele recua. Aí entra no campo material, aquilo que é tirado – como eu disse no começo, sobre a matéria. A matéria, vocês podem perder. Hoje tem, amanhã já perdeu. E aquilo que é para sempre? E o sonho?

Eu vou repetir: quantas pessoas aqui eu vejo que, para resolver o material, no momento em que é para olhar, para dentro de si, e perceber a energia que atrapalha, perceber isso, perceber aquilo, a pessoa parece que está olhando sei lá o que…

Questionamento C. – Eu achei interessante a história do Sócrates. A filosofia de Sócrates chamava-se cinismo. Hoje é pejorativo mas cinismo é responder uma pergunta com outra pergunta. Como o exemplo da médica, é típico. Supõe-se que tem uma cultura imensa, é capaz de curar, mas está fazendo mal a si mesma. A pergunta deve ter sido feita com “o cinismo de verdade, de Sócrates”: os livros estão te fazendo mal? Sim. Jogue-os fora. O estereotipo do cínico, hoje, é irritante – aquela pessoa que olha de lado, com ar arrogante. Isto não é cínico, é idiota.

Por isso que eu disse, na hora em que a máscara cai, a pessoa começa a enxergar a si mesmo em seu caminho. Este oráculo da vossa cozinha, no momento em que ele responde na pergunta: Eu sou o escolhido? E ela se transforma em Deus, olhando no olho da pessoa: você não é o escolhido, só que você pode transformar e se tornar o escolhido, vai depender da sua confiança, da sua segurança, e de que forma você vai estar caminhando na Terra.

Agora o trilhar é outra coisa, é estar focado, é pensar dez vezes antes de dar o passo, é perceber aquilo que vai atrapalhar a sua paz, o seu silencio, aquilo que vai fazer você tombar e não levantar mais. Quando se está no rastro de alguém, a pessoa pode te perceber – se você pisar em um galho, no meio da mata, o barulho fará a pessoa se tocar que tem alguém. E às vezes o pisar no galho e quebrar o galho, pode se  transformar em sua morte. Em sua derrota – vamos colocar assim para não ficar tão chocante.

Às vezes, o que eu vejo, não só eu, mas Ragnar e o Gladiador Tracio, e outros, cada um de sua forma, é a força que alguns tem aqui e que pode ser colocada da forma certa. Isto eu falo no campo espiritual. E coloca no campo material. Querem colocar no campo material? Coloquem. Mas esquecem que hoje tem e amanhã já foi embora. A corrente indígena sempre disse para vocês: conquistem o espiritual para depois buscar o material. Sua visão vai ficar longa, você vai conseguir perceber coisas que outros não percebem. É uma tarefa de todos os dias, é diária: manter a energia focada naquilo que vai trazer problemas e blindar aquilo que traz alegria. Por isso que alguns ganham e alguns perdem.

Mas como foi dito, no oráculo transformado em uma cozinha que mais parecia uma cozinheira, olhando no olho e dizendo: você pode se transformar, vai depender da sua força, vai depender daquilo que realmente você acredita.

Se você buscar o material, você vai fazer perguntas, perguntas e o material vai embora, se perde. Se você buscar a si mesmo, buscar o espiritual, e acreditar naquilo que está fazendo da forma certa, onde existe verdade, onde existe o comprometimento com si mesmo, onde existe um sonho envolvido, onde existe o sagrado, e onde existe Deus, no meio da sua barca.

Felizes daqueles que tem oportunidade de soltar o remo e encontrar a si mesmo. Porque a partir do momento em que solta o remo, isto é encontrar a sua segurança. Eu estou seguro.

No caminho de volta é: se sentem seguros na matéria, mudam de casa, trocam roupa, trocam isso ou aquilo. Esta é a sua segurança? Que segurança é esta? É isto que o faz caminhar tranquilo? Uma espada de guerra, na mão de gente errada, cai no chão em menos de 5 segundos. Eu já vi muitos. Uma espada de guerra na mão de gente despreparada… Uma pessoa preparada, sabendo do limite do seu sonho… Sim, sonho tem limite. Se você já tem o sonho dentro de si, precisa mais do que? Você já está preenchido, você já está iluminado com o que sempre buscou. Se está precisando buscar mais alguma coisa, é preciso rever aquilo que você sempre sonhou. Por isso a gente fala tanto nisso.

Quando é falado e passada alguma mensagem, percebam se vocês se uniram naquele momento, olhem para dentro de si. O seguro está dentro de si, está dentro de sua mente, está dentro de sua alma. É aí que você vai entender a si mesmo, e com o seu crescimento, da sua transformação, você vai aprender a colocar um limite de um lado e de outro. Blindar a sua alegria, o seu sonho, e desembainhar e fincar a espada no coração da energia ruim, o mandar embora literalmente.

Muitos aqui testaram, que eu sei, a energia ruim. Isso eu falo no campo espiritual. Viram que foi só dor de cabeça. Aqueles que eu consigo lidar, aqueles que “deixa, eu não vou chatear, eu não vou magoar” e caíram. Isso é que a gente não quer. Este é ponto onde a corrente indígena vai sempre. Na nossa visão, eles sentem. É por eles que eu peço e todos aqui pedem que observem quando é dado e é desperdiçado.

Que a Santa Luzia abençoe a cada um aqui. Que a Santa Luzia ilumine o caminho de cada um na Terra, de uma forma pura, assim como é passado para vocês. Mas se iluminem. Lutem por aquilo que querem, peçam a Santa Luzia aquilo que querem, mas acima de tudo façam o certo. Lembrem o oráculo transformado em uma senhora na cozinha. Vai moço, vai moça – se ilumine novamente, quem sabe nos seus passos a energia novamente volta e tudo será dado como foi, a segurança, a alegria, o sonho, a montanha. Como disse o irmão Pedra Alta, os cavalos, tudo. Quem sabe!

Para isso é preciso que, como foi feito, no momento em que o rapaz levantou para abrir a porta da cozinha, ele teve que encostar na porta e pegar na maçaneta. E abrir.

Sexta feira noite de lua cheia. O meu povo vai estar dançando, em festa novamente. Eu sei o que muitos dariam para estar na dança.

PEÃO

Erro, mas paro para pensar: onde foi que errei?

Posted in Conselhos with tags , , on maio 15, 2017 by Helen Ians

where did I failQue beleza! Palavras belíssimas acabamos de ouvir. A melhor maneira de se homenagear as mulheres benditas pela maternidade, e mesmo aquelas que não foram, mas na sua essência são. A melhor homenagem é que se elas nos deram à luz, que nós nos mantenhamos iluminados. Mas gostaria hoje de me dirigir aos homens.

Há uma palavra que, se eu estiver errado, por favor, aqueles que conhecem o idioma me corrijam… Esta palavra é contrição. O ato de contrição, pelo que eu entendo, não é arrependimento tão somente. Mas é mais profundo do que isso, é uma reflexão a respeito de eventuais erros cometidos para que não se repitam agora nem nunca mais.

É muito honrosa a presença nesta noite de grandes homens que comandaram outros tantos, às centenas, aos milhares, e que de sua forma conquistaram grande parte, juntando todos, o mundo inteiro.

Este poder dado pelos deuses, ou um só, como queiram, requer uma responsabilidade imensa e todos eles evoluíram espiritualmente quando, em alguma etapa, tiveram um momento de contrição. E reviram seus passos e olharam para frente, trilhando o novo caminho e, o mais importante de toda esta reflexão, está relacionado à justiça. Os momentos em que fizeram, como todos nós podemos, não sei se devemos, mas podemos fazer justiça. Não no sentido de julgar apenas. O grande julgamento é divino, não tenham nunca dúvida disso. Mas podemos avaliar, sim, aqueles que nos cercam, reconhecendo os que nos são leais, os que não são amigos, os que não são iguais. Que maravilha é isso.

Eu não gostaria de falar aqui hoje sobre minhas passagens, mas eu tenho recordação de todas elas e, em todas, sempre reconheci aqueles que nos fizeram, nos fazem e sempre farão o bem. Aqueles que nos indicam a luz, porque são iluminados, reconhecidos às suas mulheres, mães, antes esposas, depois mães. Porque são elas que nos dão, sempre nos deram, orgulho de podermos lutar sempre pela família.

Reparem na história de todos e verão sempre isto que estou dizendo agora. E como fizeram eles, maiores do que eu, com atos de contrição. Eu erro, eu posso até continuar andando, mas eu paro para pensar: Meus deuses, ou meu deus, onde foi que eu errei?

Isto é grandioso, mas gostaria de dizer a vocês, aqui presentes, que muitas vezes observando-os, eu sorrio porque alguns têm uma culpa risível, e se acham pecadores. Parem para pensar um pouco: os seus pecados, que vocês julgam ser, já estão perdoados quando vocês caminham em direção a uma resposta.

Como diz o grande Chefe presente, Nuvem Vermelha, sempre haverá respostas. O que pode lhes faltar, talvez, sejam explicações. E por que tentar explicar aquilo que se sente? Portanto, se vocês não conseguem eliminar, jogar fora, sentimentos menores, dúvidas desnecessárias, medos, temores, pelo menos, não admitam carregar culpa.

Fez? Repare e não repita se possível. E todos vocês, sem nenhuma exceção, não serão julgados por nada que já não tenha passado e já não tenha deixado marcas, mágoas, porque nenhum de vocês – até porque estão caminhando e se elevando espiritualmente – tem culpa. É como se disséssemos: passado a limpo, presente intenso, e só pode haver quando se assim sente, age, iluminados, como aquela luz que nossas mães, um dia nos deixaram viver. É isso, tão profundo, tão verdadeiro e tão simples assim.

Que os Deuses, ou um só, como os vejam, mantenham acesa a chama, nem que seja assim pequena, em cada um dos nossos corações. É uma honra, Senhor, ter proferido isso, não sei se propriamente, na sua presença, e na presença de grandes homens, nesta noite especial.

PEDRA ALTA

PEÃO: Espero que todos reflitam, como é sempre falado nesta casa, não pela superfície, mas pela profundeza. Que vocês mergulhem, sem medo, nestas profundezas, porque aquele que busca o caminho assim como todos aqui, estão evoluindo, estão se transformando – como é dito nesta casa – mas é preciso que haja o bom senso de cada um em perceber o que é feito dia a dia. O que cada um aqui faz dia a dia. Por muitas vezes, o que é visto é que alguns acabam pagando um preço muito alto pelas suas atitudes.

 

Faça ao próximo o que gostaria para você.

Posted in Conselhos with tags on maio 15, 2017 by Helen Ians

Gostaria de falar apenas uma frase e a saudação final.

Quero deixar como tarefa a cada um de vocês durante esta semana: façam a seu próximo exatamente aquilo que você gostaria que fizessem por você.

Tenham todos uma boa semana e que Deus nosso Pai os abençoe e ilumine.

JURACI

Faça pequenas ações, com qualidade, e na translucidez de sua mente

Posted in Conselhos with tags , on maio 1, 2017 by Helen Ians

translucidez da mente

Que coisa bonita, que mensagem linda. Eu tenho dito isto repetidas vezes, talvez não com tanta doçura e com tanta sabedoria. Hoje mesmo conversando com algumas pessoas aqui e ouvindo o pensamento de muitos de vocês, reitero o que disse a nobre Senhora, desta troca, dessa oferta e recepção de bons e puros sentimentos. Isto é tão verdade…

Para ser bem objetivo, digo a vocês a respeito do pensamento e da ação. Sinceramente, sendo bem franco, prefiro uma ação pouco inteligente do que uma inteligência brilhante sem ação. Não fiquem colecionando, por favor, tantos pensamentos como se isso fosse acúmulo de qualquer coisa, e se for, é excesso, principalmente nos próximos dias. Vamos fazer este exercício de pensar menos e sentir mais, em tudo que se faz ou que se possa fazer.

Aí vocês podem – (ah! já estão me perguntando, leio pensamentos – se os pensamentos de vocês fizessem barulho, meu Deus, que barulhão!) – é fácil falar “não vou pensar, eu vou sentir”. É fácil falar e pode ser prático fazer isso acontecer, de alguma forma. E lhes digo como:-não tenho a fórmula, mas tenho sugestões. Toda a corrente tem.

Como disse a nobre Senhora, são culturas diversas, com muita experiência, experiência secular, milenar, de tradições, de ritos, de crenças – e eu lhes digo que estão certos. Neste sentido de fazê-los sentir mais do que pensar. Pode ser simples como fazer aquilo que quando vocês estão fazendo, depois vocês pensam – foi uma higiene mental – não usam esta expressão? Pois então vamos fazer isso todo dia para lavar esta coisa, esta quantidade de pensamento, este barulhão – fazendo coisas que quando vocês estão fazendo, é sentimento, é coração, é afeição. Há quanto tempo vocês que gostam da dança, não dançam? Não tem tempo, não é? Bendito ou, ao contrário, o tempo.

Na verdade, aquele que tem algum talento que encanta as pessoas quando vocês os oferecem, oferecem os talentos. Mas vocês não tem feito isto, não tem feito uma ação que traga a vocês uma recompensa de admiração, de respeito.

Não é tão difícil assim limpar a mente, ocupando muitas vezes as mãos. Acontece que muitos de vocês aqui trabalham em algo em que se ocupa a mão como arar a terra, pintar, reger como o maestro, porque muitas das ocupações de vocês hoje são sentar na cadeira e ficar escrevendo idéia. Idéia não se escreve, se tem, se apropria, se põe em prática, se faz.

Distribuam um pouco de sua beleza naquilo que vocês escrevem, naquilo que vocês têm a escrever. Pensando, recitando poesia, sei lá – qualquer forma de extravasar. (Dirige-se a um dos participantes: Não é F.? Pendurado na escada, enroscando… Aposto que quando você estava lá, não pensava em mais nada a não ser na sua atividade.) É por aí. Simples, não? Isto é ação. Pequenas, constantes, que façam com que vocês limpem a mente.

Esta é a mensagem: é fácil de fazer. É só fazer atividade física. Natural do ser humano como caminhar, usar as mãos como ferramentas de trabalho, mesmo que exijam de vocês um trabalho intelectual. Vocês são capazes de colocar nisso uma ação real, uma ação concreta, e é isto que faz a diferença – na qualidade, na limpeza, na translucidez de suas mentes.

O coração faz coisas que a mente tem horror porque ela não consegue. Sabe aquela frase parecida com esta? Esta é totalmente diversa, mas é verdade. Sintam, como estão sentindo agora uma sensação gostosa… Parou o barulhão, e o coração começou a bater mais forte. Isto é limpar a mente. Mentes limpas, sãs, o corpo lhes agradece e vice versa. São máximas muito antigas. Que os próximos dias sejam de leveza. Sabe aquela coisa de “nossa, parece que estou dois centímetros acima do chão!”. Caminhar com eles.

Muito obrigada à presença das égides, das culturas referidas – estão aqui todas. Eu acredito que eu tenha dito o que todas elas sempre disseram.

PEDRA ALTA

O respeito e o entendimento do momento.

Posted in Conselhos with tags , on março 24, 2017 by Helen Ians

SEA STORM1

Para que haja entendimento do que a alma precisa, é necessário que os irmãos abram seus corações para aquilo que o Pai coloca em seu caminho.

Sendo assim, fiquem atentos àqueles sinais que a todo momento são colocados em sua frente. Reconhecer as mãos de Deus em seu caminho é colocar acima de tudo a fé como guia.

2

Como a correnteza leva os barcos mar adentro, ela pode também trazer de volta à praia aquilo que se perdeu há muito. Deste pequeno ensinamento, tiramos a lição de que tudo que faz bem também pode em algum momento fazer mal. Contudo, isto depende do momento em que está.

Se o mar está agitado, respeite-o  e vai com cautela. E se um dia estiver em busca de algo, tenha fé, pois o mar é capaz de trazer aquilo que perdeu.

Psicografia Viviane

Peçam paz ao mundo, que está tão necessitado.

Posted in Conselhos, Uncategorized with tags , , on dezembro 28, 2016 by Helen Ians

aquele-sem-privilegioQueria lembrar sobre a doação de energia de cada um de nós que foi fundamental para que vários trabalhos fossem realizados nesta Casa.

Apenas dizendo algumas palavras sobre a data que se aproxima, propícia para reflexão, para que vocês valorizem o que vocês tem de mais precioso no seio do vosso lar, na presença dos vossos amigos, não esquecendo daquele que nesta noite não tem o privilégio.

Pratiquem, sim, a caridade e para vocês no ano que vai se aproximar façam as vossas orações, peçam paz ao mundo que está tão necessitado. Peçam discernimento, equilíbrio para saber qual caminho escolher e, principalmente, agradeçam pelaoportunidade que vos é dada diariamente. Agradeçam por ter Deus que não abandona nenhum de vós. Mais uma vez desejo um natal abençoado a cada um de vocês, extensivo a vossa família e que o ano novo traga paz, humildade, muita saúde para nos mais uma vez nesta Casa de Luz.

ANA NERI