Arquivo para crescimento espiritual

Buscar equilíbrio e sustentação para estar preparado para o que vier.

Posted in Oração with tags on julho 15, 2017 by Helen Ians

estar em oração

Gostaria de relembrar aos queridos irmãos, nesta noite, que a Casa do Pai tem várias moradas. Não importa se durante o caminhar de cada um de vós, vocês conheçam, entrem, digamos, assim, nestas diversas casas. O mais importante queridos irmãos é o que elas têm em comum – o ensinamento, a valorização do crescimento espiritual, as palavras que trazem em si a paz, a justiça de Deus, a misericórdia, o perdão, e a fé.

Não existe uma melhor, outra pior. O que vocês devem buscar, como já dito pelo nosso irmão Cacique, é a sua evolução; buscar o seu caminho, o seu equilíbrio, a sua sustentação, para que assim tornando-se fortes, vocês possam estar preparados para o que vier.

Sempre há tempo para aprender e sempre há tempo para recomeçar. O que importa é a sua predisposição para aprender, ouvir, aceitar, praticar a sua fé, rezar do jeito que você souber.

O mais importante é a oração que vem do seu coração. E lembrai-vos, queridos irmãos, não estão sós. Agradeço a oportunidade de estar mais uma vez nesta Casa de Luz e peço a Deus que abençoe a todos.

ANA NERI

Onde quero chegar, onde estou e qual o meu rastro?

Posted in Arte de viver, Uncategorized with tags , , on junho 23, 2017 by Helen Ians

frog

Ou na mão do santo ou na mão da Santa,  eu acho que alguns devem ter um monte de santa por aí, eu acho…

Irmã Lakota agradeço a ti e seus comandados, meu amigo irmão Trácio, gladiador, que o senhor continue cuidando, orientando e mostrando sempre o melhor caminho para seu aparelho, vá em paz. Irmã Cabocla, agradeço a ti toda a energia nesta Casa.

Aí eu completo com aquilo que já foi bem dito aqui nesta Casa e, na semana passada, se eu me lembro bem, eu deixei uma história em forma de pergunta aos médiuns, e que vou fazer para vocês que estão aqui para que cada um responda a si mesmo. Parece até uma piada. Mas vamos cumprir com nossa obrigação.

Três sapos estão em cima de uma pedra, dois sapos decidem pular na água, quantos sapos ficaram na pedra? Conta de matemática. Que cada um responda a si mesmo.

Aqueles que responderam que um sapo ficou na pedra, está enganado. Por que está enganado? É simples. Existe uma diferença e uma distância enorme entre decidir pular e pular. O “decidir”, não pulou. Decidiram pular mas não pularam. Diferente de que “dois pularam na água”. Esta é a grande diferença, entre a linha que separa a força de vontade de um, isto foi contado na semana passada, entre o decidir fazer, e ficar parado na famosa zona de conforto. Como eu já disse estes dias para atrás, para quebrar a resistência é difícil. Para quebrar aquilo que se acredita já há 30, 40 anos, 20 anos, é difícil. Como é que, de uma hora para a outra, a máscara vai cair e a pessoa vai enxergar a si mesma: nossa, quanta coisa errada eu fiz e hoje estou pagando. Sim, hoje estou pagando – o que é mais difícil ainda. Nós sabemos e entendemos, sem dúvida. Eis o motivo da brincadeira dos três sapos.

E dando sequência, eu quero que prestem atenção porque tudo é uma forma de sequência, como é falado aqui. Existem duas formas da pessoa crescer na Terra: na matéria, que é a forma difícil e dolorosa ou na forma espiritual, onde o moço e a moça vão refletir sobre aquilo que estão escutando, aqui ou em outro qualquer lugar, e vão buscar o crescimento dentro de si, como já foi dito, e colocar em seu caminho.

Tem gente que prefere buscar a matéria e, como já foi dito, buscar a matéria é buscar a sombra e a pessoa vai cada vez mais para o buraco. Como é falado aqui pela corrente indígena, busquem o espiritual para depois buscar o material. Quando é falado busquem o espiritual, ninguém está falando venham para a casa espirita, vão para um centro espirita, ou, como diz meu general, procurem as beatas por aí, que se dizem sem interesse, é claro, nenhum.

A pergunta que fica em toda esta escolha de evolução de caminho são duas perguntas que é preciso serem feitas e é claro que tudo isto é conhecimento e aprendizado de todos. Onde quero chegar e onde estou? Porque, às vezes, não combina onde a pessoa quer chegar com onde está. Aqui às vezes as pessoas acham que a corrente deve alguma coisa para alguém. No centro espírita que falarem isso, vão embora, porque o espírito está com chacota em cima de vocês – isso eu garanto. Primeiro, ninguém deve nada. Segundo, um espírito sério, como a corrente aqui é séria, como tem alguns outros lugares sérios – porque, quando mistura dinheiro, vai embora que é mentira. Só que tem gente, como diz meu general, que gosta de ser enganada e, sim vai ser enganada, podem ter certeza de que vai ser enganada. É dado aquilo que quer. Está plantando que que ser enganado, vai ser enganado.

Onde eu quero chegar e onde estou? Às vezes não combina. Muitos, às vezes, acham que a obrigação de um guia é fazer a pessoa ficar milionária – já que é para escrachar, nos vamos escrachar hoje, até o final. Também se enganam. A posição em que vocês estão sentados aí é a mesma posição dos médiuns que estão sentados aqui. Nenhuma diferença. A diferença é o comprometimento deles com o trabalho sério que existe em um caminho. Não tem diferença.

Se uns estão bem, outros também, e por aí vai, é claro que é fruto do direito de cada um, do trabalho, porque escolheram certo, fizeram certo, tiveram a atitude certa, não pararam no tempo, com muita pergunta, como disse a irmã India na semana passada: com muita teoria. Como diz meu general, uma coisa é ter cultura e outra coisa é ser inteligente.

Aí quando se começa a bater na máscara, a máscara cai. É claro que ela vai cair. E por que estou falando isso? Porque geralmente as pessoas vão deixando rastro de uma forma completamente errada.

Aí você olha para trás e vai pegando a máscara, vai pegando o rastro, e começa a bater na primeira máscara. Vão acompanhando o que estou querendo dizer. Diga-se de passagem a máscara é o defeito da pessoa. Aí você bate na primeira máscara e você vence, e a máscara cai. Aí você vai se aprofundar mais ainda, e continua se aprofundando, bate na segunda máscara, vence e a máscara cai. Aí você continua se aprofundando cada vez mais, bate de novo, vence e a máscara cai até, como é falado aqui nesta Casa, a pessoa se iluminar. Por isso foi dito tanto para a pessoa aqui que, quando a pessoa se ilumina, é na vertical, que é o encontro de si mesmo unificado com Deus.

Só que da mesma forma que a pessoa é iluminada e a pessoa acorda porque todas as máscaras caem e pode pegar um bom caminho, tem gente que se ilumina da forma errada. Aí o bom, sabe quem é o bom? Aquele que fala meia dúzia de palavras bonitas e erradas que não faz a pessoa crescer, e alimenta o erro da pessoa e a pessoa embarca e se afunda. Basta olhar para dentro de si. Basta olhar no espelho.

Aliás, foi dito de uma história de um espelho – aquele que já está unificada com Deus não precisa passar o pano e tirar a sujeira, a sujeira é a de si mesmo, porque a pessoa já sabe como deve ser o seu comportamento, a sua atitude, no seu dia a dia. Por isso que tanto é dito aqui, há mais de 30 anos, que o culpado é você. Pelas suas atitudes.

A pergunta que fica é onde entra o espiritual nisso? Tirando a parte que é tratamento de saúde, o trabalho nosso assim como de corrente certa não é angariar pessoas para deixar a casa lotada com 10 mil, 50 mil pessoas, nunca foi assim, o propósito não é este, desde a época que o mentor Augusto fundou este centro e os trabalhos. A intenção nunca foi esta. Há um tempo atrás eu disse que aqui é centro para gente grande. A pessoa que é pequena pega as coisas e vai embora, não tem problema nenhum.

Seria muito fácil porque vocês analisam as coisas pela superfície, como tudo que fazem. É dificil encontrar alguém que analisa as coisas através de um segundo olhar e analisa as coisas pelas profundezas. Como eu também venho falando há algum tempo. Seria muito fácil porque a gente sabe o que acontece com um e com outro. Como diz meu general, a gente sabe o que cada um vem buscar aqui. Seria fácil alimentá-los da forma errada só para tê-los aqui. Aqui ninguém pede nada, nem as garrafas que estão aqui – as garrafas são doadas. Isto já mostra o comprometimento de quem faz isso aqui acontecer, que são os médiuns, são vocês.

Quando a gente percebe alguém fora do trilho ou a pessoa se alinha com o trabalho ou a pessoa é espirrada. Aí vem alguém aqui perguntar, amanhã, para o meu general – como é que um centro espírita fala que vai mandar alguém embora? Se tiver que mandar, manda. Ou cresce, ou se transfoma, ou está apto a escutar, ou vai procurar beatos por aí, que tem um monte, para te colocar no colo e falar meia dúzia de palavras bonitas.

Só que, pelo que eu sei aqui, só não vou dar exemplo para a coisa não se estender muito, até porque tenho muito trabalho a ser feito ainda e não vou perder tempo com coisa pequena – pelo visto os que pegaram o caminho estão bem. Basta olhar. Os que sabem escutar, estão bem.

Eu acho que às vezes existe uma controvérsia entre os fatos, quando a pessoa fala sem propriedade no que está falando. Isso eu digo pelo comprometimento de uma corrente séria que deseja a todos o crescimento.

É claro que aqueles que caminham da forma certa, estão plantando da forma certa, existe uma energia maior que ajuda, existe uma energia maior que manipula no campo espiritual, como foi bem dito aqui pelos nossos irmãos, e mandam os sinais para vocês.

Não existe crescimento – na minha época falava assim, só que em outra época – se a pessoa não deixar um rastro de sangue pelo caminho. Isto era dito no campo de batalha. E eu via que aqueles que tinham seu crescimento, na guerra, naquele momento, é porque estavam deixando o rastro. Tanto eu, como a corrente indígena, como Trácio, na sua época, Ragnar da mesma forma.

Para isso é preciso um preparo, é preciso a pessoa dar o passo. Qual a minha busca dentro de um lugar sagrado? A partir do momento em que sua busca no lugar sagrado é prazer, perde, cai, como muitos aqui já sabem. Correram atrás de prazer, se lascaram. Acabaram caindo. Correram atrás porque não conseguem detectar o sagrado, onde estão. Dinheiro? Estão em lugar errado porque haja vista – como bem disse meu general hoje sentado à mesa tomando café agora há pouco, só que de forma contrária – há pessoas que se iluminam com alegria, dentro da verdade, e estas são guiadas pelo plano espiritual. Não são todos que são guiados pelo plano espiritual. Se não estão se sentindo bem, vão para o colo da beata ou do beato.

Diferente daqueles que se iluminam aqui, quando acontece algum fato bom – ganhei tanto! Otimo, ganhou tanto. Só que aí o problema de saúde vai embora, engraçado… O problema de saúde vai embora, a pessoa está toda iluminada, por algum motivo. O motivo é “ganhou um bom dinheiro”, só que está achando que foi aqui que deu. Não foi aqui que deu. Se este é o pensamento, está muito enganado. Só que para pessoa chegar a este consenso todo, de rastro, onde você vai batendo como a corrente aqui faz, a corrente aqui trabalha da seguinte forma: vai batendo na sua máscara, e a máscara vai caindo. Vai batendo, vence e a máscara cai. Se aprofunda mais ainda e a máscara cai. E se aprofunda mais ainda, e bate e vence, e a máscara cai, até a pessoa ficar sem nada, estou falando sem nada de fantasia.

Sim, seria muito fácil começar aqui a fantasiar o circo. A coisa mais fácil que tem é acender alguém. Nisto eu sou perito. Ou para o lado bom ou para o lado ruim . Como eu trabalho nos dois lados, para quem não sabe, prazer. Apenas tenho um compromisso aqui nesta Casa e acabou se tornando em outro compromisso junto com a corrente, por isso venho ajudar.

Comecem, cada um aqui, como eu disse a primeira pergunta quando chegar em casa é onde eu quero chegar? Aí já vai ter a resposta. Se é encontrar a transformação, sejam bem vindos. Se por outro motivo, busque em outro canto. E onde estou? Aqui é um lugar sagrado porque existe um comprometimento e a seriedade de todos aqui para quem realmente quer crescer, quer evoluir, quer crescer. Como se evolui e como cresce? Prestem atenção no seu dia a dia nos sinais. Não se acovardem, não se acovardem por escutar a verdade, não se acovardem de conseguirem olhar no espelho refletindo a si mesmo. Eu também já disse, não se acovardem, porque se tiver que tirar o pó, vão tirando o pó, porque o nosso trabalho é bater, bater, bater cada vez mais até a pessoa ficar lapidada para conseguir.

Por isso que, até onde entendo de conselho, o bom amigo não é aquele que fala as coisas para te agradar. É aquele que fala a verdade, sem iludir. É a mesma coisa que chegar alguém aqui, que quer ajudar todo mundo, como dizem aqui é Madre Tereza de Calcutá. Vai virar beata, vamos colocar em um pedestal, é lindo. O que está ganhando em troca? É dinheiro, é passagem de viagem? O que mais? Eu preciso saber o que está ganhando. Que será que acontece?

Aí quando chega aqui, qual é o trabalho nosso? Botar no colo? Não. É mostrar a verdade. Olha, muda isso, muda aquilo, faz não sei o que, faz não sei o que lá. Só que as coisas não é de um dia para o outro. Como é que vocês dão nó na mesma corda durante 40 anos, 50 anos dando nó na mesma corda, aí o sujeito ou a sujeita acha que, de um dia para outro, vai desatar tudo. Encontraram a casa milagreira deste país. Sejam bem vindos, vamos mudar o nome do lugar. Não é mais Caminho Sagrado ou sei lá o nome. Muda aí. Vamos mudar: casa do milagre.

O problema não é nosso, o problema é de vocês. Amarraram os 40 nós? Vocês vão ter que desatar os 40 nós. Nós não temos obrigação nenhuma de ficar desatando os nós de vocês. Querem aprender ou querem ser acariciados? Eu não sou bom para isso, nunca fui.

Agora, quer uma corrente séria do lado de vocês, de cura, só que a parte de cura… vamos tocar no assunto agora da parte de cura. Pelo que a gente vê e percebe, tem gente que tem realmente problemas de saúde e n pessoas aqui foram curadas, até por milagres.

Agora a pessoa que se ilumina e se cura porque está precisando é do dinheiro, que busque outra casa porque aqui não vai buscar, tenho certeza absoluta. É assim que trabalha um centro sério. É desta forma. Já vimos muitas pessoas aqui evoluindo, se transformando, buscando o caminho e sentindo o sinal e sentindo a cada um aqui, em forma de espírito, no seu caminho. E aqui ninguém espera agradecimento. Guarde para vocês, agradeça a Deus, agradeça à arvore, sei lá a quem.

Por isto as duas perguntas, onde quero chegar e onde estou? Quando se busca o material, que é buscar a sombra, a sombra e o material – aquilo que eu disse a semana passada, quem busca o material, a matéria, se perde da noite para o dia. Troquei o carro, parabéns! Daqui 5 a 10 anos, a gente conversa. Isso se não perder antes. Troquei não sei que, ótimo…

Tudo que é de direito de vocês, vocês tem que lutar sim para conquistar. Ótimo, querem um milhão, lutem, vamos dar o maior apoio para vocês, a corrente vai estar acompanhando. Sá não esperem loteria. Agora vão lá jogar e se ganharem não vai falar que foi a corrente. Isto é pensar muito pequeno. Por isso, como fala meu general, existe uma distância enorme entre quem é culto e quem tem inteligência – buscar o espiritual é buscar a si mesmo, como é falado aqui. Todo mundo aqui conta história, conta isso, conta aquilo, que é justamente para vocês se iluminarem,  perceberem o que estão fazendo.

E por fim o rastro. É claro que gente entende quando a pessoa se perde em palavras ou em atitude porque ela está vendo o que ela fez como ela mesma durante a vida. Ponto para o plano espiritual. Parabéns a todos os espíritos aqui presentes que, vamos colocar assim, financiaram esta noite maravilhosa para mim. É evidente que, quando a pessoa começa a acordar, ou a pessoa vai estrilar, vai se debater e quem está acostumado com guerra, como a gente, o se debater não é nada. A gente dá risada. Para quem está acostumado com energia, também… é claro que nos sabemos que, às vezes, não é fácil enxergar a si mesmo, às vezes não é fácil olhar para dentro de si. Mas estes que estão fazendo isso, olhando para dentro de si, se estrebuchando continuem se estrebuchando que estão no caminho certo – é porque está surtindo efeito. É a parte que eu gosto.

Agora, é preciso mais cuidado porque uma coisa é certa – a corrente sabe que é certa e eu também sei que é certa – vocês podem estrebuchar com vocês mesmos, vocês podem estrebuchar com os outros, podem fazer o que querem com o caminho, agora cuidado com o estrebuchar com uma corrente inteira. É claro que não estamos falando que vamos pegar a pessoa e jogar debaixo do ônibus. Não é esta a intenção. Mas o ficar sozinho pode acontecer. Aí no lugar do crescimento, a pessoa vai encontrar alguém que lhe restou. Toda uma energia maior como esta, está atuando, está lapidando, está fazendo acontecer, aí vai restar o colo dos beatos. Tem um monte de beatos por aí e, cuidado, tem os que cobram, como diz meu general, são os estelionatários, quem não sabe vai pesquisar para ver o que é.

Eu espero que todos aqui tenham entendido a forma que se deve lidar consigo mesmo e com a vida, a forma que se deve caminhar que é o rastro, cuidado com o que deixam porque pode atrapalhar uma vida inteira sua, pode atrapalhar o seu sonho, mesmo que o seu sonho seja ganhar isto, ganhar aquilo, não importa. Se o seu sonho é isto, se você acredita nisto, vai lutar por aquilo que quer. Mérito seu, não é nosso.

Se toda a energia contribuiu e você escutou na forma certa, quantos aqui acabam se aproximando da corrente, e frequentam a casa, e estão desempregados – eu não gosto de ficar falando dos pontos de glória da casa mas às vezes é preciso. Detesto fazer isso, aliás, nunca falei, é a primeira vez. Tem gente que vem aqui pedindo ajuda para emprego e a pessoa começa a plantar da forma certa, a fazer e botar em prática tudo aquilo que escuta, e  as coisas começam a acontecer. Para uns, é claro, acontece da noite para o dia e para outros, vai demorar um pouco mais. A alegria da corrente é quando percebe que a pessoa se iluminou às vezes com uma palavra, com uma história e a pessoa está caminhando da forma certa, e consegue tal emprego que deseja, está bem, alavancando cada vez mais o seu progresso, a sua transformação e consegue se unificar com aquilo que é de mais sagrado.

Não somos nós mas ele mesmo. Sim, ele mesmo, porque escutou, está fazendo da forma correta o que deve ser feito, consegue sentir a energia à sua volta, como no dia do passe aqui, que é na semana que vem. Quando se fala de passe, é vago demais: vou passar energia. No momento do tal passe, como é dito nesta casa e em algumas, é o momento de se unificar com o guia que está passando. Só que alguns acham que nós não sabemos qual é a sua busca. É aquilo que a corrente indígena fala e que eu acho que é muito bem dito, e falado, e comentado: quando um sujeito com problema de saúde se aproxima de um xamã aqui da Casa e, para a gente não importa, se o sujeito ou a sujeita acredita ou não naquilo que está acontecendo. Nós não estamos preocupados se a pessoa acredita, não estamos preocupados se a pessoa frequenta a igreja crente ou frequenta não sei aonde, não estamos preocupados. Se der para ajudar, nós vamos ajudar, só que da forma certa. Não estamos aqui para ficar acariciando ninguém ou falando coisas que vocês vão adorar escutar. Seria a coisa mais fácil, seria até uma covardia, porque é covarde, na minha opinião, de falar aquilo que você quer escutar. Aí o sujeito pega o remédio que o xamã faz e leva para casa. Quem vai estar transformando aquela simples água em um remédio são vocês, no momento em que vocês vão tomar. Aí dá certo: A corrente é boa. Não dá certo: ela não presta, é tudo mentira.

A corrente não está preocupada com aquilo que vocês acham, esta é a verdade. Aqui a gente faz o que deve ser feito. Se é para botar a pessoa no caminho, nós vamos esbofetear até a pessoa ir para o chão. Ou ir para o hospital, vamos colocar assim. Aí a pessoa acorda, e quem sabe, pega o rumo da forma certa. O crescer é enxergar a verdade, a transparência da verdade, não importando o meio do caminho. Se o sujeito ou a sujeita vai encontrar o seu sonho, apanhando, vamos bater até encontrar, pode ter certeza que vamos ajudar. Agora, o que vai acontecer no meio do caminho, é um problema nosso.

Agora, a preocupação maior que se deve ter é quando toda uma energia sai do caminho da pessoa, pela falta de conhecimento, pela falta de entendimento daquilo que é feito de uma forma correta, onde existe uma verdade. Espero que cada um de vocês reflita sobre aquilo que é deixado pelo centro e que se mostrem mais verdadeiros com si mesmos. Querem a verdade? Sejam benvindos. Querem a mentira? Que busquem a mentira. O problema não é nosso, o problema é de vocês. Que Santa Luzia abençoe a todos.

Que todos busquem as três lições de casa: as duas perguntas – onde estou, onde quero chegar (o buscar o material é diferente de buscar o espiritual) e o rastro. Sejam fortes, verdadeiros, íntegros, com ética com vocês mesmos. E se decidiu pular, que pulem na água.

Como diz Ragnar aqui para mim – queria deixar esta história para depois, só para os médiuns, mas quero falar agora, como ele está pedindo. Às vezes nós somos uma gota de chuva, só que por muitas vezes a gente se sente sozinho. Só que, em determinado momento da nossa vida, vamos ser atirados no oceano e vamos nos misturar com todo o oceano e fazer o nosso encontro, e perceber naquele momento que você está ligado em todo o oceano, você não está mais sozinho. Não vai mais se sentir sozinho e não vai mais ter medo.

Agradeço a todos, vão em paz, e que a Santa Luzia abençoe a cada sonho que vocês almejam para a sua vida. Não esqueçam, alimentem o seu sonho, alimentem o que buscam, alimentem a sua verdade, é isto que vai trazer paz, alegria e esperança para vocês. O resto é lixo e vai embora. Ragnar, agradeço as palavras.

PEÃO

Pratiquem tudo que aprenderam.

Posted in Arte de viver with tags , on janeiro 3, 2013 by Helen Ians

Aproveitem, queridos irmãos, o início deste último período do ano que vocês contam, aproveitem que as pessoas próximas a vocês, com quem vocês acabam tendo uma maior sensibilidade, tendo uma maior disponibilidade e pratiquem tudo que aqui aprenderam durante este ano.

Pratiquem a caridade, não só material. Dêem de presente um cumprimento pela manhã, um sorriso para aquele irmão que se encontra preocupado, triste, imerso em pensamentos. Doem um pouco de seu tempo para sentar-se com uma criança e, realmente, brincar com ela. Doem um pouquinho do vosso tempo para sentar ao lado de uma pessoa idosa e ouvir as suas histórias, as suas experiências de vida. Comecem a perceber os pequenos gestos, na imagem de um dia amanhecendo, na imagem da lua se levantando ao céu – agradeçam e fiquem como verdadeiros espectadores do espetáculo da natureza.

Façam uma retrospectiva de em que você gostaria de se tornar melhor, em que você pode ajudar a ti mesmo em primeiro lugar, para que você possa crescer e ajudar o teu próximo.

Vocês estão mais sensíveis. Naturalmente, estão sorrindo mais, estão fazendo planos. Incluam neste plano o seu crescimento espiritual e confiem em Deus, Nosso Pai. Façam dele o seu melhor amigo e companheiro de todos os momentos.

Agradeço a oportunidade de estar mais uma vez nesta casa de luz e peço a Deus que abençoe a todos.

Ana Neri