A neve derreteu com a luz e o calor da primavera e o milagre se fez!

O MILAGREQue coisa bonita, que doçura… Eu tenho coisas um pouco duras para dizer a vocês mas vou começar com algo poético para não perder este elã que acabamos de ouvir, desta pureza que emociona. Vamos falar de renascimento, de transformação e eu vou dar  um exemplo. Há alguns aqui que gostam muito quando eu conto minhas breves histórias de quando eu era jovem.

Quando eu era um menino muito pequeno, na primeira vez que eu vi a neve – a neve, não sei se todos vocês já viram, mas pela informação que tem, sabem do que estou falando, de uma paisagem com neve… A primeira vez que eu vi, eu pensei, na minha pureza e na minha sabedoria de uma criança: Meu Deus eu acho que nunca mais vou ver nada verde. Deus cobriu o mundo de branco e frio. Mas este receio, esta dúvida, logo se esvaneceu. Por quê? Com a mesma curiosidade e dúvida da criança, eu percebi que os outros animais (porque animais também somos) talvez os menorzinhos, mais espertos do que nós, como uma lebre que olhava para mim e pensava assim: mas como você é burro, não? como você jamais vai ver outra vez o verde? Você acha que vou desistir por causa da neve? Conversas de crianças com coelhos. Pois é isso. A neve derreteu com a luz e o calor da primavera e o milagre se fez, tudo voltou a ser verde outra vez.

Fica a poesia para que vocês pensem no momento que vocês estão vivendo. Em vez de neve, infelizmente, foi a lama. Vai demorar mais para derreter ou liberar os brotos e as sementes? Talvez. Mas vai renascer. A vida vai voltar a ser como deve ser.

Outra coisa: sendo breve – eu ando um pouco cansado de ouvir esta civilização dizer em “vida saudável” “comida não sei o que” “diet” e outras bobagens, bobagens… Eu estava outro dia conversando com um de vocês e aprendi alguma coisa: muita coisa verde é comida de coelho, entendeu? Às vezes, nem coelho gosta do que vocês pensam porque dizem que faz muito bem. Neste momento, em que vocês precisam de força, aqueles que podem, e quase todos podem, comam raízes, absorvam o suco das frutas frescas, a carne vermelha do búfalo e, não me venham com grãozinhos, coisinhas, porque nem coelho come isso! Estamos combinados? Precisamos do exército forte. Soldados não comem folhinha. Nunca comeram.

Eu achei que ia ser duro, mas não fui. Espero que não seja engraçado porque é verdade o que estou falando.

Outra coisa: não me venham com esta história de mosquito não sei o que, que dá quizumba, eu sei lá o nome… Eu já disse isso aqui… Estão tentando, sem conseguir, desviar a atenção de vocês. Sempre existiu mosquito, sempre existiu gripe – agora estão dando nome N46 sei lá, e sobrenome. Parem com isso. Este tipo de coisa só atinge aqueles que não estão limpos. Vocês tomem banho direito, esfrega bem a cara. Não tem mosquito da quizumba, sei lá como chama, que vai picar. Vocês tem o livre arbítrio de seguir bobagem ou não. Muito cuidado com estas tais vacinas. Manda dar vacina naqueles que mandam vocês tomarem vacina. Outro tipo de vacina. O país passa por um momento em que não há saneamento. É mais perigoso ir neste buraco para tomar vacina do que não tomar, talvez. Muito cuidado, isto é tudo para desviar a atenção de vocês. E pessoas saudáveis que comem raízes, carne vermelha, soldados que não comem coisa de coelho, não pegam 45 nem a outra… Fui claro? Principalmente as crianças, cuidem das crianças, da alimentação deles. É claro que devem evitar – e isto é a única coisa lógica que deve ser dito a vocês – muita gente. Eu falei a vocês, uma vez, que eu detesto muita gente. Fora isso, guerreiros, não quero aqui ninguém com medo de mosquito.

Agora fui duro. Perdoe-me, elevei a voz, pois têm algumas pessoas que são meio surdas, tipo conveniência – então estas também ouviram. Esta é uma casa de cura fundamentalmente. São todos bem vindos com os problemas que tenham, com as disfunções que por acaso tenham contraído, mas existe uma coisa na medicina, desde que ela existe em todos os sentidos, em todas as civilizações, que é a profilaxia – a educação para não contrair determinadas doenças principalmente quando certas doenças são criadas – dão até nome, número – para que os tontos fiquem achando que estão fazendo alguma coisa por vocês e não estão fazendo nada a não ser por eles. Acabou.

Por isso eu falei no início, a primavera da vida está aí – queiram eles ou não. E não queremos que nenhum dos guerreiros aqui tombe, principalmente depois da guerra, por um mosquito macumba, como chama?… Qualquer. Acreditem – mesmo que seja na filosofia, na ética, na arte, na estética – do que numa pseudociência conveniente para quem a quer.

Boa noite, queridos! Eu espero que a saúde da mente, o bem estar do povo, e a leveza da alma esteja com todos vocês. Amém.

PEDRA ALTA

CACIQUE: Guerreiro, Cacique agradece a mensagem.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: