Juntos, vencemos. Juntos, reconstruiremos.

Juntos venceremos

Concordo plenamente com o que acabo de ouvir sobre viver o presente sem muitas projeções porque quando vivido o momento com intensidade sobra sempre um pouco de coisa boa e energia concentrada para o que virá no dia seguinte. Contudo, peço a vocês todos que resgatem do passado, presente – mas principalmente os jovens aqui presentes prestem muita atenção ao que vou pedir em nome da corrente. Nos próximos dias, dentro de pouco tempo, o país vai precisar ser reconstruído. Não há dúvida a respeito disso.

Eu peço que os jovens pensem a este respeito e contribuam com seu talento, com as suas experiências. Experiências jovens são muito interessantes porque ainda tem um vigor imenso. Pensem nisso. Isso virá também como um retorno a vocês em termos do que vocês podem ganhar – não me refiro só a ouro, mas a prestígio, ao reconhecimento em termos daquilo que vocês sabem fazer.

Intensifiquem, aqueles que já trabalham, pensando: meu Deus eu estou contribuindo para a reconstrução do meu pais. Os que estudam se concentrem mais ainda em seus estudos, principalmente em disciplinas práticas, úteis para isso que estou dizendo. Nada de muita filosofia, embora eu ame a filosofia, mas muito mais as coisas que vão trazer retorno para quem vai precisar muito. E muitos vão precisar de cada um de vocês.

Aqueles que pretendem se afastar do país para estudar ou eventualmente lá fora, não façam isto neste exato momento. Precisamos de vocês aqui. (Por favor mande esta mensagem o mais rápido possível para o meu amigo, o meu filho querido Felipe. Sem muita – e isso é para todos  – explicação.) Parem um pouco de voar, voltem à terra, cancelem algumas coisas que são muito distantes daquilo que é o real e que está acontecendo. (Ele vai entender, como Marina entendeu. O outro menino, acabei de falar com ele há pouco tempo, e seu irmão. Fale isso para aquele outro guerreiro que eu gosto muito e vocês sabem disso.) Prestem atenção: não estamos brincando. Não é um fim de festa. É o contrário, é o começo de alguma coisa muito boa pra todos vocês.

Aos adultos, peço que retornem ao passado quase presente, e resgatem coisas que sabem fazer muito também, fizeram e lhes deu prazer e que abandonaram. Os que trabalham, intensifiquem o seu trabalho exatamente nestes pontos que eu acabei de falar. Muito pouco estudo. Quero que sumam todos os livros – vocês lêem, ouvem, ouvem e não fazem nada. Eu vou esconder a Biblioteca de Alexandria, por algum tempo…

Apliquem, façam, estendam a mão, tão simplesmente, porque vai haver muita gente que precisa apenas de um aperto de mão. Usem estas coisas que vocês fazem não para bobagem mas para dizer para o outro: você está precisando de alguma coisa? Tem tanta gente precisando de uma palavra, de um abraço. Não falo em ajuda material. Falo em relacionamento humano. Usem estas ferramentas, se a tecnologia permite, que façam, da melhor forma possível.

Aqueles que trabalham, que intensifiquem, como eu disse. Aqueles que não, façam – tentem resgatar lá atrás. Os que escrevem, escrevam; os que dançam, ou dançaram – dancem; pessoas que pintam, pintem – o que não podem é ficar observando a terra arrasada. Se todos tiverem este pensamento de ajuda mútua, por mais simples que seja, quando olharem a terra, ela já estará replantada e brotando. È nestes próximos tempos. Não vou dizer quanto tempo, se não terá gente pensando quando vai ressurgir a graminha de novo.

Lutamos muito com todos vocês. Foi uma guerra, realmente, mas que, como toda a guerra, apesar da dor, sempre depois as coisas se reacomodam e renascem. Aqui será da mesma forma. Haverá alguma instabilidade momentânea, de resistência, mas tudo será novo. E eu espero que vocês se renovem nas suas idéias,nos seus sentimentos, nas suas atitudes, mas eu repito – existe pouca coisa mais inútil do que uma boa intenção. Ou seja: tomei uma atitude. Tomar uma atitude não significa absolutamente nada. Atitude é intenção. Saiam por favor das intenções e ajam e transformem estas atitudes positivas em comportamento efetivo, contributivo, de compartilhar aquilo que vocês tem de melhor. Imagine a energia de todos dando o que tem de melhor. Em qualquer sentido.

Você já sorriu para um passarinho? Devia. É neste sentido. Agradeçam a beleza que vocês recebem com uma pequena parte de sua própria beleza. Não precisa agradecer ao buraco onde você tropeçou. Leveza, é o que pedimos a vocês. Alguns de vocês tem uma capacidade tão grande de ser elevado que não duvido nada de que fiquem dois centímetros acima do chão. (Marina, meninos da outra família, você, seu irmão – entenderam? Quando querem, entendem direitinho, não é? Contribua, rapaz, com o que você tem, esta beleza que é externa e interna.)

Eu não quero ninguém dizendo assim: eu desejo que tudo… Não vai resolver nada. Eu quero quero as coisas sejam… Não adianta querer porque vai ser do jeito que tem que ser. Eu gostaria…  Quero que vocês digam: eu faço acontecer, das maneiras mais simples às mais sofisticadas.

Este é o recado. Ação, dentro dos limites de suas competências e responsabilidades, e ajuda pelo amor de Deus, à terra que os viu nascer e aos irmãos que são irmãos e que vao precisar se sentir assim. Estamos combinados? Juntos, vencemos. Juntos, reconstruiremos.

Agradeço a todos vocês e saibam que um grande exército, hoje, feliz de ver que todo o esforço foi e vai ser ainda mais recompensado. Juntos, faremos o que vocês pensam ser até o impossível.

Que Deus os ilumine a todos e ao caminho desta nação cada vez mais forte, agora renovada sob outra orientação. Amém.

PEDRA ALTA

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: