Sejam verdadeiros com si mesmos quando perceberem o Sagrado.

2015-01-21-NorthernPlainsIndianman-thumb.pngQue os guerreiros sejam bem vindos à Casa de Luz, aproveitem este momento de encontro nosso aqui na Casa de Luz, para que os guerreiros encontrem a si mesmo, busquem aquilo que está dentro de cada guerreiro na sua verdade, mas em paz, tranquilos como os guerreiros falam na Terra, serenos, para que sintam o Caminho Sagrado do Grande Espírito.

E que se aproximem, como Cacique disse luas para trás, e os guerreiros aqui da mesma forma, aproximem-se de si mesmos, junto do coração, junto da alma de vocês, guerreiros. Que peguem este caminho em paz, que lutem por aquilo que os guerreiros acreditam, na sua verdade, que os guerreiros olhem para dentro de si e percebam o que estão fazendo, de que forma estão caminhando, de que forma estão sentindo a terra, para que os guerreiros não reclamem ou não fique fantasma na mente dos guerreiros.

A pergunta que muitos fazem a si mesmo “o porquê não dá certo, o porquê não consigo, o porquê”… Na língua de Monteiro Lobato “os porquês aqui na Terra” são os fantasmas que, alimentados de forma certa, como semente, que plantada e cuidada, todos os dias, dá fruto bom, mas é preciso o trabalho de vocês, guerreiros, a dedicação. O fantasma dentro de si, mal alimentado, mal cuidado, ou que “acham” que estão cuidando bem, mas não estão, ou “acham” que estão fazendo certo, mas não estão, ele pode se tornar um fantasma maior que acompanha os guerreiros.

Cacique fala “não é espirito que atrapalha os guerreiros, mas, sim, este fantasma que você, guerreiro, está criando dentro de si”.  Na maioria das vezes você, guerreiro, você, guerreira, que criou este fantasma que se tornou grande. Por isso a resposta de muitas perguntas já está dentro de si. Basta o guerreiro ter a coragem, como diz o guerreiro Lobato, ter bom senso, e descobrir dentro de si as respostas.

Muitos não querem enxergar. É neste momento em que se afasta de si mesmo, se afasta de seu espírito porque não aceita. “Acham” que estão fazendo o caminho certo. Aí os guerreiros falam para si mesmos, como a corrente aqui escuta: “Estou aqui na Terra para aprender, crescer e transformar… Eu tinha que errar, todos aqui estão para errar.”

Para a corrente, estas palavras tem um entendimento contrário. Como diz guerreiro Peão – todos aqui sabem o que é certo e o que está errado. A forma que estão agindo certo, a forma que estão agindo errado. Muitos conseguem detectar logo no começo do que fazem e consertam, outros demoram um pouco mais para se dar conta, outros já não conseguem se dar conta porque tudo, como diz o guerreiro Peão, na sua sabedoria, é um preço que os guerreiros pagam pelas suas atitudes, pela forma que estão caminhando na Terra, pela forma que estão sentindo o seu caminho.

Este preço, Cacique fala, pode sair caro para alguns. E para muitos pode ser tarde demais naquilo que sonharam, naquilo que buscaram, naquilo que desejaram. Não é que aparecem outros caminhos. Os guerreiros podem levar certas coisas dentro de si, daquilo que estão fazendo no trabalho, Cacique fala em relação a tudo. Mas tem certas coisas que são sagradas para vocês, é a verdade para vocês, é o sentimento puro para vocês, aí é posto no caminho dos guerreiros, e uns conseguem ter o entendimento, outros já não conseguem ter o entendimento, daquilo que sempre buscaram – ou por uma atitude ou por uma palavra, acabam escorregando, deixando escorregar pela mão de vocês guerreiros.

Quantos trabalhos que guerreiros deixaram escaparCacique fala, trabalhos sérios. Quantos! Quantos guerreiros, e até mesmo guerreiras, deixaram a si mesmos, pela forma que caminharam na Terra, em atitude, quantos guerreiros deixaram a si mesmos, se distanciaram de si mesmos.

Quando Cacique fala, distanciaram de si mesmos, é preciso que os guerreiros por um momento parem, agora pelo menos, de pensar só em si. Cacique fala se afastaram de si mesmos, é se afastaram de seu sonho, de sua busca. Porque não conseguiram ter a visão longa da águia, para perceber aquilo que colocaram como gratidão no seu caminho, aquilo que colocaram no seu caminho que, sim, era momento sagrado de um guerreiro com o guerreiro mesmo para o caminho inteiro. Que os guerreiros, assim como na nossa tribo, sejam verdadeiros com si mesmos, quando conseguem perceber o sagrado.

Como diz Cacique e a corrente aos guerreiros, o sagrado é visto pelo olho da alma, aquilo que sentem. Por isso, vocês, guerreiros, que tem o esclarecimento, que tem o entendimento, escutam as mensagens – a reunião não termina quando nós desincorporamos dos aparelhos, ou quando termina a reunião. Reunião começa quando os guerreiros saem da porta para fora, mostrando a si mesmos atitude, mostrando a si mesmos o caminho, e felizes com si mesmos de terem sido verdadeiros com o Caminho Sagrado, com aquilo que foi dado.

Como dizia o guerreiro Prof. Policarpo, o guerreiro colhe aquilo que planta. Se plantar mandioca, colhe mandioca. Se plantar tristeza, vai colher tristeza, se plantar amor, vai colher amor, se plantar boas atitudes, o que vai ter em troca? Boas atitudes.

É preciso que os guerreiros sejam verdadeiros, honestos com si mesmos e com aquilo que o Grande Espírito dá a vocês, guerreiros, em forma de gratidão, Cacique fala. Não é porque muitos pensam – não está na hora, não estava no momento de eu ter este sagrado, não consegui – vocês, guerreiros, como Cacique disse, na história da lua passada, estão muito preocupados com definição da história do elefante que Cacique contou.

Como diz guerreiro Lobato, estão preocupados com onde estão no mapa, que lugar estão no mapa, e esquecem o sagrado. Como os cinco guerreiros do elefante onde cada um deu definição. Os cinco estavam certos. Pode ser raiz forte, pode ser grama, pode ser orelha, folha de bananeira. Todos certos. Estão preocupados com definição.

O todo, o sagrado é aquilo que está dentro de si. Por isso a diferença de um guerreiro e de outro, quando um guerreiro consegue perceber o que está no seu caminho. Por que muitos não conseguem? Porque a mente, que trai vocês todos os dias, está lá para frente. Aí quando o guerreiro Peão falou já falou a todos aqui na Casa de Luz, alguém sabe o que vai acontecer dentro de 70, 50, 20 anos na lua de vocês? Esquecem-se do hoje…

Quando se faz uma guerra, para aquilo que deseja e busca, assim como aldeia nossa sempre fez, com grandes guerreiros ao lado, que não temiam. Quando iam fazer guerra, era guerra. Só existia uma palavra – era vitória. Assim foi, guerra por guerra, para quem conhece história, mas a maior vitória nossa não foi o que vencia, a maior vitória Cacique falava aos guerreiros, assim como fala hoje para vocês guerreiros: (a maior vitória) é a vitória de um guerreiro pelo outro, é quando você olha o reflexo no rio e sabe quem é você, guerreiro.

Quem ia para a guerra, eram guerreiros preparados para a guerra. Não eram sempre guerreiros de guerra, a sua alma, seu espírito já era de guerra. Não precisava ter guerra toda lua, porque quando acabava a guerra, levava algumas luas para se recompor, encontrava a paz, participava de ritual para encontrar novamente a tranquilidade, e qual a diferença de um guerreiro com o outro? Nenhuma. A diferença é que na alma, no seu espírito já era espírito de guerra e é o que vocês, guerreiros, precisam ter naquilo que acreditam. Não se vai para uma guerra, como falam, já pensando ou numa derrota ou numa vitória. Se vai para uma guerra, como diz guerreiros, focado naquele momento, aquele momento é único. É preciso que um guerreiros junto com o outro dê o melhor, um cobrindo o outro, como os guerreiros falam.

Igual família, igual a um guerreiro e uma guerreira, é igual tudo, como um todo. Se um guerreiro não cobrir o outro, se um guerreiro errar e o outro não fizer acordo, não mostrar o erro, perde guerra.

Diferente de guerreiros na época que já iam para a guerra, já iam para a batalha, com um objetivo – de todos voltarem.

Este “todos voltarem”, traduzindo na época de vocês, é todos voltarem para o Caminho Sagrado, todos voltarem para aquilo que acreditam, todos voltarem a ter novamente a esperança naquilo que querem, naquilo que buscam, naquilo que acreditam.

Por isso, a importância de todo entendimento, como diz o guerreiro, analisando não a superfície e, sim, pelas profundezas, que é o certo. Muitos já julgam errado, sem saber da verdade, muitos já opinam, como diz guerreiro Lobato, por aquilo que estão vendo, ou da forma errada. Na língua de vocês existe uma palavra que na aldeia nossa não se gosta que é o “acho”. “Acho que é isso, acho que é aquilo”. Eu acho, já deduzem e é este o caminho que os guerreiros pegam. Por isso guerra nossa é guerra em silêncio.

Casaco azul na época, fazia muito barulho por isso perderam todas as guerras, pelo menos de aldeia nossa. Muito barulho, pouca atitude. Apertar gatilho qualquer guerreiro aperta, na época deles. Assim como qualquer guerreiro atira flecha. A pergunta é: quando, de que forma, qual a lua certa, o construir um caminho para que a estratégia de vocês de certo.

A todo o momento a corrente aqui sempre falou em forma de mensagens, por isso que muitos aqui sempre perguntaram a si mesmos – quantos a corrente escutava… “parece que mensagem foi para mim”. Sim, foi para você, guerreiro, para você, guerreira, pode ter certeza. E o que fizeram para mudar? Quantas vezes pediram a vocês ou falaram em forma de mensagem aqui ou, como diz guerreiro Peão, até através da magia que muitos receberam, mas não conseguiram entender.

Sim, a magia existe, para aqueles que perguntam – e não importa para a corrente se aqueles que acreditam, acontece… Pode acontecer com todos, independente de acreditarem na magia. Porque vocês, guerreiros também tem guerreiro do seu lado, assim como parentes, assim como espíritos de ajuda, que querem ver o bem de vocês, querem que vocês tenham caminho bom, caminho sagrado, com alegria. E os guerreiros sabem aquilo que é bom para vocês.

Mas para isso é preciso serem honestos com si mesmos. Serem verdadeiros com si mesmos. Aí, sim, buscarem este caminho que tanto querem,  que tanto buscam, que tanto sonham. Aqui cada um de vocês tem a sua busca, os seus sonhos, sim é de direito de cada um, se não como Cacique fala a vocês e guerreiro Peão fala, se não grande Espirito esta errado naquilo que criou.

Homem branco caminha sem sentir a terra. Vai por ir. Por isso muitas coisas dão errado, muitas coisas não acontecem. Sentem e não é para sentirem como muitos fazem aqui, de uma forma errada, sentirem o caminho quando parece tudo o perdido. Aí acordam, como diz guerreiro Peão, aí querem desatar o no que deram há muitas luas. Não é desta forma. Será que o caminho não está mostrando o que é para ser feito, ou o que era pare ter sido feito, ou será que cabeça está preocupada com definição ou que lugar está no mapa?

Reconheçam o caminho que pisam. É o começo. Percebam quem está à sua volta que realmente pode trazer boas energias.  Como muitos às vezes se perguntam, não adianta pisar na cobra que a cobra não vai ficar quieta – a cobra vai picar. Caminhem certo. Caminhem agradecidos ao Grande Espírito por aquilo que possuem, por aquilo que está ao seu lado, pela lição que tiveram, este é o caminho sagrado do Grande Espírito.

Que vocês guerreiros sejam bem vindos à Casa de Luz!

NUVEM VERMELHA

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: